Correio de Carajás

Obra de ponte em São Geraldo segue em ritmo acelerado

Pilares da ponte tomam forma no meio do Rio Araguaia /Fotos: Reprodução de vídeo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Uma das principais portas de entrada e saída do Estado do Pará está ganhando um novo cenário e, em breve, uma nova dinâmica com a construção de mais uma ponte sobre o Rio Araguaia, na divisa Pará/Tocantins. Trata-se da BR-153, que liga o sudeste do Pará à Belém-Brasília e, de lá, para o Centro-Oeste do Brasil. A obra segue a passos largos e quem passa ali hoje, sobre as balsas que fazem a travessia há anos, já percebe a maioria dos pilares prontos, uma importante etapa da construção.

Quando ficar pronta, a ponte terá 1.724 metros de extensão e a expectativa é que mais de 1,5 milhão de pessoas sejam beneficiadas. A estrutura vai compor a BR-153, que é uma das principais vias para escoar a produção dos dois estados. Numa margem está a cidade de São Geraldo do Araguaia (PA) e na outra Xambioá (TO).

A obra pertence ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), com empreiteira contratada e que dedicou bastante às bases do viaduto de acesso, no lado de Xambioá. A ponte está orçada em aproximadamente R$ 157 milhões e a previsão de entrega é em setembro de 2022. São, no total, 702 estacas, 88 blocos e 44 pilares.

Leia mais:

Contrato para a obra estava assinado desde 2017, mas era alvo de disputa judicial. Na época, o então presidente Michel Temer chegou a visitar a cidade para a assinatura.

A estrutura de base para o viaduto de acesso também está pronta

ENTENDA

A estrutura da ponte foi dividida em três segmentos: dois viadutos para os trechos extremos, e o trecho central e principal para a transposição do canal de navegação (246,0 m). A solução estrutural para a superestrutura dos dois viadutos de acesso é constituída por tabuleiros formados por cinco vigas longarinas pré-moldadas de concreto protendido.

Para o trecho central, foram previstas superestruturas em seção caixão celular de concreto armado e protendido, a serem moldadas no local, formando um segmento contínuo, sobre os apoios centrais (balanços sucessivos ou moldagem segmentada em aduelas ditas progressivas).

IMPORTÂNCIA A BR-153/PA/TO é um importante eixo de ligação entre as Regiões Norte e Sul do Brasil, por permitir a integração multimodal entre a ferrovia Norte-Sul e a hidrovia Tocantins-Araguaia. A construção da ponte vai impulsionar o desenvolvimento econômico local, pois facilitará o tráfego de veículos e caminhões, melhorando o escoamento da produção de bens e diminuindo os custos no transporte de cargas. (Patrick Roberto)

Cai o monopólio e já existe outra balsa no Araguaia

E enquanto a ponte é prevista como realidade apenas para o ano que vem, os motoristas que trafegam pelo trecho tiveram um alento com o advento de mais uma balsa fazendo a travessia de veículos entre São Geraldo do Araguaia (PA) e Xambioá (TO). O governo quebrou o monopólio da conhecida empresa Pipes, que reinava sozinha há décadas promovendo esse transporte a seu modo.

As duas balsas concorrentes passam lado a lado no Araguaia /Foto: Romário dos Santos – @issoesaga

A nova balsa é operada pela MRodofluvial Ltda, que é uma empresa paraense. O canal de navegação e os portos da nova prestadora de serviços já foram definidos e homologados pela Marinha do Brasil, que tem poderes para isso. A empresa começou a operar no último dia 24 de janeiro.

O termo de outorga foi concedido à empresa ainda em 2019 pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) e garante sua atuação até a conclusão da ponte sobre o Rio Araguaia, que está com as obras em ritmo acelerado.

Num informe à comunidade, o presidente da MRodofluvia, Pedro Paulo Gouveia Moraes, anunciou que a empresa preza pelo “compromisso com a qualidade na prestação do serviço de travessia, respeito ao usuário, ao meio ambiente e preço justo”, anunciou, ainda que a balsa não cobra a travessia de pedestres entre as duas cidades, “respeitadas as regras de controle e segurança da navegação definidas pela Marinha do Brasil”. Já a Pipes, companhia que no seu nome carrega as iniciais do seu proprietário, Pedro Iran do Espírito Santo, continua com a sua operação normal, só que agora convivendo lado a lado com a concorrência. (Da Redação)

Comentários

Mais

Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária Em seu discurso no evento em Marabá, o presidente do Incra, Geraldo Melo Filho,…
Começa hoje a vacinação da  população sem prioridade

Começa hoje a vacinação da população sem prioridade

Um mutirão de dois dias vai marcar o momento tão esperado pelos marabaenses: o início da vacinação contra a covid-19…
Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

A Secretaria Municipal de Saúde de Canaã dos Carajás recebeu do Governo do Estado 3.140 doses de vacina contra o…
Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

A administração pública de Parauapebas trabalha para resolver a situação dos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que estão acampados há…
Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Logo após a execução do Hino Nacional, no Parque de Exposições, nesta sexta-feira, dia 18, o prefeito de Marabá, Tião…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…