O “Desespero” da trilha ciclística em S. Domingos
Trilheiros enfrentaram terrenos rústicos para completar o circuito de 55 km
Ads

No Dia da Independência, centenas de trilheiros pegaram suas bikes para sentir a liberdade de pedalar por 55 quilômetros por uma estrada de chão e paisagens bucólicas.

Ads

A IV Trilha do Desespero, em São Domingos do Araguaia, vem se superando a cada ano e a competição é considerada umas das maiores da região, organizada pela Associação Ciclística e Esporte Radical. Neste ano, o evento reuniu mais de 300 atletas, além do Estado do Pará, várias cidades de outras regiões estão sendo representadas. Muitos ciclistas vieram do Tocantins, Maranhão e Goiás.

Para o odontólogo Renan Resende, “é sempre uma satisfação participar desse grande evento. É gratificante ver que todos os anos a gente supera as expectativas e os recordes vêm sendo quebrados em todos os aspectos. Nos tornamos uma família que a cada ano vem crescendo”.

O vice-prefeito de São João do Araguaia, Francisco Batista, o Chiquinho, que começou a pedalar há seis anos, se desloucou do município vizinho para estar presente ao evento. Chiquinho agradeceu a organização e a comunidade de São Domingos do Araguaia pela cordialidade e o carinho para fazer a festa acontecer.

Edilson Ribeiro, atleta de Araguaína, veio com 40 ciclistas da cidade tocantina para percorrer os 55 quilômetros. “É a primeira vez que venho À Trilha do Desespero e estamos maravilhados com o nível da competição. Onde tem moutain bike a gente vai, pois amamos o esporte”, conclui.

Depois de ter sofrido um grave acidente, o jovem Yago Mendes, começou a pedalar como uma formar de recuperação das sequelas deixadas. Aos 18 anos, é a primeira vez que participa da trilha. Ainda caminhando com certa de dificuldade, o mecânico usa o esporte para superar os próprios limites. Yago carregou toda a família para completar o percurso da prova e passar uma lição de vida àqueles que reclamam por tão pouco. (Márcio Aquino)

Ads