Ads

É previsto para os próximos dias o início das obras de infraestrutura portuária e de proteção das margens do Rio Tocantins e Rio Itacaiunas, em Marabá. Para tanto, basta a colaboração do clima, conforme Fábio Cardoso Moreira, secretário municipal de Viação e Obras Públicas (Sevop).

Ads

Ele conversou sobre o assunto com o Correio de Carajás ao ser procurado na manhã de hoje, quarta-feira (7), para ser questionado sobre a tramitação do projeto, cuja ordem de serviço foi assinada em março do ano passado.

O resultado da licitação da empresa que ofertou o menor preço para a elaboração de projeto e execução das obras foi divulgado um mês antes e quem está responsável é a Cejen Engenharia Ltda que ofertou o valor global de R$ 42.170.000,00 para entregar o muro de arrimo.

Moreira explica que houve demora para que o projeto estivesse apto à execução porque a responsável pela formulação era a empresa licitada, porém a Prefeitura Municipal de Marabá é quem deve aprová-lo, tendo sido pedidas algumas alterações até a aprovação final.

Conforme o secretário, a PMM contratou a Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), ligada à Universidade Federal do Pará (UFPA), para consultoria em Engenharia Civil e verificação dos projetos estruturais e geotécnicos, além de acompanhamento das obras de infraestrutura.

Em 2017, relembra, um muro de arrimo construído na praia do Marahu, em Mosqueiro, desabou parcialmente. A equipe que acompanha o projeto em Marabá, destaca, é a mesma que agiu na reconstrução feita na ilha de Belém.

“Colocamos eles para verificarem e aprovarem o projeto junto com engenheiro contratado pela PMM. O primeiro projeto foi apresentado e negado porque se tratava de esquema leve de montagem e não havia exemplo no Brasil disso ser colocado em contato com a água, então acharam inseguro. Mudaram para um segundo e um terceiro até que este último foi aprovado no final de 2018”, relata.

Moreira destaca que o projeto está em fase apenas de detalhamentos e deve ser entregue finalizado até a próxima terça-feira (13), acrescentando que até o momento a empresa recebeu apenas uma parte de pagamento referente a isso, sendo que o restante será pago ao final do processo.

OBRAS

De qualquer forma, salienta o secretário, as obras já poderiam ter sido iniciadas e só não o foram porque o nível do Rio Tocantins precisa baixar mais um tanto até que as equipes possam começar a trabalhar. Por questões orçamentárias a construção será dividida em três etapas e iniciada na Marabá Pioneira, explica Moreira.

“O projeto engloba os bairros Marabá Pioneira, Folha 33 e Amapá e o Ministério da Integração depositou 30% do valor total na conta da PMM. Serão três frentes de serviço porque se houver recurso paralisado, inclusive por mudança no governo federal, a gente não fica com serviço pela metade. Conforme for avançando a gente pede nova parcela de 30% e conforme o governo federal for depositando vamos continuando as obras”, diz.

Sobre o rio, ele diz que a Defesa Civil informou hoje à Sevop que desde ontem houve baixa de cinco centímetros no nível. Caso o ritmo siga desta forma, em breve a obra poderá ser iniciada. “Queremos iniciar nos próximos dias, falta o rio baixar mais um pouco. Hoje está em 4,35 metros e precisamos chegar a 3 metros e alguma fração”, informa.

Segundo o secretário, o início da construção é no final da Orla Sebastião Miranda, passando pela orla do Residencial Itacaiunas em direção à Folha 33, na Nova Marabá. Ao final, serão 1.320 metros de extensão concluídos.

Importante destacar que o projeto engloba apenas muro de contenção da erosão e não será executada urbanização e nem mureta, ao menos neste momento. Isso quer dizer que não deve ser aguardada para breve uma orla como a já conhecida na Marabá Pioneira. O recurso para planejamento e execução do muro de arrimo foi garantido pelo atual governador do estado do Pará, Helder Barbalho, quando ainda era ministro da Integração Nacional. (Luciana Marschall)

Ads