Correio de Carajás

Muitas mãos, um único sonho

Um projeto que começou como forma de estimular a produção de mandioca já começa a render emprego e renda para a comunidade de Palmares, que surgiu de assentamentos da reforma agrária. A produção de farinha que já começa a ganhar mercados de municípios vizinhos, é feita pela Cooperativa de Produtores da Palmares (Coopa), criada em 2013 para tentar fortalecer os produtores, que buscavam conseguir contratos com a prefeitura para fornecer produtos da merenda escolar. Aos poucos, a cooperativa vem se fortalecendo, ampliando sua comercialização e se destacando pela qualidade da farinha que produz.

Boa parte da produção abastece o mercado interno de Parauapebas, sendo vendido em feiras e comércios da cidade. O investimento em tecnologia para melhorar a produção de mandioca da cooperativa – e também a qualidade da farinha e seus derivados – está levando a produção para outros mercados da região.

Para mostrar um pouco do trabalho realizado pela cooperativa foi feita, na manhã desta segunda-feira (14), uma demonstração das etapas de beneficiamento da mandioca, da colheita até a fabricação da farinha, bolos, beiju e tucupi. Em média, a cooperativa produz 25 sacos de farinha por dia.

Leia mais:

A entidade, no entanto, planeja ampliar a produção e investir mais na fabricação de derivados da mandioca, como tapioca, tucupi e ração animal, além de iniciar o beneficiamento da folha de maniva, usada para fazer a maniçoba, prato tradicional da culinária paraense, escolhida recentemente, em pesquisa de opinião realizada com turistas de várias parte do mundo, como a melhor do País.

O projeto é um dos que deve ganhar incentivo da Secretária Municipal de Produção Rural (Sempror). O secretário da pasta, Eurival Martins, o Totô, destaca que é meta do governo municipal abrir o mercado para que os produtores da agricultura familiar sigam produzindo mais e melhor.

Ele enfatiza que ainda este ano deve ser implementado um projeto ampliando em 500 hectares o plantio de mandioca no município, com previsão de que seja expandido no ano que vem. O secretário observa que a diversificação da cadeia de produção garante geração de emprego renda para os agricultores e fortalece o homem do campo.

Parcerias

De acordo com o secretário, visando melhorar a técnica de cultivo e de produção de farinha e de derivados da mandioca, a Sempror está articulando junto a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Embrapa e Emater parceria técnica visando a realização de cursos de qualificação para agricultores.

“Ainda é preciso melhorar muito essa área e vamos buscar essas parcerias, que irão garantir produtos de melhor qualidade e, consequentemente, expandir o mercado local para outros centros comerciais da região e quem sabe de outros estados”, destaca Totô.

Farinha de tapioca brasileira já é produto de exportação                  

A farinha de mandioca é um dos componentes essenciais da dieta da população brasileira, notadamente das regiões Norte e Nordeste. A partir da raiz da mandioca (Manihot esculenta), o produto assume várias versões: farinha seca, d’água e mista; goma ou fécula; tucupi; e farinha de tapioca.

O processamento da raiz da mandioca é, frequentemente, realizado segundo métodos tradicionais, herdados dos indígenas, que foram os primeiros a cultivar a espécie. Embora ainda seja esse o modo de produção que prevalece em muitas comunidades rurais, a transformação industrial vem aumentando.

Na comunidade de Palmares, por exemplo, já é quase todo industrial. A colheita e o descascamento da mandioca ainda é feito artesanalmente e  emprega mão de obra de cooperados e não cooperados. Depois de descascada a mandioca é colocada na água.

Dependendo do tipo de raiz, esse processo leva mais de duas horas. Depois, é colocada no triturador. Em seguida, a massa resultante desse processo passa pela prensagem para a retirada do líquido. A etapa posterior ocorre com a retirada do bagaço através de uma peneira.

De lá, é lavada ao forno para a fabricação da farinha. O líquido que sai da raiz triturada passa por um processo de decantação, de onde é extraído o tucupi e a fécula, popularmente conhecida como massa de tapioca, alimento que a cada dia ganha mais o mercado nacional e até internacional por não conter glúten e é bastante usado por quem pratica academia.

Processo

A tecnologia de fabricação da farinha é simples, mas exige alguns cuidados no seu desenvolvimento. A seleção da matéria-prima adequada, a higiene e os cuidados durante todo o processo de fabricação são fatores fundamentais para garantir um produto de qualidade, ressalvadas as garantias de condições ideais de trabalho e a proteção ao meio ambiente.

Em diversas cores e texturas, a farinha é companhia obrigatória do feijão, peixe, churrasco e outros alimentos, como o açaí, que é indispensável na mesa do paraense.

Fonte de renda

Em muitas comunidades, a farinha não só é base da alimentação, mas também a principal fonte de renda. Na comunidade de Palmares, por exemplo, há grandes e pequenas plantações de mandioca. O cultivo do tubérculo, para muitos, faz parte da sua história de vida. Esse é o caso do agricultor Raimundo Rodrigues Trindade, que desde a infância cultiva mandioca e fabrica farinha. Ofício que aprendeu com o pai, também farinheiro.

Tesoureiro da Coopa, ele lembra que desde 2008 eles começaram o projeto de implantar a cooperativa, que se tornou realidade em 2013. Através dela, os colonos estão conseguindo fomentar a produção agrícola da localidade, centrada basicamente na fabricação de farinha. Ele diz que o sonho é tornar a produção industrial, inclusive com fiscalização da Vigilância Sanitária, atestando a qualidade do produto.

“Nós já solicitamos a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) que venha fazer uma vistoria na nossa fábrica de farinha, porque queremos nos adequar a todas as exigências de higiene, para termos um produto de excelente qualidade”, planeja Raimundo.

O agricultor ressalta que os produtores ainda têm dificuldades para fazer o transporte da mandioca até a cooperativa, da mesma forma que fazer a escoação do produto para a venda, porque ainda não contam com transporte próprio. Eles teriam apoio de parceiros nesse processo, mas a meta é conseguir superar essas dificuldades e já buscaram apoio do município.

 Assistência técnica ainda é gargalo para a produção

 A cooperativa conta atualmente com 30 associados, mas indiretamente geram emprego e rende para outras 30 pessoas. Raimundo afirma que por mês, a cooperativa fatura R$ 60 mil, resultado dividido com os cooperados. Outra dificuldade ainda é assistência técnica. Mas, Raimundo, diz que esperança está nos filhos dos agricultores que estão fazendo faculdade de agronomia e que devem depois ajudar a comunidade. Raimundo destaca que o projeto é fazer uma pesquisa com as variedades de mandioca, para saber qual é melhor para a produção de farinha em escala industrial. Com esse objetivo, eles estão tentando parcerias com a Ufra e a Universidade Federal do Maranhão.

Presidente da cooperativa, Cleonice Alves dos Santos, também espera que em breve a produção de Palmares ganhe mais espaço no mercado local. O novo passo a ser dado vai ser a fabricação de ração animal (com os resíduos da mandioca) e do tucupi em escala industrial. 

(Tina Santos)

Um projeto que começou como forma de estimular a produção de mandioca já começa a render emprego e renda para a comunidade de Palmares, que surgiu de assentamentos da reforma agrária. A produção de farinha que já começa a ganhar mercados de municípios vizinhos, é feita pela Cooperativa de Produtores da Palmares (Coopa), criada em 2013 para tentar fortalecer os produtores, que buscavam conseguir contratos com a prefeitura para fornecer produtos da merenda escolar. Aos poucos, a cooperativa vem se fortalecendo, ampliando sua comercialização e se destacando pela qualidade da farinha que produz.

Boa parte da produção abastece o mercado interno de Parauapebas, sendo vendido em feiras e comércios da cidade. O investimento em tecnologia para melhorar a produção de mandioca da cooperativa – e também a qualidade da farinha e seus derivados – está levando a produção para outros mercados da região.

Para mostrar um pouco do trabalho realizado pela cooperativa foi feita, na manhã desta segunda-feira (14), uma demonstração das etapas de beneficiamento da mandioca, da colheita até a fabricação da farinha, bolos, beiju e tucupi. Em média, a cooperativa produz 25 sacos de farinha por dia.

A entidade, no entanto, planeja ampliar a produção e investir mais na fabricação de derivados da mandioca, como tapioca, tucupi e ração animal, além de iniciar o beneficiamento da folha de maniva, usada para fazer a maniçoba, prato tradicional da culinária paraense, escolhida recentemente, em pesquisa de opinião realizada com turistas de várias parte do mundo, como a melhor do País.

O projeto é um dos que deve ganhar incentivo da Secretária Municipal de Produção Rural (Sempror). O secretário da pasta, Eurival Martins, o Totô, destaca que é meta do governo municipal abrir o mercado para que os produtores da agricultura familiar sigam produzindo mais e melhor.

Ele enfatiza que ainda este ano deve ser implementado um projeto ampliando em 500 hectares o plantio de mandioca no município, com previsão de que seja expandido no ano que vem. O secretário observa que a diversificação da cadeia de produção garante geração de emprego renda para os agricultores e fortalece o homem do campo.

Parcerias

De acordo com o secretário, visando melhorar a técnica de cultivo e de produção de farinha e de derivados da mandioca, a Sempror está articulando junto a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Embrapa e Emater parceria técnica visando a realização de cursos de qualificação para agricultores.

“Ainda é preciso melhorar muito essa área e vamos buscar essas parcerias, que irão garantir produtos de melhor qualidade e, consequentemente, expandir o mercado local para outros centros comerciais da região e quem sabe de outros estados”, destaca Totô.

Farinha de tapioca brasileira já é produto de exportação                  

A farinha de mandioca é um dos componentes essenciais da dieta da população brasileira, notadamente das regiões Norte e Nordeste. A partir da raiz da mandioca (Manihot esculenta), o produto assume várias versões: farinha seca, d’água e mista; goma ou fécula; tucupi; e farinha de tapioca.

O processamento da raiz da mandioca é, frequentemente, realizado segundo métodos tradicionais, herdados dos indígenas, que foram os primeiros a cultivar a espécie. Embora ainda seja esse o modo de produção que prevalece em muitas comunidades rurais, a transformação industrial vem aumentando.

Na comunidade de Palmares, por exemplo, já é quase todo industrial. A colheita e o descascamento da mandioca ainda é feito artesanalmente e  emprega mão de obra de cooperados e não cooperados. Depois de descascada a mandioca é colocada na água.

Dependendo do tipo de raiz, esse processo leva mais de duas horas. Depois, é colocada no triturador. Em seguida, a massa resultante desse processo passa pela prensagem para a retirada do líquido. A etapa posterior ocorre com a retirada do bagaço através de uma peneira.

De lá, é lavada ao forno para a fabricação da farinha. O líquido que sai da raiz triturada passa por um processo de decantação, de onde é extraído o tucupi e a fécula, popularmente conhecida como massa de tapioca, alimento que a cada dia ganha mais o mercado nacional e até internacional por não conter glúten e é bastante usado por quem pratica academia.

Processo

A tecnologia de fabricação da farinha é simples, mas exige alguns cuidados no seu desenvolvimento. A seleção da matéria-prima adequada, a higiene e os cuidados durante todo o processo de fabricação são fatores fundamentais para garantir um produto de qualidade, ressalvadas as garantias de condições ideais de trabalho e a proteção ao meio ambiente.

Em diversas cores e texturas, a farinha é companhia obrigatória do feijão, peixe, churrasco e outros alimentos, como o açaí, que é indispensável na mesa do paraense.

Fonte de renda

Em muitas comunidades, a farinha não só é base da alimentação, mas também a principal fonte de renda. Na comunidade de Palmares, por exemplo, há grandes e pequenas plantações de mandioca. O cultivo do tubérculo, para muitos, faz parte da sua história de vida. Esse é o caso do agricultor Raimundo Rodrigues Trindade, que desde a infância cultiva mandioca e fabrica farinha. Ofício que aprendeu com o pai, também farinheiro.

Tesoureiro da Coopa, ele lembra que desde 2008 eles começaram o projeto de implantar a cooperativa, que se tornou realidade em 2013. Através dela, os colonos estão conseguindo fomentar a produção agrícola da localidade, centrada basicamente na fabricação de farinha. Ele diz que o sonho é tornar a produção industrial, inclusive com fiscalização da Vigilância Sanitária, atestando a qualidade do produto.

“Nós já solicitamos a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) que venha fazer uma vistoria na nossa fábrica de farinha, porque queremos nos adequar a todas as exigências de higiene, para termos um produto de excelente qualidade”, planeja Raimundo.

O agricultor ressalta que os produtores ainda têm dificuldades para fazer o transporte da mandioca até a cooperativa, da mesma forma que fazer a escoação do produto para a venda, porque ainda não contam com transporte próprio. Eles teriam apoio de parceiros nesse processo, mas a meta é conseguir superar essas dificuldades e já buscaram apoio do município.

 Assistência técnica ainda é gargalo para a produção

 A cooperativa conta atualmente com 30 associados, mas indiretamente geram emprego e rende para outras 30 pessoas. Raimundo afirma que por mês, a cooperativa fatura R$ 60 mil, resultado dividido com os cooperados. Outra dificuldade ainda é assistência técnica. Mas, Raimundo, diz que esperança está nos filhos dos agricultores que estão fazendo faculdade de agronomia e que devem depois ajudar a comunidade. Raimundo destaca que o projeto é fazer uma pesquisa com as variedades de mandioca, para saber qual é melhor para a produção de farinha em escala industrial. Com esse objetivo, eles estão tentando parcerias com a Ufra e a Universidade Federal do Maranhão.

Presidente da cooperativa, Cleonice Alves dos Santos, também espera que em breve a produção de Palmares ganhe mais espaço no mercado local. O novo passo a ser dado vai ser a fabricação de ração animal (com os resíduos da mandioca) e do tucupi em escala industrial. 

(Tina Santos)

Comentários

Mais

Rock in Rio estima receita acima de US$ 158 milhões

Rock in Rio estima receita acima de US$ 158 milhões

O Rock in Rio, que será realizado de 2 a 11 de setembro no Parque Olímpico, está agitando o setor…
Não há registro no TSE de suposta pesquisa que impede entrevistado de votar em Bolsonaro

Não há registro no TSE de suposta pesquisa que impede entrevistado de votar em Bolsonaro

Enganoso São enganosas postagens que procuram desacreditar as pesquisas eleitorais ao mostrar, em vídeo, uma suposta pesquisa sendo feita por…
Com apoio do Google, Correio de Carajás cria Núcleo de Checagem Eleitoral

Com apoio do Google, Correio de Carajás cria Núcleo de Checagem Eleitoral

Mais de 60 jornalistas de 31 veículos de notícias brasileiros começam hoje a atuar em núcleos de verificação e checagem…
Associações de produtores rurais fecham BR-230 em Uruará

Associações de produtores rurais fecham BR-230 em Uruará

A rodovia federal BR-230 continua interditada desde ontem (15) no município de Uruará. Na pauta de reivindicação proposta por quatro…
Passageiro quebra poltronas de avião em voo entre São Paulo e Recife; veja vídeo

Passageiro quebra poltronas de avião em voo entre São Paulo e Recife; veja vídeo

Um passageiro quebrou as poltronas do avião em um voo que saiu de São Paulo e aterrissou no Recife, no…
“Maior churrasco do mundo” revela superfaturamento em todos os shows contratados por Darci

“Maior churrasco do mundo” revela superfaturamento em todos os shows contratados por Darci

Ao investigar o “Maior Churrasco do Mundo”, com 20 mil quilos de carne bovina ofertado por Darci Lermen durante o…