Correio de Carajás

Moradores irritados com demora na conclusão de obras no Bairro da Paz

Moradores dizem que obra de ponte está parada há um mês (Foto: Josseli Carvalho)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

 

Uma obra da Prefeitura Municipal de Marabá, paralisada desde novembro, segundo moradores, está preocupando e deixando bastante irritado quem vive às margens de uma grota que corta o Bairro da Paz e recebe esgoto de várias manilhas do Núcleo Cidade Nova. Acontece, que a empresa CCB – Construtora Central Do Brasil iniciou o serviço de ampliar a vazão e não concluiu, dentre outras coisas, uma ponte que corta o canal, o que deixou a Rua Machado de Assis interditada.
Edneide Carvalho é uma das mais incomodadas pela situação, isso porque, com as chuvas que têm caído sobre Marabá, está havendo da desbarreiramento, o que coloca a residência dela em risco. A moradora garante que as obras estão paralisadas há mais de 30 dias. “A prestadora de serviço para a PMM iniciou a obra de uma ponte que deixou todo mundo sem livre acesso na rua, aí abandonou a obra. Alega que o pagamento foi bloqueado e já reclamei várias vezes direto com a empresa, no escritório deles. Não estão vendo a questão do problema”, relatou.
A casa dela está “bem na boca” da ponte, onde máquinas da construtora cavaram. “A moradia está a menos de um metro e meio de distância da vala, já esbarreirou demais! Não estão resolvendo meu problema e nem dos meus vizinhos das adjacências. Quero pedir providências”.
Edneide acrescenta que sequer se incomodou quando viu o tamanho da escavação, isso porque o prazo dado a ela de término da obra era de 60 dias, mas com a paralisação veio também a preocupação. “Era para estar pronta. Cavaram o que precisavam e não interferi mesmo sendo perto da minha residência, mas abandonaram há 30 dias e não voltaram mais para resolver nada”.
O pedreiro Sérgio Neves Pereira também afirma que os trabalhadores deixaram o local desde o meio de novembro. “Foi parada essa obra e não deram mais continuação. Quando pararam e começou a dar aquelas primeiras chuvas foi desbarreirando. Estamos com medo desse desbarreiramento chegar nas casas das pessoas”. Segundo a própria experiência, ele diz que caso tivessem continuado a construção faltaria apenas fazer o lajeado em cima. “É só botar os pré-moldados, jogar concreto e estava feito. Não passavam 20 dias pra fazer”.


MAU CHEIRO
Além da interrupção do tráfego e da preocupação com o desbarreiramento, outra questão atormenta quem vive às margens da grota: o mau cheiro. Neuridete Cavalcante mora o local há quatro anos e reclama do esgoto a céu aberto. “É algo que prejudica bastante a gente. Quando chove transborda. No verão ninguém aguenta o mau cheiro, nem sei qual a pior estação. Teve dias que as crianças não conseguiriam dormir porque dói a cabeça de tanto mau cheiro”.
Ela diz ter agradecido ao início da obra, mas agora já não está tão satisfeita mais. “Graças a Deus começaram a mexer na vala, mas aí pararam. Hoje mesmo choveu e a água desce forte e bem fedida. Quando desce o nível sobe o mau cheiro. Está prejudicando”. Em relação ao desbarreiramento, ela também demonstra aflição.
“Começou a desmoronar o barro. Gastamos bastante dinheiro pra aterrar a lateral no meu terreno e já desmoronou uma quantia. Ainda tô devendo isso”. Por fim, ainda mais grave, ela relata que há alguns dias uma criança caiu na vala. “Poderia morrer afogada, é forte a correnteza. Sorte que um menino pulou e tirou”.
O marceneiro Adalberto dos Santos Macedo, que mora às proximidades, reconhece que a obra é necessário e trará maior paz à comunidade, mas só se for concluída. “A obra foi coisa boa, mas o que está acontecendo de ruim é que a fossa vai toda para essa tubulação, aí enche até um certo limite e o mau cheiro de fezes à tarde aqui é insuportável. Isso não está descendo e tem hora que fica insuportável dentro de casa. A falta de conclusão do serviço é o que está nos trazendo problemas”, destaca.

Leia mais:


POSICIONAMENTO
Procurada pelo Jornal Correio, a assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal de Marabá alegou que a obra não está parada desde o dia 15 de novembro, “apenas foi suspensa na primeira semana de dezembro em função das chuvas, já que o serviço de drenagem só pode ser concluído com máquinas pesadas e elas não têm acesso a terreno instável”.
Acrescentou que a obra, na verdade, é um pontilhão que vai drenar a grota para que as casas do local não sejam alagadas. “Toda obra iniciada nesta gestão será concluída e são feitas para o benefício da população. Os transtornos são inevitáveis, em função de retirada de terra para instalação de drenagem, passagem de máquinas e outras condições inerentes a uma obra de grande porte. A gestão concluí toda a obra que inicia”, diz a nota. (Luciana Marschall, com informações de Josseli Carvalho)

Mais

Tião agenda reunião com professores de Marabá para negociar dívida

Tião agenda reunião com professores de Marabá para negociar dívida

Os professores da rede municipal podem, finalmente, ter um encontro cara a cara com o prefeito Tião Miranda, de Marabá.…
Centenas ignoram vírus e aglomeram na Orla de Marabá

Centenas ignoram vírus e aglomeram na Orla de Marabá

Aglomeração, falta de uso de máscara, som alto, consumo de bebidas alcoólicas e desrespeito às medidas de segurança. Foi isso…
Autoescolas reivindicam centro de treinamento em protesto

Autoescolas reivindicam centro de treinamento em protesto

Uma manifestação pacífica tomou conta da entrada da sede da Prefeitura de Parauapebas, promovida pela Associação das Autoescolas de Parauapebas…
Já entregou o IRPF? Prazo acaba dia 31

Já entregou o IRPF? Prazo acaba dia 31

Se você ainda não entregou sua declaração do Imposto de Renda 2021 (IRPF) é melhor se apressar, o prazo acaba…
Cadastro para regularização fundiária do Bairro Liberdade continua

Cadastro para regularização fundiária do Bairro Liberdade continua

As equipes da Companhia de Habitação do Estado do Pará (Cohab) e do Instituto de Terras do Pará (Iterpa) retornaram,…
Webinário debate os impactos da pandemia no setor cultural

Webinário debate os impactos da pandemia no setor cultural

Shows cancelados, cinemas fechados e visitação suspensa a museus e espaços culturais. Eis o cenário que o setor cultural vive…