Correio de Carajás

Ministros do STF avaliam meio-termo para proposta de voto impresso auditável

Foto: reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A ideia, já abordada com integrantes do Congresso, seria aumentar o percentual de urnas eletrônicas que hoje passam por teste de integridade

Com o avanço da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso auditável, que conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) discutem um meio-termo para as eleições presidenciais de 2022. A ideia, já abordada com integrantes do Congresso, seria aumentar o percentual de urnas eletrônicas que hoje passam por teste de integridade.

A proposta, que já foi inclusive tratada com integrantes do Congresso, é a de aumentar para o ano que vem o teste de integridade das urnas eletrônicas. Hoje, segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), cerca de cem urnas passam pelo processo de verificação sobre a segurança do processo eleitoral.

O teste de integridade é feito na véspera da eleição em todo o país, quando um grupo de voluntários vota tanto de forma eletrônica como impressa. No final, os resultados são conferidos. O processo é acompanhado por uma empresa de auditoria independente.
Para ampliar o procedimento, ministros do Supremo discutem solicitar um estudo de um órgão técnico. A ideia é que o instituto de pesquisa estabeleça um percentual de ampliação com base em critérios estatísticos.

Leia mais:

A PEC tramita desde a quinta-feira (13) em comissão especial na Câmara dos Deputados. Ela não extingue a urna eletrônica, mas prevê a instalação de um sistema que imprime o voto.

A ideia é que o eleitor cheque se o voto impresso confere com o eletrônico. A impressão é depositada em uma urna trancada, de forma automática e sem contato manual, para que seja usada em eventual auditoria.

O TSE prevê que a impressão dos votos nas eleições brasileiras teriam um custo de R$ 2,5 bilhões aos cofres públicos ao longo de dez anos. Os defensores da medida dizem que o custo seria menor, de cerca de R$ 250 milhões.(CNN)

Comentários

Mais

Por que oposição de direita resiste em se unir a protestos contra Bolsonaro

Por que oposição de direita resiste em se unir a protestos contra Bolsonaro

Em um momento de novo agravamento da pandemia de coronavírus no país, movimentos e partidos políticos de centro-esquerda convocaram mais…
CPI da Covid avalia incluir Bolsonaro no rol de investigados

CPI da Covid avalia incluir Bolsonaro no rol de investigados

O grupo majoritário da CPI da Covid no Senado quer avançar nos próximos dias em decisões internas importantes, como a…
Governo federal entrega milhares de títulos agrários em Marabá

Governo federal entrega milhares de títulos agrários em Marabá

Mais de 50 mil documentos de titularidade de terra, entre definitivos e provisórios, foram conferidos a famílias assentadas e ocupantes…
Bolsonaro inaugura trecho da BR-230 e sobrevoa  o Pedral do Lourenço

Bolsonaro inaugura trecho da BR-230 e sobrevoa o Pedral do Lourenço

A segunda agenda do presidente da presidente da República Jair Bolsonaro na região nesta sexta-feira (18) foi à margem da…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…
Queiroga, Pazuello e Araújo estão entre os 14 investigados da CPI da Covid

Queiroga, Pazuello e Araújo estão entre os 14 investigados da CPI da Covid

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou nesta sexta-feira a lista com 14 pessoas que passam a ser investigadas…