Correio de Carajás

Empresa que atuava como milícia rural em Marabá e Itupiranga é cancelada

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Impedimento na área administrativa reforça decisão judicial; ambas foram pedidas pelo MPF

A Polícia Federal (PF) cancelou a autorização para funcionamento de empresa de vigilância e segurança que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), atuava como milícia armada contratada por fazendeiros para ameaçar e expulsar moradores de área ribeirinha pertencente à União, em Marabá e Itupiranga, no sudeste do Pará.

O cancelamento da autorização de funcionamento da empresa Marca Vigilância e Segurança, divulgado pelo MPF nesta terça-feira (18), ocorreu após a delegacia de controle de segurança privada da PF em Belém ter recebido recomendação do MPF e aberto procedimentos administrativos, em 2019. A empresa também foi multada.

O impedimento administrativo da atuação da Marca reforça determinação judicial no mesmo sentido. Em 2019, a Justiça Federal foi favorável a pedidos do MPF e, além de suspender a atuação da empresa no entorno da região do Lago dos Macacos, do projeto de assentamento Diamante e da Associação Flor do Brasil, suspendeu as atividades de demarcação e expansão de fazendas do grupo acusado de tentar expulsar os ribeirinhos.

Leia mais:

Entenda o caso – Em 2019, famílias de ribeirinhos denunciaram ao MPF a ocorrência de uma série de invasões às suas terras e ameaças às suas vidas, praticadas por funcionários da empresa Marca Vigilância, a mando de fazendeiros vizinhos.

Segundo os relatos, a empresa de vigilância tinha sido contratada pelos fazendeiros para fazer o mesmo papel de repressão que naquele ano um grupo de milicianos fazia até que uma operação da Delegacia de Conflitos Agrários (Deca) da Polícia Civil de Marabá desarticulou a milícia.

Apesar de as famílias vitimadas já possuírem títulos de uso das suas terras – no caso dos assentados da Comunidade Flor do Brasil e do projeto de assentamento Diamante –, ou de o uso da área já estar em fase de autorização pela União – caso da comunidade do Lago dos Macacos –, elas estavam sendo intimidadas e expulsas com violência. Os invasores chegaram a apontar armas até para crianças, e a atear fogo em alguns barracos.

Além disso, os fazendeiros contrataram um trator de esteira para abrir caminho em meio à vegetação, destruindo plantações, com possível impacto ambiental de grande proporção, e vigilantes contratados fizeram barreira armada na estrada que leva à comunidade ribeirinha, para impedir que moradores saíssem ou voltassem para suas casas. A barreira ficava localizada em terras da União – em área que não pertence a nenhuma das fazendas.

Demais atuações do MPF – Ainda em 2019 a Justiça Federal aceitou pedidos do MPF e autorizou operações para que a PF realizasse o cumprimento de pedidos de prisão dos fazendeiros Marcos Antônio Fachetti e Marcos Antônio Fachetti Filho, ambos presos preventivamente entre o final de 2019 e o início de 2020 . Eles também foram alvo de mandados de busca e apreensão de dados, assim como o fazendeiro Rafael Bemerguy Sefer.

Em 2020, novamente a pedido do MPF, a Justiça Federal proferiu decisões liminares (urgentes) que bloquearam as matrículas da fazenda Beira Rio, dos Fachetti, e da fazenda Lago Vermelho, de Rafael Sefer e Elia Henry Tasca.

Os réus foram proibidos de invadir ou de promover atividades econômicas – especialmente a pecuária – nas áreas de várzea, e ficaram impedidos de violar os direitos de posse dos ocupantes das áreas ribeirinhas e dos detentores de termos de autorização de uso cedidos pela União.

Durante as investigações, o MPF detectou que um terceiro imóvel na região, a fazenda Água Boa, também tinha grande parte em área de várzea, pertencente à União. A matrícula do imóvel também foi bloqueada pela Justiça Federal a pedido do MPF.

Em um quarto processo judicial, o MPF aguarda sentença sobre pedido de que os Fachetti sejam condenados a pagamentos de indenizações de R$ 1 milhão em danos morais coletivos e de R$ 1 milhão por danos sociais coletivos, pela gravidade das ações dos réus contra ribeirinhos e contra bem imóvel da União.

Na ação, o MPF relatou o modo como os réus adquiriram imóvel a baixo preço por supostamente saberem que se tratava de bem pertencente à União, objetivando a desapropriação para obter vantagem financeira. O documento detalhou e apresentou provas sobre a truculência dos réus em ameaçar ribeirinhos da área adquirida e a derrubada de árvores para preparação de campo para pecuária.(ASCOM/MPF)

Comentários

Mais

Papagaio entoa um “socorro, ladrão“ e suspeito é preso

Papagaio entoa um “socorro, ladrão“ e suspeito é preso

Um caso inusitado foi registrado na região nordeste do Pará na manhã deste sábado (12). Um papagaio gritou pega ladrão,…
Passeata pedirá justiça para mortes de Vanuza e Jacsiane

Passeata pedirá justiça para mortes de Vanuza e Jacsiane

No próximo dia 29, haverá uma grande manifestação, a partir das 16h30, pedindo celeridade na investigação do assassinato de Vanuza…
Corpo de bombeiro desaparecido é achado em Ananindeua

Corpo de bombeiro desaparecido é achado em Ananindeua

Foi encontrado, na tarde desta sexta-feira (11), o corpo do bombeiro militar Allan Tadeu Neco Veira  em uma área de mata…
Garimpeiros atacam ônibus que transportava lideranças indígenas de Jacareacanga para Brasília

Garimpeiros atacam ônibus que transportava lideranças indígenas de Jacareacanga para Brasília

Na manhã da última quarta-feira, 9, um ônibus que transportava lideranças indígenas de Jacareacanga, no sudoeste do Pará, para Brasília…
Jovem morta em acidente será sepultada em Tucuruí

Jovem morta em acidente será sepultada em Tucuruí

Foi trasladado na tarde desta sexta-feira (11) o corpo de Lindinês dos Santos Trindade para a cidade de Tucuruí, onde…
Bitrem atropela jovem que estava em motocicleta próximo ao Km 6

Bitrem atropela jovem que estava em motocicleta próximo ao Km 6

Por volta das 5h manhã desta sexta-feira (11), Lindinês dos Santos, 23 anos, perdeu a vida em um trágico acidente…