Correio de Carajás

Marabá vira capital da fumaça com 48 focos de incêndio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
114 Visualizações

Iniciadas em maio, principalmente em pontos mais distantes da área urbana, a cada dia as queimadas se aproximam do centro de Marabá e começam a envolver em fumaça várias partes da cidade. A situação causa não apenas a poluição ambiental, como também ataca a saúde das pessoas e aumenta o risco de acidentes de trânsito.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, desde 1º de maio, quando as chuvas começaram a cessar, foram registrados 48 chamados relacionados à incêndio de vegetação, praticamente uma ocorrência a cada um dia e meio. O major Major Átila Portilho, comandante do 5º Grupamento Bombeiro Militar (GBM), ressalta que o quadro deve piorar, com o aumento da seca da vegetação, atingindo o ápice nos meses de setembro e outubro.

Ele destaca os prejuízos vividos pela população em decorrência das queimadas desta época, como o acidente ocorrido no último mês, em que dois caminhões colidiram em decorrência de uma nuvem de fumaça às margens da Rodovia PA 150, no Bairro Morada Nova.

Leia mais:

Na última segunda-feira (10), uma queimada às margens da Rodovia BR-230 (Transamazônica), próximo à AABB (Associação Atlética Banco do Brasil), parou o trânsito e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infaero), responsável pela administração do Aeroporto João Correa da Rocha, já apresenta preocupação com os voos por conta da fumaça no ar.

Segundo o oficial, ainda não há registros de fogo alastrado atingindo imóveis, mas esta é uma preocupação recorrente. “Nesta época, é cultural, as pessoas costumam limpar os terrenos utilizando fogo, mas não fazem o isolamento do material, como folhas secas, por exemplo, e perdem o controle sobre isso”, comenta, acrescentando que a prática é considerada crime ambiental.

De acordo com o Artigo 250 do Código Penal, queimar qualquer coisa em ambiente aberto é considerado crime: “causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem”. A pena é de reclusão de três a seis anos, além de multa. O comandante destaca que a forma correta de agir nesta situação é fazer o descarte por meio do sistema de coleta de lixo da Prefeitura Municipal ou aguardar que as folhas se decomponham.  

Para os motoristas que se depararem com nuvens densas de fumaça, a recomendação é parar no acostamento e aguardar a dissipação. Nos casos em que os condutores se verem envoltos na nuvem a orientação é nunca parar o veículo na pista de rolamento, o que pode causar colisões traseiras devido à falta de visibilidade. (Luciana Marschall)

 

Iniciadas em maio, principalmente em pontos mais distantes da área urbana, a cada dia as queimadas se aproximam do centro de Marabá e começam a envolver em fumaça várias partes da cidade. A situação causa não apenas a poluição ambiental, como também ataca a saúde das pessoas e aumenta o risco de acidentes de trânsito.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, desde 1º de maio, quando as chuvas começaram a cessar, foram registrados 48 chamados relacionados à incêndio de vegetação, praticamente uma ocorrência a cada um dia e meio. O major Major Átila Portilho, comandante do 5º Grupamento Bombeiro Militar (GBM), ressalta que o quadro deve piorar, com o aumento da seca da vegetação, atingindo o ápice nos meses de setembro e outubro.

Ele destaca os prejuízos vividos pela população em decorrência das queimadas desta época, como o acidente ocorrido no último mês, em que dois caminhões colidiram em decorrência de uma nuvem de fumaça às margens da Rodovia PA 150, no Bairro Morada Nova.

Na última segunda-feira (10), uma queimada às margens da Rodovia BR-230 (Transamazônica), próximo à AABB (Associação Atlética Banco do Brasil), parou o trânsito e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infaero), responsável pela administração do Aeroporto João Correa da Rocha, já apresenta preocupação com os voos por conta da fumaça no ar.

Segundo o oficial, ainda não há registros de fogo alastrado atingindo imóveis, mas esta é uma preocupação recorrente. “Nesta época, é cultural, as pessoas costumam limpar os terrenos utilizando fogo, mas não fazem o isolamento do material, como folhas secas, por exemplo, e perdem o controle sobre isso”, comenta, acrescentando que a prática é considerada crime ambiental.

De acordo com o Artigo 250 do Código Penal, queimar qualquer coisa em ambiente aberto é considerado crime: “causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem”. A pena é de reclusão de três a seis anos, além de multa. O comandante destaca que a forma correta de agir nesta situação é fazer o descarte por meio do sistema de coleta de lixo da Prefeitura Municipal ou aguardar que as folhas se decomponham.  

Para os motoristas que se depararem com nuvens densas de fumaça, a recomendação é parar no acostamento e aguardar a dissipação. Nos casos em que os condutores se verem envoltos na nuvem a orientação é nunca parar o veículo na pista de rolamento, o que pode causar colisões traseiras devido à falta de visibilidade. (Luciana Marschall)

 

Comentários

Mais

Inscrições para Programa de Estágio foram prorrogadas até dia 21

Inscrições para Programa de Estágio foram prorrogadas até dia 21

O Grupo Equatorial Energia prorrogou até esta quarta-feira, dia 21, as inscrições para o processo seletivo do seu Programa de…
Mulher é atacada por dois pitbulls em Conceição do Araguaia

Mulher é atacada por dois pitbulls em Conceição do Araguaia

Uma mulher foi atacada por dois cachorros da raça pitbull em Conceição do Araguaia, no sul do Estado. O fato…
Políticas públicas garantem defesa de direitos dos Povos Indígenas no Pará

Políticas públicas garantem defesa de direitos dos Povos Indígenas no Pará

O técnico agrícola Raimundo Delival é extensionista rural da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) há…
Média de mortes em 2020 não foi menor que em 2019

Média de mortes em 2020 não foi menor que em 2019

Postagem do cantor Roger Moreira no Twitter usa dados antigos e incompletos de mortes por covid-19 no Brasil. Print do…
Casa da Cultura lança oficina virtual e gratuita de grafismo indígena

Casa da Cultura lança oficina virtual e gratuita de grafismo indígena

No Dia do Índio é comum as crianças chegarem da escola com o rosto pintado e um cocar na cabeça.…
Pará atinge o segundo lugar no ranking nacional de vacinação contra Covid-19

Pará atinge o segundo lugar no ranking nacional de vacinação contra Covid-19

O Pará já é o segundo estado que mais aplicou doses de vacinas contra a Covid-19 entregues pelo governo federal,…