Correio de Carajás

Justiça manda suspender eventos sociais e religiosos em Jacundá

Foto: divulgação

PRESSÃO JUDICIAL

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A pedido do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), a Justiça suspendeu a realização de eventos públicos e determinou que cultos, missas e eventos religiosos sejam realizados exclusivamente de forma remota. A decisão leva em consideração o avanço da pandemia do novo coronavírus, que fez 43 vítimas fatais e contaminou quase 1.500 pessoas. Um novo decreto foi editado pela Prefeitura Municipal na tarde de ontem, quinta-feira.

Na decisão interlocutória assinada pelo juiz da Comarca de Jacundá, Jun Kubota, por meio de ação civil pública impetrada pelo MPPA, o magistrado determinou a suspensão de eventos privados e proibiu “a realização das atividades religiosas, com cultos, missas e eventos religiosos de forma presencial, podendo ser realizada exclusivamente de forma remota.

O magistrado determinou, também, que seja intensificada a fiscalização pelo Município de Jacundá para o cumprimento dos decretos estaduais e municipais de combate à pandemia mundial da covid-19, devendo ser acionados os órgãos de segurança para o apoio necessário às medidas restritivas, bem como deverá adotar as medidas necessárias visando dar publicidade à aludida proibição, sobre as medidas restritivas em vigor, sobre os riscos decorrentes da não adesão ao isolamento social, alertando para os índices de contaminação e óbitos, por meio dos canais oficiais públicos, inclusive redes sociais, em perfis institucionais, ou outro meio de comunicação de massa.”

Leia mais:

O assunto teve repercussão nas redes sociais. “Não é na igreja que as pessoas adoecem de covid, pois mantemos o distanciamento, usamos máscara e álcool e por que as aglomerações nas ruas, bares, calcadas, supermercados, bancos, etc continuam, mesmo com os decretos? Por que o poder público não toma medidas cabíveis onde realmente corre perigo? As igrejas não podem ser fechadas, isso é um absurdo”, desabafou um morador de Jacundá.

Na tarde de quinta-feira (29), a Prefeitura de Jacundá editou um novo decreto conforme a determinação judicial, com validade de 14 dias, prorrogáveis, mediante comprovação da necessidade. (Antonio Barroso)

Mais

Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Circulou nas redes sociais na manhã desta terça-feira (11) a foto de um caixão aberto, que possivelmente seria no Cemitério…
Servidores da Educação iniciam greve em frente à Semed

Servidores da Educação iniciam greve em frente à Semed

Servidores públicos tomaram a frente da Secretaria Municipal de Educação (Semed) de Marabá na manhã desta terça-feira (11) após a…
Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas

Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão imediata do uso da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz…
Mais de 38 mil pessoas já participaram de contações de história durante a pandemia

Mais de 38 mil pessoas já participaram de contações de história durante a pandemia

A pandemia da covid-19 consolidou a internet como principal plataforma de entretenimento no Brasil. A rede está repleta de programações…
Operação fiscaliza bares e restaurantes em Marabá

Operação fiscaliza bares e restaurantes em Marabá

As forças de segurança seguem fiscalizando o cumprimento do Decreto Municipal nº 184/2021, que permite a reabertura de bares no…
Sintepp anuncia greve na educação de Marabá

Sintepp anuncia greve na educação de Marabá

Por meio de seu blog na Internet, a Subsede local do Sindicato dos Trabalhadores na Educação (Sintepp) anunciou, nesta segunda-feira,…