Correio de Carajás

Itupiranga terá que custear tratamento fora da cidade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O Município de Itupiranga será obrigado por decisão judicial a fazer o custeio completo de todo paciente domiciliado no município que necessite de Tratamento Fora do Domicílio (TFD), custeando em sua integralidade os custos com transporte, hospedagem e alimentação, inclusive do acompanhante, caso necessário. A sentença foi proferida pelo juiz Daniel Gomes Coêlho em ação coletiva movida pelo Ministério Público do Estado do Pará.

Ainda de acordo com a decisão judicial, o custeio deve ser feito em até 15 dias contados da apresentação da documentação necessária, sob pena de multa diária e para cada paciente de R$ 5 mil. De acordo com a acusação do MPPA, o município não vinha cumprindo com o dever constitucional de garantir, através do SUS, o TFD.

O órgão afirma ter realizado diversas diligências e expedientes administrativos, buscando solucionar o problema de forma extrajudicial, mas “percebeu a inação do gestor municipal”, decidindo – após um processo administrativo preliminar – a demanda judicial.

Leia mais:

Durante o trâmite processual, o município alegou que a falta de cumprimento com o TFD de pacientes ocorreu na administração que terminou em 2008, sendo que a partir de 2009 o novo gestor passou a enfrentar complicações deixadas gestão passada. De acordo com a análise judicial, os pacientes ora não recebiam qualquer subsídio para transporte, diárias para alimentação/pernoite, ora recebiam em valore mínimos e que não abarcavam todos os gastos necessários para o TFD.

“Percebe-se que o Município de Itupiranga, através de seu administrador parecia estar fazendo uma caridade com o dinheiro público, fazendo favores ou dando esmola aos necessitados do TFD, haja vista que pagava apenas o quanto entendia cabível para que os pacientes efetuassem o tratamento com custos de transporte, estadia e alimentação bem superiores”, descreveu em sentença o magistrado.

O Correio do Carajás entrou em contato com a Prefeitura Municipal de Itupiranga por meio do endereço de e-mail disponibilizado no portal da administração municipal, mas até o momento não foi encaminhado posicionamento sobre o caso. (Luciana Marschall)

O Município de Itupiranga será obrigado por decisão judicial a fazer o custeio completo de todo paciente domiciliado no município que necessite de Tratamento Fora do Domicílio (TFD), custeando em sua integralidade os custos com transporte, hospedagem e alimentação, inclusive do acompanhante, caso necessário. A sentença foi proferida pelo juiz Daniel Gomes Coêlho em ação coletiva movida pelo Ministério Público do Estado do Pará.

Ainda de acordo com a decisão judicial, o custeio deve ser feito em até 15 dias contados da apresentação da documentação necessária, sob pena de multa diária e para cada paciente de R$ 5 mil. De acordo com a acusação do MPPA, o município não vinha cumprindo com o dever constitucional de garantir, através do SUS, o TFD.

O órgão afirma ter realizado diversas diligências e expedientes administrativos, buscando solucionar o problema de forma extrajudicial, mas “percebeu a inação do gestor municipal”, decidindo – após um processo administrativo preliminar – a demanda judicial.

Durante o trâmite processual, o município alegou que a falta de cumprimento com o TFD de pacientes ocorreu na administração que terminou em 2008, sendo que a partir de 2009 o novo gestor passou a enfrentar complicações deixadas gestão passada. De acordo com a análise judicial, os pacientes ora não recebiam qualquer subsídio para transporte, diárias para alimentação/pernoite, ora recebiam em valore mínimos e que não abarcavam todos os gastos necessários para o TFD.

“Percebe-se que o Município de Itupiranga, através de seu administrador parecia estar fazendo uma caridade com o dinheiro público, fazendo favores ou dando esmola aos necessitados do TFD, haja vista que pagava apenas o quanto entendia cabível para que os pacientes efetuassem o tratamento com custos de transporte, estadia e alimentação bem superiores”, descreveu em sentença o magistrado.

O Correio do Carajás entrou em contato com a Prefeitura Municipal de Itupiranga por meio do endereço de e-mail disponibilizado no portal da administração municipal, mas até o momento não foi encaminhado posicionamento sobre o caso. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Em isolamento social, as pessoas tendem a sentir falta de sair e do contato com a natureza, por isso, ter…
Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

O mundo chegou neste sábado (17) à triste marca de 3 milhões de mortes causadas pela Covid-19, em meio à…
Pará gera mais de 3 mil postos formais de trabalho no setor de serviços

Pará gera mais de 3 mil postos formais de trabalho no setor de serviços

“Eu atuo no ramo de eventos, sou segurança, e em meio à pandemia o nosso trabalho parou. Atualmente, a banda…
Novo estudo descarta elo entre tipo sanguíneo e a incidência de Covid

Novo estudo descarta elo entre tipo sanguíneo e a incidência de Covid

Uma investigação feita com mais de 100 mil pessoas nos Estados Unidos demonstrou que não há relação entre o tipo sanguíneo…
Pequeno ouvinte da Correio FM é premiado com bolo de aniversário

Pequeno ouvinte da Correio FM é premiado com bolo de aniversário

O garoto Angelo Miguel, pequeno ouvinte da nossa rádio, foi o grande ganhador da Promoção Aniversariante do Mês da Correio…
Coronafobia: transtornos compulsivos e de ansiedade por conta da pandemia

Coronafobia: transtornos compulsivos e de ansiedade por conta da pandemia

Há um ano que todo o Brasil vem enfrentando a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Sentimentos como incerteza e ansiedade…