“Panelada” é acusado de furto em loja onde era gerente em Marabá, mas “caiu” por outro crime
Ads

José Nilton Rodrigues, conhecido como “Panelada” trabalhava como gerente de uma loja de celulares na Travessa 7 de Junho, na Velha Marabá, há mais de dez anos. Com tanto tempo atuando na função, conquistou a confiança do patrão, que lhe deu as chaves da empresa e de sua residência durante viagem que realizou para Tucuruí.

Ads

Nesta segunda-feira, 5 de agosto, o patrão, Fábio Silva de Andrade, procurou a Delegacia de Polícia Civil, lá mesmo em Tucuruí, para registrar boletim de ocorrência, relatando que seu gerente José Nilton aproveitou-se de sua ausência em Marabá e promoveu roubo na loja e em sua residência.

Fábio contou à polícia que às 11 horas desta segunda-feira havia conversado com o funcionário pela última vez, pedindo-lhe que fizesse algumas transferências bancárias. Depois disso, não conseguiu mais contato com o acusado. Posteriormente, ligou para outro funcionário e pediu para ele ir à casa de José Nilton. Inicialmente, percebeu que ela estava fechado, mas acabou conseguindo a cópia da chave com outra pessoa. Lá dentro, o funcionário, de prenome Ravani, percebeu que faltavam vários objetos.

O patrão, então, pediu para Ravani verificar o cofre da loja, onde havia a quantia de R$ 53.000,00, mas que também não estava mais lá.

Fábio Andrade revelou à polícia que ele e José Nilton já haviam residido em Tucuruí desde a infância e que ambos cresceram juntos e foram trabalhar em Marabá. Contou à polícia que considerava seu gerente como irmão. Também revelou que seu ex-gerente já havia sido preso em Tucuruí por porte de arma de fogo e no Distrito de Icoaraci, Região Metropolitana de Belém, por tráfico de drogas.

Dinheiro e objetos encontrados com José Nilton durante sua prisão em Parauapebas

De fato, no site do Tribunal de Justiça do Pará consta, em aberto, um mandado de prisão contra José Nilton Rodrigues, com data de expedição de 21 de novembro de 2013, valendo até 2052.

Da loja onde era gerente, José Nilton teria levado vários celulares, outros pertences e mais de R$ 3.000,00 em dinheiro. Acabou sendo preso em Parauapebas, não exatamente pelo furto de Marabá, mas pelo mandado de prisão em aberto de Icoaraci.

 

Ads