Correio de Carajás

Falta de água atrapalha rotina e marabaense reclama de poucas informações

Na manhã desta terça-feira (17) a água retornava vagarosamente às torneiras / Fotos: TV Correio Marabá
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A falta de água marcou a segunda-feira (16) e um pedacinho da manhã desta terça-feira (17) na rotina de muitos marabaenses, que tiveram de se virar para a realização das atividades domésticas e da higiene pessoal e material. A Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) até emitiu comunicado sobre o problema e informou que ele atingiria os núcleos Nova Marabá e Cidade Nova, mas pelas redes sociais, onde nem toda população tem acesso.

A dona de casa Minelvina de Assis teve que fazer um reservatório de água com eco tanque para não deixar de cumprir as atividades domiciliares, pois, na segunda-feira, ao abrir as torneiras para começar a preparar o café pela manhã, não havia água. “Na verdade, desde sábado começou a oscilar, mas ontem faltou durante o dia inteiro. Se não fosse pelas minhas reservas, não conseguiria fazer nada em casa”, relata.

Para aproveitar a água, mesmo que fraca, Minelvina usa mangueira para levá-la até o eco tanque

E quando a água é reabastecida e um problema é resolvido, outro aparece, pois Minelvina informou à Reportagem que muitas vezes ela retorna barrenta e amarelada. “Quando começa a chover ela fica barrenta durante uns três dias e quando falta assim, muitas vezes, volta suja. A solução é ir até o chafariz da Folha 14 para abastecer os garrafões, porque não tem condições de usarmos água suja”, desabafa a dona de casa.

Leia mais:
Os chafarizes, como o da Folha 14, são a alternativa para a população afetada

Na Folha 14 também houve reclamações da ausência da água. O autônomo Edivaldo Conceição, que reside na localidade, ficou sem poder higienizar os patins que aluga para lazer na Praça São Félix. “Eu fiquei sem trabalhar na segunda-feira, pois não tinha água para lavá-los. Só começou a voltar às 9 horas desta terça-feira e ainda está fraca, desse jeito fica difícil, porque preciso trabalhar e sem água não dá”, reclama Edivaldo.

Edivaldo chamou a Reportagem para relatar os problemas que teve com seu negócio de lazer

A equipe de Reportagem do Grupo Correio passou pelo chafariz da Folha 14 para acompanhar as pessoas que estavam abastecendo garrafas, galões, etc. Por lá estava o metalúrgico Paulo Martins, que reclamou também sobre a qualidade da água da Companhia. “Temos que vir pegar no chafariz porque saindo da torneira só água suja e desse jeito não podemos lavar louça, cozinhar, nem lavar as roupas”, explica.

O metalúrgico ainda fez uma solicitação para que a Cosanpa procure alternativas para comunicar à população quando houver falta de água. “Acho que deveria passar um carro de som alertando a população quando fosse faltar água, esclarecendo tudo para nós. Eu não estava sabendo que a Cosanpa tinha feito esse comunicado, por exemplo, estou sabendo por vocês da imprensa”, disse Paulo, durante a entrevista.

Paulo opina que carros de som deveriam ser usados para comunicados da Cosanpa

COSANPA ESCLARECE

Ontem a Companhia havia alertado através de uma rede social sobre os problemas no abastecimento de água em ambos os núcleos, apontando problemas elétricos como causa. “A previsão é que a manutenção emergencial seja concluída até às 12h”, informou na publicação. Porém, mais tarde, às 14h39, a Cosanpa atualizou a situação informando que os trabalhos tiveram de ser prolongados, com previsão de conclusão para 18 horas.

Pois bem, às 17h46, foi feita uma nova atualização comunicando a conclusão do serviço e a normalização do abastecimento, gradativamente. Mas com todos os relatos colhidos pela Reportagem do Grupo Correio, pode-se perceber que esse abastecimento demorou mais do que o esperado.

Sobre a situação da água amarelada, a Reportagem procurou o diretor regional da Cosanpa, Antônio Carlos Pereira, e o questionou acerca dos motivos para esse empecilho ocorrer. Por telefone, ele informou que “a coloração escura ocorre por conta das máquinas que foram religadas recentemente, de modo que a água bruta fica concentrada na cisterna”, disse.

Ele concluiu informando que em breve o problema seria resolvido. Enquanto isso, os moradores apelam para o chafariz da Folha 14 e aos demais espalhados pela cidade para abastecer as residências com água. (Zeus Bandeira e Chagas Filho)

Mais

Sefa apreende máquina agrícola e bebidas em Marabá

Sefa apreende máquina agrícola e bebidas em Marabá

A unidade de controle de mercadorias em trânsito de Carajás, da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), em Marabá, sudeste…
Carreata marca luta contra abuso e exploração sexual de menores em Marabá

Carreata marca luta contra abuso e exploração sexual de menores em Marabá

Dia 18 de maio de 1963 um crime bárbaro chocou o Brasil. Araceli Cabrera Sanches, de apenas oito anos de…
Venda de consórcios dispara em Marabá

Venda de consórcios dispara em Marabá

A venda de consórcios registrou um forte crescimento em 2020, e segue em ritmo acelerado nos primeiros meses de 2021,…
Mais de 700 famílias já estão cadastradas para regularização

Mais de 700 famílias já estão cadastradas para regularização

Segue em ritmo intenso e, mesmo assim, com os cuidados de praxe devido à pandemia, o trabalho de cadastramento de…
Grave colisão entre caminhões causa morte e bloqueia pista

Grave colisão entre caminhões causa morte e bloqueia pista

Pelo menos uma pessoa morreu numa colisão entre dois caminhões na tarde desta segunda-feira (17) na BR-155, entre a sede…
Prefeitura libera segunda parcela do Renda Emergencial

Prefeitura libera segunda parcela do Renda Emergencial

  A Prefeitura Municipal de Curionópolis, inicia nesta terça-feira, 18 de maio, o pagamento da segunda parcela do Programa Renda…