Correio de Carajás

Estudo não traz evidências que comprovem eficácia da hidroxicloroquina na prevenção à covid-19

COMPROVA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Enganoso
Um post na plataforma Substack engana ao afirmar que estudo norte-americano coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19. A metanálise não atesta isso, apenas sugere, e orienta que ensaios clínicos randomizados sejam conduzidos sobre o assunto. Além disso, especialistas ouvidos pelo Comprova alertaram para a baixa relevância científica do estudo.
  • Conteúdo verificado: Postagem no Substack, uma plataforma para publicação de boletins informativos (newsletters), afirma que estudo científico norte-americano, revisado por pares e publicado em “prestigiado periódico científico”, coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19.

É enganoso um post feito na plataforma Substack afirmando que uma meta-análise norte-americana revisada por pares e publicada em um periódico científico coloca a hidroxicloroquina no mais alto nível de evidência científica como substância para prevenção da covid-19. O artigo, na verdade, é de baixa relevância científica, segundo explicaram dois especialistas ouvidos pelo Comprova: o médico infectologista Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), e o virologista e coordenador do curso de Biomedicina do Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação (IBMR), Raphael Rangel.

A pesquisa também não comprova a eficácia do medicamento enquanto “tratamento precoce” para a covid-19, mas “sugere que a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) HCQ (hidroxicloroquina) semanal é segura e eficaz na prevenção da doença em um grupo de profissionais de saúde de alto risco”. A Profilaxia Pré-Exposição é o procedimento de saúde usado antes da exposição a um patógeno capaz de provocar uma doença.

O artigo analisou 11 pesquisas de caráter observacional com profissionais de saúde da Índia e o método de seleção dos estudos foi descrito de forma vaga. Conforme as diretrizes metodológicas para estudos observacionais do Ministério da Saúde, os principais problemas das meta-análises deste tipo de pesquisa são decorrentes das limitações do delineamento dos estudos primários (coortes e caso-controles). Basicamente, a presença de variáveis de confusão, ausentes ou controladas em ensaios clínicos randomizados, pode gerar medidas de associação enviesadas nos estudos observacionais.

Leia mais:

Não foram levantados dados de estudo clínico randomizado controlado, conhecido pela sigla em inglês RCT. Neste tipo de estudo, os pacientes são separados em dois grupos de forma aleatória. Um deles recebe o tratamento a ser testado, enquanto o outro recebe o placebo. Nenhum paciente sabe qual recebeu para evitar influência nos resultados. Esse estudo é considerado o padrão-ouro para determinação de eficácia de um medicamento ou vacinas.

Procurados, os autores do estudo não responderam ao Comprova. A reportagem também entrou em contato com o autor da postagem, Filipe Rafaeli. Ele defendeu a pesquisa e afirmou já ter sido procurado anteriormente pelo Estadão Verifica. Conforme a publicação, ele ameaçou processar o autor da checagem.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações.

Como verificamos?

A partir da postagem no Substack, o Comprova verificou o conteúdo do texto compartilhado e chegou ao estudo, que foi conduzido por Raphael B. Stricker e Melissa C. Fesler, dois médicos de um grupo privado de São Francisco, nos Estados Unidos, chamado Union Square Medical Associates.

Acessamos checagens e estudos anteriormente publicados sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento contra a covid-19. Também conversamos com dois especialistas sobre a análise publicada e consultamos as recomendações das principais agências reguladoras do mundo e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Por fim, tentamos conversar com os autores do estudo e falamos com Filipe Rafaeli, responsável pela publicação no Substack.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 31 de agosto de 2021.

Verificação

Estudo não garante a eficácia da cloroquina

A pesquisa “Profilaxia pré-exposição de hidroxicloroquina para covid-19 em profissionais de saúde da Índia: uma meta-análise” foi publicada no Journal of Infection and Public Health, que possui Fator de Impacto 3.718, um método bibliométrico para avaliar a importância de periódicos científicos em suas respectivas áreas. A partir disso, está classificado na 60ª posição entre 203 revistas especializadas em saúde pública, ambiental e ocupacional.

O estudo foi conduzido por Raphael B. Stricker e Melissa C. Fesler, revisado por pares e indexado em outras plataformas médicas.

Foram analisadas 11 pesquisas de caráter observacional com profissionais de saúde da Índia e o método de seleção dos estudos foi descrito de forma vaga em apenas um parágrafo. Os autores afirmam terem utilizado mecanismos de busca da internet para identificar os estudos de caso-controle que envolveram 7.616 profissionais de saúde de alto risco testados para infecção por Sars-CoV-2 após Profilaxia Pré-Exposição com hidroxicloroquina semanal ou após nenhum tratamento.

Não foram levantados dados de estudo clínico randomizado controlado considerado bastante eficaz para testar se um medicamento funciona ou não, conforme explica essa reportagem da Superinteressante.

No texto publicado, Filipe Rafaeli afirma que a meta-análise colocou a hidroxicloroquina para prevenção da covid-19 no mais alto nível de evidência científica. A afirmação, contudo, contradiz a própria pesquisa, que não atesta a eficácia da hidroxicloroquina enquanto “tratamento precoce”, mas “sugere que a PrEP HCQ semanal é segura e eficaz na prevenção de covid-19 em um grupo de profissionais de saúde de alto risco”.

Os autores reconhecem, por exemplo, que os estudos de coorte selecionados têm limitações em termos de desenho retrospectivo, ou seja, a análise antes da exposição, quando se olha para o passado dos pacientes para a identificação de quem sofreu a exposição, e de homogeneidade. Acrescentam serem necessárias as conduções de ensaios clínicos randomizados para avaliar a utilização da substância como método de prevenção para covid-19.

A meta-análise, que é um método estatístico para agregar os resultados de dois ou mais estudos independentes sobre uma mesma questão de pesquisa, combinando os resultados em uma medida sumária, também destaca ser importante reconhecer que os estudos utilizados excluíram a profilaxia pós-exposição (PEP) com hidroxicloroquina ou o tratamento de indivíduos que foram infectados com SARS-CoV-2, ou seja, a administração de medicamentos com o intuito de tratar a doença já adquirida.

Especialistas apontam falhas

O Comprova pediu a dois especialistas que fizessem a análise do estudo e ambos apontaram problemas no artigo. O médico infectologista Leonardo Weissmann, da SBI, destaca que os autores do artigo não se esqueceram de falar em “preconceito” contra a hidroxicloroquina, mas deixaram de lado regras básicas de metodologia para a realização de uma revisão sistemática e meta-análise.

Os autores defendem, ao longo do texto, que a hidroxicloroquina “foi atacada e rejeitada com base em estudos falhos e controvérsias políticas que obscureceram o valor deste tratamento como profilaxia”.

Segundo o especialista, não há um objetivo definido de estudo, não foi citada a estratégia de busca dos artigos, com critérios de inclusão e exclusão, não se sabe se os autores avaliaram a qualidade dos estudos utilizados, pois nada foi descrito a respeito, e não existe um padrão definido para a extração de dados. “Como afirmar que não há vieses? Impossível!”, declara.

Conforme Leonardo, diante disso, não há como avaliar os achados da meta-análise com qualquer credibilidade, nem aplicá-los na prática diária. “Ainda usam ‘vacina’ como palavra-chave do estudo, sendo que o texto não tem nenhuma relação com imunização”, comentou.

O virologista Raphael Rangel tem opinião semelhante. “O artigo se trata de uma meta-análise com estudos observacionais, então os dados podem estar muito enviesados. Além disso, não é um estudo duplo-cego randomizado, portanto não há como medir de fato se houve uma eficiência de medicamento ou não. Outro fator é que esses resultados foram publicados em revistas de pouquíssima expressão”, disse, referindo-se às análises observacionais.

No estudo duplo-cego randomizado um grupo de interesse faz uso da terapia e é acompanhado por um grupo-controle, que não faz o uso da terapia. Já o estudo observacional de coorte se propõe a observar, em uma população previamente definida, qual será a incidência de determinada doença ou fenômeno relacionado à saúde ou doença.

Rangel destacou haver estudos aprofundados e publicados em revistas científicas de renome, como The Lancet e New England Journal Of Medicine, demonstrando que a hidroxicloroquina não tem nenhuma eficácia, nem voltada à pré-exposição e nem à pós-exposição. “Precisamos superar isso, já passou. Temos vacina, precisamos vacinar e é só com a vacina e com a utilização de máscaras mais eficazes que vamos sair dessa pandemia”, defende.

Autor se envolveu em polêmica científica

Conforme explicou o Estadão Verifica, que fez a checagem do mesmo conteúdo, um dos principais autores do estudo citado pelo blog, Raphael B. Stricker, se envolveu em uma polêmica em 1993, quando foi acusado de “má conduta científica” ao longo de outra pesquisa.

À época, uma investigação da Universidade da Califórnia em São Francisco apontou que o cientista teria falsificado dados enquanto pesquisava sobre Aids, suprimindo seletivamente aqueles que não sustentavam sua hipótese, e relatando dados consistentemente positivos, enquanto apenas um em quatro experimentos produziu resultados positivos. Na ocasião, a pesquisa afirmou que anticorpos para Aids eram encontrados apenas em homens homossexuais.

Stricker afirmou ao Estadão que as “alegações de 30 anos atrás são espúrias”. Ele não respondeu ao contato do Comprova.

Em relação a Melissa C. Fesler, não foram localizados artigos sobre doenças respiratórias até a pandemia, quando passou a fazê-los junto a Stricker, segundo dados do Research Gate.

Órgãos de regulação não recomendam o uso de hidroxicloroquina

Conforme o Comprova já mostrou anteriormente, o Grupo de Desenvolvimento de Diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), formado por especialistas de todo o mundo, concluiu em março deste ano que a hidroxicloroquina não deve ser usada para tratar a covid-19 de forma precoce.

| Fonte: Drugs to prevent COVID-19: A WHO living guideline (captura de tela feita em 31 de agosto de 2021)

Os especialistas realizaram seis ensaios clínicos randomizados, dos quais participaram 6 mil pessoas e o estudo mostrou que “a hidroxicloroquina não teve efeito significativo na morte e admissão ao hospital, enquanto a evidência de certeza moderada mostrou que a hidroxicloroquina não teve efeito significativo na infecção por covid-19 confirmada em laboratório e provavelmente aumentava o risco de efeitos adversos”. A pesquisa completa foi publicada no BMJ. No Brasil, o ensaio clínico Solidariedade (Solidarity) foi conduzido pela Fiocruz.

| Fonte: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public/myth-busters#chloroquine

A OMS interrompeu os ensaios clínicos com hidroxicloroquina como tratamento para covid-19 após o Solidariedade, um estudo do grupo colaborativo Recovery, do Reino Unido, e uma revisão da Cochrane evidenciarem que a hidroxicloroquina não reduziu as mortes entre pacientes com covid-19 hospitalizados.

Em agosto deste ano, a OMS anunciou a próxima fase do estudo Solidariedade: o Solidariedade PLUS, que envolverá pacientes hospitalizados para testar três novos medicamentos em pacientes hospitalizados com covid-19: artesunato, imatinibe e infliximabe. O primeiro é usado para malária grave; o segundo para certos tipos de câncer; e o terceiro para doenças do sistema imunológico.

Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também anunciou que os medicamentos não mostraram quaisquer efeitos benéficos no tratamento em grandes ensaios clínicos randomizados e alertando que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem causar certos efeitos colaterais, incluindo problemas de ritmo cardíaco.

O risco desses efeitos colaterais pode ser maior em pacientes que os recebem em doses superiores às recomendadas para as indicações autorizadas nas bulas e em combinação com outros medicamentos que têm efeitos semelhantes no coração, como o antibiótico azitromicina.

O Painel de Diretrizes de Tratamento para a covid-19 do Instituto Nacional de Saúde (NHI) dos Estados Unidos não recomendou o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina e/ou azitromicina para o tratamento da doença, após analisar avaliações de segurança e eficácia das drogas em ensaios clínicos randomizados, estudos observacionais e/ou estudos de braço único, onde todos os inscritos são tratados da mesma maneira.

Um estudo publicado na The New Journal of Medicine, feito utilizando o método de ensaio clínico multicêntrico (conduzido de acordo com um único protocolo, concomitantemente em vários centros de pesquisa, nacionais ou internacionais) e randomizado, concluiu que o uso da hidroxicloroquina, manipulada sozinha ou com azitromicina, feito por pacientes hospitalizados com covid-19 em casos de leve a moderado, não melhorou o estado clínico em 15 dias, em comparação com o tratamento padrão.

O resultado entra em convergência com os dados obtidos pela Nature. Uma meta-análise colaborativa internacional de ensaios clínicos randomizados mostrou que o tratamento com hidroxicloroquina está associado ao aumento da mortalidade em pacientes com covid-19, e não há benefício da cloroquina.

Responsável pelo post alterou texto original

Na aba em que se apresenta no site, Filipe Rafaeli afirma ser profissional de comunicação, cineasta e piloto de acrobacia. O primeiro conteúdo foi publicado em dezembro de 2020 e defendia que a hidroxicloroquina era cientificamente comprovada. A partir de então, todas as postagens são referentes ao “tratamento precoce” contra a covid-19, tratando, principalmente, do medicamento.

Quando o Comprova iniciou esta verificação, o texto publicado por ele afirmava que “um recente estudo científico revisado por pares e publicado no prestigiado periódico científico Journal of Infection and Public Health, de alto impacto, confirmou cientificamente a eficácia da hidroxicloroquina para prevenção da COVID-19.”

 

| Captura realizada pelo Comprova em 31 de agosto de 2021 a partir da página arquivada

Posteriormente, o texto foi alterado para: “Um recente estudo científico revisado por pares e publicado no prestigiado periódico científico Journal of Infection and Public Health, de alto impacto, colocou a hidroxicloroquina para prevenção da COVID-19 no mais alto nível de evidência científica.”

 

| Captura realizada pelo Comprova em 31 de agosto de 2021 a partir de texto publicado no Substack

Três dias antes da publicação deste texto, o autor comentou, na plataforma Substack, que a sua sugestão para as pessoas é que “todos tenham em mãos o telefone de algum médico que faça tratamento de covid-19. E, na primeira suspeita, ligar”, disse.

Em fevereiro deste ano, a agência Aos Fatos identificou como falsa postagem nas redes sociais que reproduziu um texto dele.

Ao ser procurado pelo Comprova, ele respondeu afirmando: “Esse (conteúdo) o Estadão já veio atrás (…). O Estadão ignorou estudos e pegou a opinião de um ‘especialista’ para rebater”. Conforme publicado pelo Estadão Verifica, Filipe ameaçou processar o autor da checagem “caso fosse publicado algo que ‘pichasse’ seu nome ou ‘censurasse’ a postagem”.

Sobre o artigo, afirmou que “meta-análise é meta-análise”, complementando que o estudo em questão não foi feito em padrão Prisma, um conjunto mínimo de itens com base em evidências para relatar em revisões sistemáticas e meta-análises.

Questionado pelo Comprova sobre a eficácia do artigo compartilhado, Filipe disse: “Então, partindo do princípio de ‘carimbo’ de burocrata de alguma entidade, sendo que a Europa ou os Estados Unidos não aceitam a Coronavac, você vai concluir que ela [a pesquisa] ‘não é comprovada cientificamente?”

Conforme explicou essa verificação do Comprova, um artigo encaminhado por cientistas do Butantan, em abril de 2021, para a revista científica The Lancet mostrou que a eficácia da Coronavac para casos sintomáticos atingiu 50,7% com 14 dias de intervalo entre as duas doses.

Outro estudo feito pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, vacinou cerca de 75% da população adulta e constatou queda de 80% nos casos sintomáticos e de 86% nas internações, além da redução de mortes em 95%. Uma pesquisa, feita no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, apontou queda de 80% nos casos de covid-19 entre os 22 mil funcionários vacinados com a Coronavac.

Trecho do conteúdo publicado no Substack foi printado e compartilhado no perfil “Médicos pela Vida” no Instagram, que afirma defender a relação médico-paciente, assistência primária e o “tratamento precoce”. Na página, contudo, a postagem foi definida como parcialmente falsa pela plataforma.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre políticas públicas do governo federal, eleições e pandemia, que viralizam nas redes, como é o caso da postagem aqui verificada, que teve mais de 16 mil interações no Facebook, 1.280 no Twitter e 1.145 no Instagram, conforme a ferramenta Crowdtangle. Esse conteúdo chegou até o Comprova por meio de um pedido realizado por Whatsapp por um leitor, que nos contactou através do número (11) 97045-4984. Os compartilhamentos ocorreram principalmente a partir de páginas bolsonaristas.

A disseminação de informações falsas ou enganosas sobre supostos tratamentos profiláticos para a covid-19 pode colocar a saúde das pessoas em risco, tanto pela exposição às substâncias não recomendadas para a doença, quanto pelo contato com o vírus ao se imaginarem protegidas.

Até o momento, as únicas formas comprovadas de se evitar a contaminação são o uso de máscaras, o distanciamento social e a higienização constante das mãos, assim como a vacinação.

Esse mesmo conteúdo foi analisado pelo Estadão Verifica e outros envolvendo a hidroxicloroquina já foram alvos de publicações do Comprova, como a que demonstrou que um médico engana ao afirmar que hidroxicloroquina é eficaz contra a covid, a que apontou que estudo com hidroxicloroquina não comprova eficácia do “tratamento precoce” e outra informando que estudos fraudados não deslegitimam artigos que comprovam ineficácia da cloroquina contra a covid.

Enganoso, para o Comprova, é conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Desde 2020 o Correio de Carajás integra o Projeto Comprova, que reúne jornalistas de 33 diferentes veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas sobre políticas públicas e a pandemia de covid-19 compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens.

Comentários

Mais

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

As indenizações de cerca de 400 pessoas que alegam não ter sido contempladas com a criação do Parque Estadual da…
Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

No último dia 6 de junho uma decisão publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a suspensão de ordens ou…
Reflexões sobre depressão e suicídio

Reflexões sobre depressão e suicídio

Um jovem de 28 anos tirou a própria vida se atirando na direção de uma carreta em movimento. O caso…
Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

No ranking das dez piores ligações rodoviárias do País, boa parte das estradas está situada em regiões agrícolas, dificultando o…
Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

O Laboratório de Inflação e Custo de Vida de Marabá (Lainc), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará…
Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois…