Correio de Carajás

Equipe olímpica de refugiados vai a Tóquio com 29 atletas

Foto: Reuters

OLIMPÍADA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Três atletas estreiam hoje no tiro, no taekwondo e no boxe

Depois de uma participação inédita e histórica nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, os times olímpico e paralímpico de refugiados voltam às disputas, desta vez em na Olimpíada de Tóquio. São 29 atletas olímpicos e seis paralímpicos, uma delegação maior do que a de 2016, quando estiveram no Rio dez atletas olímpicos e dois paralímpicos.

Os 29 atletas olímpicos desfilaram na cerimônia de abertura, na manhã de hoje (noite em Tóquio) e três deles já competem no mesmo dia. Luna Solomon, tiro, às 20h30; Dina Pouryounes Langeroudi, taekwondo, às 22h; e Wessam Salaman, boxe, às 23h30; estreiam a participação da delegação de refugiados nos Jogos. Os horários são os de Brasília.

Dina foi forçada a deixar o Irã em 2015, mas seguiu para a Holanda, onde continuou treinando. Já venceu várias competições e sua classificação aos Jogos de Tóquio, em terceiro no ranking mundial, mostrou que ela não foi ao Japão apenas para fazer figuração.

Leia mais:

Wessam Salaman não é um novato em Olimpíadas. Boxeador de sucesso na Síria, representou a terra natal nos jogos de Londres, em 2012. Para proteger sua família e a si mesmo dos conflitos no país, decidiu fugir de lá. Hoje mora na Alemanha, onde pode continuar a se dedicar ao boxe.

Luna Solomon passou a se dedicar ao tiro esportivo após deixar a Eritreia e chegar à Suíça, em 2015. Enquanto vivia em Lausanne, conheceu Niccolo Campriani, um atirador esportivo italiano tricampeão olímpico, que lhe ofereceu a chance de seguir sua modalidade. Luna passou a treinar de três a quatro dias por semana em Lausanne, o que lhe rendeu índice olímpico.

O time olímpico de refugiados conta com atletas de diversas partes do mundo: Síria, Afeganistão, Iraque, Sudão do Sul, Irã, República do Congo, Venezuela, Sudão, Eritreia e República Democrática do Congo. Além dos três esportes já citados, eles também competirão nas modalidades judô, ciclismo, luta livre, natação, atletismo, badminton, levantamento de peso, karatê e canoagem.

De acordo com a Agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), existem mais de 26 milhões de refugiados em todo mundo. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Revitalização do Ginásio Renato Veloso avança

Revitalização do Ginásio Renato Veloso avança

A obra de revitalização do Ginásio de Esportes “Renato Veloso”, localizado na Folha 16, na Nova Marabá, iniciou em agosto…
Com gol contra, Remo vence Avaí em confronto de Leões pela Série B

Com gol contra, Remo vence Avaí em confronto de Leões pela Série B

No jogo entre os Leões Azul e da Ilha, melhor para o representante do Pará. Nesta quinta-feira (16), o Remo…
Flamengo e Grêmio duelam em busca de vaga na semifinal

Flamengo e Grêmio duelam em busca de vaga na semifinal

Em meio a uma polêmica sobre a presença de público nas arquibancadas do Maracanã, Flamengo e Grêmio se enfrentam nesta…
Gabriel Medina é tricampeão mundial de surfe nos Estados Unidos

Gabriel Medina é tricampeão mundial de surfe nos Estados Unidos

O brasileiro Gabriel Medina conquistou o Campeonato Mundial de Surfe pela terceira vez. A praia de Trestles, na Califórnia, foi tomada pela torcida…
Campanha por respeito à ciclofaixa ganha adesão

Campanha por respeito à ciclofaixa ganha adesão

Na manhã de sábado (11), em comemoração ao Dia do Ciclista, centenas de ciclistas se reuniram na campanha “Ciclofaixa é…
David Luiz é apresentado oficialmente pelo Flamengo

David Luiz é apresentado oficialmente pelo Flamengo

O zagueiro David Luiz foi apresentado oficialmente nesta segunda-feira (13) como novo reforço do Flamengo. O jogador de 34 anos…