Correio de Carajás

Entidades acompanham avanço da covid-19 nas comunidades quilombolas

Foto: Marcello Casal Jr
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) lançou hoje (28) o Observatório da Covid-19 nos Quilombos. Gerida e sistematizada pelo Instituto Socioambiental (ISA), a plataforma, online, será atualizada a partir de informações repassadas por comunidades às regionais da rede da Conaq.

Até esta quinta-feira, foram identificados 203 casos confirmados de covid-19, 36 casos suspeitos e 46 mortes que tiveram a infecção como causa. Conforme destaca a Conaq, houve, em média, uma morte por dia, desde que o primeiro óbito foi reportado, em 11 de abril, no Quilombo de Abacate da Pedreira, em Macapá.

De acordo com o levantamento, o Pará já soma 15 óbitos por covid-19, o que faz dele o estado com o maior número de registros até o momento. Na sequência, aparecem Amapá, com nove mortes; Pernambuco, com sete; e Rio de Janeiro, com seis.

Leia mais:

Na avaliação da Conaq, as ações articuladas pelo poder público têm surtido pouco efeito, no que diz respeito à proteção dos quilombolas durante a pandemia. Em nota, escreve que “parte do problema é a ausência de dados epidemiológicos” relativos a essa parcela da população, que, diz a entidade, estará sujeita a um “impacto arrasador”. A organização também considera que os conglomerados de mídia têm deixado de abordar a questão.

Durante transmissão online, para tratar da importância do observatório, a diretora executiva da Anistia Internacional Brasil, Jurema Werneck, defendeu que o balanço do governo federal sobre as ocorrências de covid-19 deveria ter maior detalhamento, permitindo que se pudesse acompanhar como a doença tem avançado entre grupos social e historicamente vulneráveis, como indígenas, quilombolas, pessoas transgênero ou que residem em periferias.

“São milhões de pessoas afetadas pela covid-19, cerca de 26 mil mortes agora, e as pessoas têm morrido em isolamento, o que já é um trauma para a própria família. As pessoas têm morrido e não têm oportunidade de um enterro digno. A família não tem a chance de chorar seus mortos. Ou seja, o desafio é desse tamanho, mas quero chamar a atenção, porque não é uma fatalidade, não é uma coincidência. Nós sabemos que os direitos à saúde e à vida estão entre os direitos fundamentais de qualquer pessoa e esses direitos fundamentais trazem junto uma obrigação das autoridades”.

Em 2019, existiam 5.972 localidades quilombolas em todo o Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que adiantou a divulgação de dados do Censo para contribuir com a formulação de políticas públicas que preservem os direitos desse grupo populacional no contexto da pandemia. Em mensagem veiculada no início de abril deste ano, a Fundação Cultural Palmares informou que 3.432 comunidades quilombolas de todo o país já contam com certificado. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Covid-19: Anvisa diz que não há estudo conclusivo sobre 3ª dose

Covid-19: Anvisa diz que não há estudo conclusivo sobre 3ª dose

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou em comunicado hoje (23) que ainda não há evidências suficientes para uma…
ONS prevê cenário energético "sensível" até novembro

ONS prevê cenário energético "sensível" até novembro

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisou as previsões para o atendimento de energia ao Brasil até novembro e…
DJ Ivis pede perdão a Pamella Holanda em suposta carta lida pelo advogado do cantor

DJ Ivis pede perdão a Pamella Holanda em suposta carta lida pelo advogado do cantor

A cearense Pamella Holanda, vítima de agressões de DJ Ivis, revelou que o cantor enviou uma suposta carta, por meio do advogado, com um pedido de perdão.…
Rede estadual retoma aulas no início de agosto

Rede estadual retoma aulas no início de agosto

A redução do número de novos casos e de óbitos por Covid-19, bem como a adesão à vacinação contra o…
Clarice, a jovem que anda nua em Parauapebas, não está abandonada

Clarice, a jovem que anda nua em Parauapebas, não está abandonada

Uma cena comum em Parauapebas e que choca muita gente é a de uma mulher andando sem roupas pelas ruas…
Mãe pede ajuda para comprar cadeira de banho para o filho

Mãe pede ajuda para comprar cadeira de banho para o filho

Com grande parte do corpo atrofiado, conseguindo movimentar apenas uma das mãos e a cabeça, o jovem Handriw Rafael Vasconcelos…