Correio de Carajás

Doze anos após acidente, motorista está foragido

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O juiz substituto Daniel Gomes Coêlho, da 3ª Vara Criminal, pronunciou na última semana Pierrivando Apinagés da Silva, agora réu em um processo pela morte de uma pessoa e lesão corporal grave de outras três em decorrência de um atropelamento ocorrido em 2005, no Bairro Liberdade, em Marabá. O magistrado decretou, ainda, a prisão preventiva dele. A decisão ocorre quase 12 anos depois do acidente.

Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado do Pará, em outubro daquele ano, Pierrivando estava dirigindo sob influência de álcool e realizando a manobra conhecida como “cavalo de pau” em via pública. Em determinado momento ele perdeu o controle do automóvel que conduzia e subiu o meio fio, atingindo quatro pessoas que estavam sentadas em uma lanchonete, em frente à Praça da Liberdade.

Juvenildes Figueiredo Machado, de 45 anos, havia saído com familiares para comer pizza e morrendo em decorrência do atropelamento. Outras três pessoas da família, dentre elas adolescentes, acabaram gravemente feridas.  Segundo a sentença, ele chegou a prestar depoimento à Justiça, onde apresentou versão diferente da acusação, mas confessou que estava dirigindo o automóvel.

Leia mais:

Ao ser novamente intimado em outras fases do processo, no entanto, não foi localizado. Mesmo tendo advogado constituído o então acusado mudou de endereço e não o comunicou ao juízo, motivo para agora ser decretada a prisão preventiva dele.

Na pronúncia, o magistrado entendeu que houve o chamado “dolo eventual”, aquele em que a pessoa atua mesmo ciente da probabilidade de causar dano à outra, assumindo o risco. O entendimento partiu dos relatos de que o réu estava efetuando manobras perigosas em via pública e próximo a estabelecimento comercial onde havia várias pessoas. Há depoimentos, também, indicando que momentos antes ele estava em um bar e que fugiu rapidamente do local em prestar socorro.

Desta forma, ele irá responder por homicídio qualificado e três tentativas, sendo levado a Júri Popular ainda sem data definida. (Luciana Marschall)

 

O juiz substituto Daniel Gomes Coêlho, da 3ª Vara Criminal, pronunciou na última semana Pierrivando Apinagés da Silva, agora réu em um processo pela morte de uma pessoa e lesão corporal grave de outras três em decorrência de um atropelamento ocorrido em 2005, no Bairro Liberdade, em Marabá. O magistrado decretou, ainda, a prisão preventiva dele. A decisão ocorre quase 12 anos depois do acidente.

Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado do Pará, em outubro daquele ano, Pierrivando estava dirigindo sob influência de álcool e realizando a manobra conhecida como “cavalo de pau” em via pública. Em determinado momento ele perdeu o controle do automóvel que conduzia e subiu o meio fio, atingindo quatro pessoas que estavam sentadas em uma lanchonete, em frente à Praça da Liberdade.

Juvenildes Figueiredo Machado, de 45 anos, havia saído com familiares para comer pizza e morrendo em decorrência do atropelamento. Outras três pessoas da família, dentre elas adolescentes, acabaram gravemente feridas.  Segundo a sentença, ele chegou a prestar depoimento à Justiça, onde apresentou versão diferente da acusação, mas confessou que estava dirigindo o automóvel.

Ao ser novamente intimado em outras fases do processo, no entanto, não foi localizado. Mesmo tendo advogado constituído o então acusado mudou de endereço e não o comunicou ao juízo, motivo para agora ser decretada a prisão preventiva dele.

Na pronúncia, o magistrado entendeu que houve o chamado “dolo eventual”, aquele em que a pessoa atua mesmo ciente da probabilidade de causar dano à outra, assumindo o risco. O entendimento partiu dos relatos de que o réu estava efetuando manobras perigosas em via pública e próximo a estabelecimento comercial onde havia várias pessoas. Há depoimentos, também, indicando que momentos antes ele estava em um bar e que fugiu rapidamente do local em prestar socorro.

Desta forma, ele irá responder por homicídio qualificado e três tentativas, sendo levado a Júri Popular ainda sem data definida. (Luciana Marschall)

 

Comentários

Mais

Equipes da Sefa e Receita Federal apreendem quase 16 mil pares de calçados falsificados

Equipes da Sefa e Receita Federal apreendem quase 16 mil pares de calçados falsificados

Equipes da Receita Federal do Brasil e Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) apreenderam, no último dia 15, na unidade…
Filho adotivo de Flordelis diz que mãe sabia do assassinato do marido

Filho adotivo de Flordelis diz que mãe sabia do assassinato do marido

Ao depor hoje (19) no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, Lucas dos Santos de Souza, filho adotivo da…
Polícia de Parauapebas investiga se vídeo com ameaça está relacionado a homicídios

Polícia de Parauapebas investiga se vídeo com ameaça está relacionado a homicídios

Nesta segunda-feira (19) entrou em circulação via WhatsApp e outras redes sociais um vídeo no qual dois supostos membros do…
Polícia afirma que tem provas suficientes para concluir inquérito

Polícia afirma que tem provas suficientes para concluir inquérito

A Polícia Civil do RJ já tem provas suficientes para concluir o inquérito da morte do menino Henry Borel, independentemente de um novo…
Jovem vira escudo humano e bandidos o matam com 3 tiros em Redenção

Jovem vira escudo humano e bandidos o matam com 3 tiros em Redenção

Mais um crime com características de “acerto de contas” chocou a população de Redenção, no sul do Pará. Na noite…
Homem é assassinado no meio da rua no Bairro São Félix

Homem é assassinado no meio da rua no Bairro São Félix

Um homem, identificado como José Ribamar Oliveira, de 33 anos, foi morto a golpes de faca na madrugada de domingo…