Correio de Carajás

Dilema do parauapebense para viver com um salário mínimo

Lucimaria faz ginástica e milagre com o salário que ganha para fazer frente às despesas domésticas
Lucimaria faz ginástica e milagre com o salário que ganha para fazer frente às despesas domésticas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O salário mínimo de R$ 1.100 teve reajuste de R$ 55,00 comparado ao valor de 2020. Viver com esta remuneração no Brasil é, no mínimo, um desafio. Em Parauapebas, onde o custo de vida é bastante elevado, esta realidade é bastante delicada. Exemplo clássico é o da auxiliar em serviços gerais Lucimaria Oliveira Reis, que precisa fazer malabarismos com as contas.

Há sete meses Lucimaria trabalha de carteira assinada. Devido à distância da casa até o trabalho, somado ao fato do transporte público não passar no local, decidiu investir na compra de uma moto Honda Biz. Para que isso fosse possível, pediu emprestado R$3 mil, dividido em parcelas de R$ 500.

A auxiliar gasta R$15 por semana com combustível, ou seja, somente com transporte, o gasto mensal é de R$560, sobrando R$540. “É impossível pagar todas as despesas com um salário mínimo”, decreta Lucimaria.

Leia mais:

Mas, se ela usasse o aplicativo de transporte a despesa seria de R$780 por mês, pagando R$ 30 a corrida, de ida e volta ao trabalho; se a opção fosse mototáxi, o valor seria de R$520.

As despesas continuam: R$147 de energia; R$22 de água; e R$ 500 nas compras do supermercado; isso, quando não precisa acrescentar mais R$100 para comprar o botijão de gás. “Tenho três filhas, como elas estão em casa em tempo integral, já que as aulas estão sendo remotas por causa da pandemia, a conta no supermercado aumentou”, desespera-se.

Para Lucimaria, a estratégia adotada na economia doméstica é sempre pesquisar os preços e optar pelo mais em conta. As compras no supermercado são feitas uma vez por mês, sem fugir da lista dos itens básicos. Mas como ela mesma cita, até o básico está ficando cada vez mais caro, como o tradicional arroz e feijão. “À noite, geralmente faço uma macarronada para a família, é a maneira que encontrei para fugir dos alimentos com preço salgado”.

Até agora, somando tudo as despesas, chega a R$1.229, ultrapassando 129 do salário. A conta só não fica maior porque ela mora em casa própria, no Residencial Alto Bonito, um empreendimento habitacional do governo. Mas o aluguel de uma casa do mesmo tamanho e no mesmo bairro que o de Lucimaria, custa, em média, R$ 600. Valor que pode aumentar muito mais, dependendo do bairro e do tamanho do imóvel.

A entrevistada consegue, sim, pagar as contas em dia, mas ela revela que isso só é possível juntando com a remuneração do marido, que conta com benefício.

No entanto, muitos moradores no município pagam aluguel e, ao ser contabilizado com ou outros já citados, a soma chegaria a R$1.829, o que seria o equivalente ao custo médio para viver em Parauapebas por mês.  Sem contar os gastos com roupas, sapatos, lazer, medicação, que mesmo não fazendo parte dos itens essenciais, são necessários para o ser humano.

Pesquisa

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA), publicada em dezembro de 2020, revela que o salário mínimo necessário para o brasileiro seria de R$5.304,90, valor bem superior ao da realidade.

O banco de dados da PNCBA apresenta os preços médios, o valor do conjunto dos produtos e a jornada de trabalho que um trabalhador precisa cumprir, em todas as capitais, para adquirir a cesta. Os dados permitem a todos os segmentos da sociedade conhecer, estudar e refletir sobre o valor da alimentação básica no país.

Os itens básicos pesquisados foram definidos pelo Decreto Lei nº 399, de 30 de abril de 1938, que regulamentou o salário mínimo no Brasil e está vigente até os dias atuais. (Theíza Cristhine)

Comentários

Mais

Instituto Cultural Vale: últimos dias de inscrições no Edital Apoia

Instituto Cultural Vale: últimos dias de inscrições no Edital Apoia

As inscrições de projetos no Edital Apoia vão até a próxima sexta-feira, 24. A seleção realizada pelo Instituto Cultural Vale…
Brasileiros são os que mais valorizam vacinação, mostra estudo

Brasileiros são os que mais valorizam vacinação, mostra estudo

O Brasil é o país que mais valoriza a imunização entre oito nações estudadas em um levantamento global feito pelas…
AQNO: CTA ganha embaixador informal, que fala abertamente sobre “posithividade”

AQNO: CTA ganha embaixador informal, que fala abertamente sobre “posithividade”

Chegar até aqui e falar abertamente sobre o HIV não foi um caminho fácil. As dificuldades, o medo, a insegurança,…
Butantan começa a negociar doses da CoronaVac com cinco estados

Butantan começa a negociar doses da CoronaVac com cinco estados

Após cumprir dois contratos que previam a entrega de 100 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde, o…
Sefa apreende 20 mil litros de diesel e 12 mil garrafas de cerveja

Sefa apreende 20 mil litros de diesel e 12 mil garrafas de cerveja

Fiscais da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), da Unidade de Mercadorias em Trânsito de Carajás, no sudeste do Pará,…
Fiocruz recebe lote de IFA para produção de vacinas

Fiocruz recebe lote de IFA para produção de vacinas

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recebeu mais uma remessa de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). O lote chegou ao Aeroporto Internacional…