Correio de Carajás

Defensores de empresários e advogado falam sobre prisões em Parauapebas

Geovane Oliveira Junior diz que o advogado Antônio Araújo desconhece qualquer envolvimento com menores de 18 anos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os advogados Geovane Oliveira Junior e Abraunienes Faustino de Sousa concederam entrevistas na tarde desta quarta-feira (23) se posicionando sobre as prisões dos clientes, o advogado Antônio Araújo de Oliveira, o Toni, e os empresários Mauro de Souza Davi, o Marola, que atua na promoção de shows, e Eduardo Liebert Araújo dos Santos, do ramo de proteção patrimonial.

Contra os três foram cumpridos mandados de prisão preventiva durante a operação “Book Rosa”, desencadeada pelas equipes da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) e Delegacia Especializada no Atendimento à Criança e Adolescente (Deaca) de Parauapebas, que investiga a prostituição de menores de 18 anos.

Os dois advogados afirmam que o processo corre em sigilo e que, até o momento, tiveram acesso apenas a partes do inquérito. Ambos também consideram as prisões preventivas exageradas, alegando que as pessoas presas possuem endereço fixo na cidade, são conhecidas e não atrapalharam as investigações em nenhum momento. Eles irão pedir, em audiência de custódia nessa quinta (24), que os clientes respondam em liberdade.

Leia mais:

Sobre as acusações, Geovane Oliveira defende que Antônio Araújo desconhece qualquer envolvimento dele com menores de 18 anos e está à disposição da justiça. “Se tiver se envolvido com alguém sempre foi com pessoas maiores de idade, que sempre falam pra ele serem maiores de idade, nunca se envolveu com pessoa menor de idade”, afirmou. Abraunienes Faustino, por sua vez, diz que os esclarecimentos serão feitos em momento oportuno.

Conforme a delegada Ana Carolina Carneiro, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), a operação investiga crimes de estupro de vulnerável, prostituição de adolescentes, tirar proveito da prostituição alheia e impedimento de adolescente sair da prostituição. O intermediador entre as vítimas e os abusadores não foi localizado e é considerado foragido.

A investigação foi iniciada em setembro de 2020 e apontou que uma pessoa induzia adolescentes à prostituição, fazendo contato com os clientes e intermediando os encontros. Três vítimas já prestaram depoimento e uma chegou a informar ter sido alugada por um mês a um homem. Há relatos, ainda, de que elas eram obrigadas a usar drogas e álcool e que uma chegou a entrar em coma. O caso segue sendo investigado. (Luciana Marschall – com informações de Ronaldo Modesto)

 

Comentários

Mais

Redes de pesca, arma e equipamentos são apreendidos no Lago de Tucuruí

Redes de pesca, arma e equipamentos são apreendidos no Lago de Tucuruí

Durante fiscalização ambiental na região do Lago de Tucuruí para o combate à pesca predatória, a Secretaria de Meio Ambiente…
Mãe acusa Samu por óbito e serviço diz que bebê já estava morta

Mãe acusa Samu por óbito e serviço diz que bebê já estava morta

Na manhã desta sexta-feira (23), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi chamado ao Residencial Alto Bonito, em…
Se beber, não vandalize a viatura

Se beber, não vandalize a viatura

Um fato atípico foi registrado em Marabá no início da semana e divulgado nesta sexta-feira (23). Na madrugada da última…
Ex padrasto é condenado a mais de 13 anos por estuprar enteada

Ex padrasto é condenado a mais de 13 anos por estuprar enteada

A Polícia Civil de Marabá cumpriu na noite desta quinta-feira (22) mandado de prisão contra Fernando Dias Xavier, de 33…
Câmeras flagram baleamento de Bruce Lee

Câmeras flagram baleamento de Bruce Lee

Na noite desta quarta-feira (21), Bruce Lee Henrique Coelho dos Santos foi baleado duas vezes, na perna e na cabeça,…
Moto roubada é recuperada em menos de 24 horas

Moto roubada é recuperada em menos de 24 horas

Motocicleta que havia sido roubada há menos de um dia foi encontrada na noite desta quarta-feira (21), em Marabá. Ana…