Correio de Carajás

Crônica Ouriço Cheio: Presentes no Réveillon? Lá em casa tem isso sim

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

“Bom, presente do Ano Novo (ou melhor, Ana Nova) é uma encruzilhada, mas sempre damos um jeito de flertar com o mais fácil de comprar. Às vezes, as melhores prendas são aquelas de última hora”.

Para a maioria das pessoas – e põe maioria nisso – presentear no final de ano é coisa que se faz no Natal. Mas lá em casa, a tradição tem sido outra. Presente mesmo aparece no Ano Novo.

Uma amiga viu que o namoro estava no fim quando no derradeiro Réveillon deu de presente ao amado duas caixas de remédio. Cartelas de Captropil, medicamento receitado para controlar a pressão arterial.

Leia mais:

Ela, mesma, depois achou uma derrota ter cometido aquele gesto tão sem romantismo. E, mais ainda, ele ter aceitado os comprimidos sem estranhamento.

Já não havia mais paixão e o alerta para assumir que tudo tinha acabado estalou com as pílulas. Não era mimo que se presenteasse ou recebesse. Coisa feito perguntar o que a pessoa está precisando.

Mas lá em casa, a tradição é presentear no Ano Novo, como disse. E explico: minha esposa, Ana Raquel, aniversaria no 1º de janeiro e, com o passar do tempo, fomos descobrindo que ela não gosta de receber presente na confraternização de 31 de dezembro para o dia 1º de janeiro, quando tecnicamente já é dia primeiro. Em verdade, ela não faz questão de comemoração, mas se algo acontecer, por mínimo que seja para lhe parabenizar, que seja nas horas claras do dia 1º.

E tem mais. Ana Raquel não gosta de passar seu aniversário em Marabá. Pode ser no lugar mais simples do mundo, menos aqui. Este ano, para variar, somos obrigados a ficar. Pela pandemia, pelo trabalho. Está resiliente neste ponto. Aliás, se batêssemos o pé que iríamos viajar, ela se negaria em função das restrições e o temor de contraímos o vírus do momento.

Mas presentear lá em casa é tarefa de todos. Nos envolvemos para oferecer algo que tenha a “cara” do aniversariante ou formando…

Após a invenção do presente útil, aquele que tem serventia de voucher, se perdeu meio que a aura de ser surpreendido por algo indizível e refém do apaixonante.

Presente é meio a história de surpreender ou a disposição de alguém fazer o outro, por alguns minutos, suspender o juízo ou ter o simples prazer sincero de achar bom ser amado.

Há um rosário de delicadezas. Sem a loucura de coisas sem rumo e que, mais tarde, possa causar arrependimento ou dano.

Como a moça que parcelou em doze vezes o regalo e o romance se acabou na quarta prestação.

Entre amigos meus, um deles tatuou o nome do outro nas costas. Um desamor próprio com desfecho quase certo de constrangimento.

Pode ser preconceito, mas não sinto energia bacana cunhar no corpo o nome de um filho, de pai ou da mãe. Imagine de um favorecido.

Bom, presente do Ano Novo (ou melhor, Ana Nova) é uma encruzilhada, mas sempre damos um jeito de flertar com o mais fácil de comprar. Às vezes, as melhores prendas são aquelas de última hora. Já demos relógio (vários), bolsas (várias), mas tememos comprar sapato ou sandália, porque certamente jamais acertaríamos o modelo e, principalmente, aquele lugarzinho que ficou folgado ou apertado.

Estou escrevendo tudo isso só pra compartilhar com vocês que este ano estou sem ideia do que comprar. Já fui a várias lojas, mas nada que parecesse com ela ou que meu dinheiro fosse suficiente…

Escrevi tudo, mas não sei qual oferenda oferecerei. E não tenho drama com esse dia. Se ninguém ajudar por aqui, tentarei algo de, no mínimo, desvelo. Às vezes, é verdade, uma fotografia, numa moldura, faria toda diferença.

“Amor é gente querendo achar o que é da gente…”.

(Ulisses Pompeu)

* O autor é jornalista há 24 anos e escreve crônica na edição de quinta-feira

Comentários

Mais

Defesa Civil já atendeu 82 ocorrências de incêndio em Marabá

Defesa Civil já atendeu 82 ocorrências de incêndio em Marabá

No último final de semana, a Brigada de Combate a Incêndios da Defesa Civil do município de Marabá registrou dez…
Com 60% da população vacinada, mortes e casos de covid-19 caem 40%

Com 60% da população vacinada, mortes e casos de covid-19 caem 40%

Com a vacinação de mais de 96 milhões de brasileiros contra a covid-19 com, pelo menos, a primeira dose do…
Morre Darci Catalão, pioneiro em Parauapebas

Morre Darci Catalão, pioneiro em Parauapebas

Na noite desta segunda-feira (26), foi confirmado o falecimento de Darci Ayres de Souza, o “Darci Catalão”. Pai do empresário…
PMM contrata empresa para estudar quarta ponte no Rio Itacaiunas

PMM contrata empresa para estudar quarta ponte no Rio Itacaiunas

As obras da terceira ponte sobre o Rio Itacaiunas ainda nem começaram e a Prefeitura Municipal de Marabá já estuda…
Prefeito assassinado, Jones William é homenageado em Tucuruí

Prefeito assassinado, Jones William é homenageado em Tucuruí

O prefeito Jones William da Silva Galvão recebeu homenagens no quarto ano de sua morte, ocorrida no dia 25 de…
Descoberto novo site falso que rouba dados de servidores públicos

Descoberto novo site falso que rouba dados de servidores públicos

Pela segunda vez em poucos dias, o Ministério da Economia pediu a suspensão de um site falso registrado no exterior que rouba…