Correio de Carajás

CRÔNICA OURIÇO CHEIO: Crônica de uma eleição disruptiva em Marabá

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

“Não vi, neste ano nas filas de votação, a arrogância e o rancor que estavam fortemente presentes em 2018. Isto não significa perfeição. Têm muitos defeitos ainda. Mas vale apostar que é uma vitória dos princípios e daqueles que tiveram decisão e coragem para permanecer confiantes na fé”.

ACORDEI ÀS 5h15 naquele domingo. Molhei o canteiro logo cedo. Parecia tudo normal. Mas dia de eleição é esquisito. A adrenalina do período de campanha já tem se acalmado e vai chegando a saudade do agito que mudou a rotina das ruas. É um dia longo pela espera. Afinal de contas, o que interessa mesmo, o resultado da votação, já está definido pela energia que veio das ruas durante a campanha.

DIA DE ELEIÇÃO em meio a uma pandemia causada pelo novo coronavírus, que já matou mais de 160 mil brasileiros (210 pessoas só em Marabá), é mais estranha ainda. Os santinhos levando sujeitas às ruas estão lá, pessoas vestidas de azul, amarelo e vermelho estão lá, os fiscais dos partidos permanecem a postos, mas tem algo incomum no ar. O ambulante na porta do local de votação fala em mudança, como em todas as outras, mas ele oferece máscaras e canetas que são itens essenciais nesta votação. Como imaginar que um dia, a gente iria às urnas usando panos como proteção para cobrir a boca e o nariz?

Leia mais:

ESTA ELEIÇÃO NÃO FOI DO MESMO JEITO de tantas outras. No pequeno percurso entre minha casa e o local de votação, olho ao redor e vejo o cuidado de uma família com dois idosos, sentados na calçada de casa à sombra de uma árvore. Sinto o quanto foi necessário olhar pelos dois, durante os últimos 10 meses, para que eles pudessem estar participando de novo de uma votação. Lembro, sem querer, que muitos não tiveram a mesma sorte, pois se foram.

NESTE 15 DE NOVEMBRO DE 2020, o Sol que abriu forte foi o mesmo de todos os novembros, mas a luz vem diferente. Tem muito de melancolia pela covid-19, pelo desemprego, pela fome que voltou para perto da gente. Também me pareceu que tem nela um pouco de razão que há de prevalecer; de caridade que continuou sólida, mantendo o amar em alta nos últimos meses. Tem muito ainda da resposta da ciência que continua cristalina, apesar dos que insistem em negar a realidade.

SIM, TAMBÉM VI quem andava para lá e para cá próximo a locais de votação com sacolinhas cheias de santinho. Senti falta do Exército nas ruas da cidade. Mas, convenhamos, a tensão da eleição atual não chega em perto do que vivemos nas décadas de 1980 e 1990.

A ÚLTIMA SEMANA da campanha foi melancólica, sem candidatos fazendo fuzuê nas ruas em clima de já ganhou, sem carreata, sem contratação de dezenas de carros de som pra nos confundir a mente. Claro, saíram das ruas e invadiram a timeline e o feed de nossas redes sociais.

A ÚLTIMA SEMANA não teve nenhuma pesquisa de intenção de votos sequer, daquelas que fazem projeções mirabolantes sobre este ou aquele candidato. E se tivesse e divulgassem que Tião Miranda estava com 74% das intenções de voto, eu não acreditaria. Eu, e toda a torcida do Águia. Não, acho que a do Flamengo mesmo.

SIM, esta eleição foi disruptiva.

NÃO VI NESTE ANO, nas filas de votação, a arrogância e o rancor que estavam fortemente presentes em 2018. Isto não significa perfeição. Têm muitos defeitos ainda. Mas vale apostar que é uma vitória dos princípios e daqueles que tiveram decisão e coragem para permanecer confiantes na fé. Isso apesar das angústias e lágrimas presentes ao longo de 2020.

(Ulisses Pompeu)

* O autor é jornalista há 24 anos e escreve crônica na edição de quinta-feira

Comentários

Mais

Covid-19: Anvisa diz que não há estudo conclusivo sobre 3ª dose

Covid-19: Anvisa diz que não há estudo conclusivo sobre 3ª dose

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou em comunicado hoje (23) que ainda não há evidências suficientes para uma…
ONS prevê cenário energético "sensível" até novembro

ONS prevê cenário energético "sensível" até novembro

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisou as previsões para o atendimento de energia ao Brasil até novembro e…
DJ Ivis pede perdão a Pamella Holanda em suposta carta lida pelo advogado do cantor

DJ Ivis pede perdão a Pamella Holanda em suposta carta lida pelo advogado do cantor

A cearense Pamella Holanda, vítima de agressões de DJ Ivis, revelou que o cantor enviou uma suposta carta, por meio do advogado, com um pedido de perdão.…
Rede estadual retoma aulas no início de agosto

Rede estadual retoma aulas no início de agosto

A redução do número de novos casos e de óbitos por Covid-19, bem como a adesão à vacinação contra o…
Clarice, a jovem que anda nua em Parauapebas, não está abandonada

Clarice, a jovem que anda nua em Parauapebas, não está abandonada

Uma cena comum em Parauapebas e que choca muita gente é a de uma mulher andando sem roupas pelas ruas…
Mãe pede ajuda para comprar cadeira de banho para o filho

Mãe pede ajuda para comprar cadeira de banho para o filho

Com grande parte do corpo atrofiado, conseguindo movimentar apenas uma das mãos e a cabeça, o jovem Handriw Rafael Vasconcelos…