Correio de Carajás

Condenado a 17 anos ainda vai ser julgado por 4 crimes

Mairon pegou 17 anos, mas ainda será julgado por outros quatro homicídios/ Foto: Divulgação

PISTOLEIRO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Mairon da Costa Fontes, conhecido como “Felipão”, foi condenado a 17 anos de prisão pelo assassinato de Antônio Marcos Maia, crime ocorrido no dia 27 de agosto de 2018. O julgamento aconteceu nesta quarta-feira (26), no Tribunal do Júri de Marabá. É possível que Mairon pegue um tempo de pena ainda maior, pois ele ainda deve sentar outras vezes no banco dos réus, já que responde a pelo menos outros quatro homicídios em Marabá e região.

O réu estava preso desde o dia 10 de agosto de 2019, quando foi localizado por policiais do Departamento de Homicídios da Polícia Civil em uma casa noturna da Folha 16, Nova Marabá. Os investigadores já tinham em mãos um mandado de prisão expedido pelo Poder Judiciário, a pedido do delegado Toni Rinaldo Rodrigues de Vargas, titular do departamento, que investigava o crime.

O assassinato cometido por Mairon aconteceu na esquina das ruas Sérvulo Brito e Sol Poente, no centro da Cidade Nova, por volta das 14 horas. Morador da Vila Cruzeiro do Sul, zona rural de Itupiranga, Antônio Marcos estava hospedado em um hotel de Marabá junto com a esposa. Ele ainda chegou a ser socorrido, mas morreu em um hospital particular da cidade.

Leia mais:

Dois crimes numa tarde

O que mais chama atenção nesse caso é que Antônio Marcos pode ter sido confundido com o verdadeiro alvo procurado por Mairon. Naquela mesma tarde, pouco tempo depois desse assassinato, o jovem Máximo Carlos Bezerra da Silva, de 25 anos, foi executado, perto dali, na Rua Rio Branco, próximo à esquina da Avenida 2000, no bairro Belo Horizonte (Núcleo Cidade Nova).

Tudo indica que Máximo era o verdadeiro alvo do pistoleiro, que acabou se confundindo e matando Antônio Marcos por este ser muito parecido com Máximo. Porém, depois de ver que havia assassinado a pessoa errada, não pensou duas vezes e foi terminar o “serviço”.

Ou seja, Mairon pode ter tirado a vida de duas pessoas em uma mesma tarde. Tanto é verdade que um dos crimes que ele está respondendo é justamente o homicídio de Máximo Carlos, que deve leva-lo novamente ao banco dos réus em breve. (Chagas Filho)

Comentários

Mais

Caçadores são presos com carne de veado e por porte ilegal de arma de fogo

Caçadores são presos com carne de veado e por porte ilegal de arma de fogo

Dois homens foram presos por porte ilegal de armas de fogo e munições e crime contra a fauna, em Conceição…
Somadas, penas de crimes associados a Lázaro Barbosa podem passar de 300 anos

Somadas, penas de crimes associados a Lázaro Barbosa podem passar de 300 anos

Desde antes da chacina contra a família Vidal, na madrugada de quarta-feira (9/6), Lázaro Barbosa de Sousa acumulava sete inquéritos…
PF cumpre mandados contra acusados de atacar indígenas

PF cumpre mandados contra acusados de atacar indígenas

Com o objetivo de instruir os inquéritos policiais instaurados para apurar as manifestações violentas e ataques contra os agentes de…
Assaltos em Parauapebas terminam em morte e prisão

Assaltos em Parauapebas terminam em morte e prisão

Uma abordagem policial de policiais militares a suspeitos de assalto resultou na morte de Jhonata Pereira de Oliveira e na…
Funcionária de padaria tem braço quebrado após pedir que cliente colocasse a máscara

Funcionária de padaria tem braço quebrado após pedir que cliente colocasse a máscara

A funcionária de uma padaria no município de Palmares Paulista, no estado de São Paulo, teve o braço quebrado após solicitar…
Corpo de jovem de 17 anos é achado em balneário

Corpo de jovem de 17 anos é achado em balneário

Militares do Corpo de Bombeiros de Marabá localizaram no início da tarde desta terça-feira (15) o corpo do jovem Bruno…