Correio de Carajás

Como não se apaixonar pelo poder da air fryer

Crônica Ouriço Cheio

Crônica Ouriço Cheio

Ulisses Pompeu

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Aqui em casa, a gente não vive mais sem elas. É da sala de estar, com o olho de vidro da televisão-computador, à bancada da cozinha, com a air fryer, a fritadeira elétrica que está na moda e se tornou o objeto de desejo de muitas mulheres.

Você cruza os braços, ela frita, assa, cozinha – tudo isso sem uma gota de óleo sequer. Quando está pronto, avisa. Fica para você o trabalho humano de salivar, mastigar, engolir e arrotar – nem tudo é perfeito. Bem ao lado, fica a panela de pressão elétrica, outra invenção inteligente que nos conquistou lá em casa. Olha, o suco de laranja natural é na máquina que fica ali perto.

Nesse mundo disruptivo das máquinas conectadas ainda não entrou casa adentro o cérebro positrônico do Data, da série Star Trek. Um dia chegamos lá. Por ora, temos à mão a última novidade do mercado, a topo de gama da inteligência artificial que atende, inclusive, por nome que parece de gente: Alexa, Siri ou Cortana. Estas assistentes virtuais sem corpos proliferam hoje nas prateleiras das lojas e na mão da gente. Invadiram nossos celulares e tomam, aos poucos, conta da nossa vida.

Leia mais:

São como cavalos de Tróia, só que em miniatura. Na forma de objetos design, decoram nossa sala de estar e prometem facilitar nossa vida, mas de inocentes não têm nada. Em troca de mundos e fundos, guardam-se dados da vida privada na grande nuvem, no céu conectado da indústria mundial. Pense nisso quando ver a sabichona piscando luzinhas para você.

Para puxar assunto com uma delas, no Iphone, por exemplo, é só dizer “e aí Siri?”. E o tapete do mundo se desdobra aos seus pés. No emaranhado da gigantesca rede neural, o dispositivo cruza dados e fabrica respostas, seja a pergunta mais banal ou a mais complexa. Quer saber uma receita de tucunaré para o almoço de domingo? A assistente tem, até mesmo indica tutorial no Youtube. Quer saber a distância da Terra à Marte. A assistente sabe. Tá com preguiça de acender ou apagar a luz? A assistente faz.

É assim a boa vida de quem adota os bichinhos virtuais de estimação. Tamaotchis modernos que simulam o funcionamento de cérebro humano e fingem amizades novas. Dizem, a “menina” tem senso de humor, momentos de impaciência e sabe dar corte em conversas inconvenientes como ninguém. Parece até gente. Só que não.

No filme Her, de Spike Jonze, o solitário Theodore apaixona-se por Samantha, uma assistente virtual ultra avançada. Pois são muitas as armadilhas do que parece, mas não é. Dia destes, vi-me, inclusive, a defender os direitos de ir e vir de um robô doméstico. Uma advogada aqui de Marabá, contou-me, dias atrás, que sua Joanete (apelido que deram em sua casa) uma máquina redonda que circula pelos cômodos, no trabalho de aspirar o pó e salvar a família toda das crises de alergia, é mais inteligente do que ela supunha. Contra a porta fechada do quarto, ele batia a testa, insistentemente. Aquele surdo bum-bum-bum foi, pancada a pancada, quebrando o seu coração.

Cheia de culpa, pediu da cozinha se alguém podia abrir a porta, por favor, que Joanete estava preso e pedia para sair. O marido dela olhou surpreso. E a advogada deu conta de quão complexa é nossa relação com as novas tecnologias. O robô foi liberado. Devolvido o domínio de cada recanto do lar doce lar.

Para o olho de vidro da smart tevê, que me segue do sofá, um adesivo tapa-bisbilhotice. Pronto, fim do reconhecimento facial. E nem senti remorso. Mas, ultimamente ando pensando se a televisão conectada também não tem ouvidos. Porque, às vezes, tenho a impressão de receber sugestões publicitárias que coincidem estranhamente com planos de viagens ou conversas sobre mudanças de algo na casa. Será?

Olho ressabiado para a tela plana, para meu telefone celular, para o tablete. E, no silêncio do painel azul, ele me responde com as horas. Botões de ferro no comando. Mas, aos cérebros eletrônicos, eu digo o mesmo que a Marisa Monte: “só eu posso chorar quando estou triste”.

 

 

* O autor é jornalista há 25 anos e escreve crônica às quintas-feiras

Comentários

O amor de Joelson e Luzia no calorzão do Yara Clube

A coisa entre os dois começou numa manhã nublada na maloca da Escola Pequeno Príncipe, na Folha 32. Era recreio…

De amante de pôsteres para acumulador digital

Sou réu confesso. Na adolescência, na porta do guarda-roupa, pela parte de dentro, eu pregava pôsteres de super-heróis do meu…

A floresta encantada de um Pagão (quase) esquecido

Ah, se tivéssemos ouvido o decano da poesia local, Marabá seria hoje um município repleto de bosques, matas entremeando plantios,…

Afeto na saudade de uma viúva de leitor do jornal

Foi um bilhete que me chegou às mãos, enviado por uma professora aposentada que fez questão de que me entregassem…

Sobre ciclismo e açaí esparramado na ponte

Faço algumas loucuras de vez em quando. E quem não as faz? A mais recente foi ter aceitado o convite…

Obesos da quarentena que surgiram em Marabá

Olhando um pouco para trás, tenho a convicção que ficamos mais gordos na pandemia. A classe média e os ricos,…