Correio de Carajás

Com morte de médico, letalidade da covid-19 em Parauapebas é 4 vezes mais alta que Pará e Brasil

Carlos Augusto Estorari é mais uma vítima da doença na Capital do Minério (Foto: Reprodução)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na tarde desta quinta-feira (16), Parauapebas teve mais uma notícia triste a partir do novo coronavírus. Foi a morte do médico Carlos Augusto Estorari, de 48 anos, que faleceu vítima da covid-19. Esta é a terceira morte desde o primeiro caso confirmado no município, ocorrida em 28 de março.

Com os 16 casos confirmados pelo município (a Sespa só reconhece 15), Parauapebas alcança índice de letalidade altíssimo, da ordem de 18,75%. O Estado do Pará tem média de 4,81%, e o Brasil, 4,2, que já é considerada alta, sendo a oitava maior do mundo.

O primeiro a morrer em Parauapebas foi um funcionário da mineradora Vale, Cidmar Teles, de 42 anos, técnico em eletroeletrônica. Depois, na noite desta quarta-feira (15), um idoso de 72 anos de idade também faleceu com quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

Leia mais:

Conforme a prefeitura, o idoso possuía diabetes, hipertensão e cardiopatia e apresentou sintomas dez dias antes da morte. No domingo (12), o idoso foi atendido na rede particular com o quadro de SRAG e apresentando clínica sugestiva da covid-19. Na segunda-feira (13), já bastante debilitado, procurou o Pronto Socorro Municipal.

Novos dados do Ministério da Saúde revelam que, apesar do novo coronavírus matar mais brancos, o vírus é mais letal entre pretos e pardos. 23,1% dos hospitalizados com SRAG são pretos e pardos, mas eles só representam 32,8% das vítimas. Já com os brancos, a situação é oposta e o número de mortos é menor que o de hospitalizados. Eles representam 73,9% dos hospitalizados e 64,5% das vítimas.

O ministério, no entanto, não apresenta o perfil socioeconômico dos hospitalizados e das vítimas. O órgão investigou 849 mortes das 1056 contabilizadas.

De acordo com os dados, 64,5% das vítimas do novo vírus no país se declarou como branca, 32,8% como parda ou preta, 2,5% como amarela e 0,2% como indígena. (Da Redação)

Comentários

Mais

Pandemia afeta em cheio a maior festa popular de Marabá

Pandemia afeta em cheio a maior festa popular de Marabá

Pelo segundo ano consecutivo, não serão permitidos festejos juninos em Marabá, por causa da pandemia do coronavírus. A decisão foi…
Hemopa registra 6% de aumento no número de bolsas coletadas, entre abril e maio de 2021

Hemopa registra 6% de aumento no número de bolsas coletadas, entre abril e maio de 2021

O Luiz Gustavo tem seis anos e assim como muitos meninos da sua idade, adora jogar futebol. Mas a Beta…
Artista visual marabaense expõe obras oxidadas por grades de ferro

Artista visual marabaense expõe obras oxidadas por grades de ferro

A Fundação Casa da Cultura de Marabá recebe, a partir das 9 horas desta terça-feira, 15, a Exposição “Rendas de…
Tudo sobre foguete gigante da Nasa que vai levar astronautas à Lua e a Marte

Tudo sobre foguete gigante da Nasa que vai levar astronautas à Lua e a Marte

A Nasa tem planos de enviar um homem e uma mulher à superfície lunar ainda nesta década — será o…
Servidor da Cadeia de Parauapebas responde processo por disparo de arma

Servidor da Cadeia de Parauapebas responde processo por disparo de arma

O corregedor-geral penitenciário do Pará em exercício Vitor Ramos Eduardo instaurou Processo Administrativo Disciplinar visando apurar responsabilidade administrativa e funcional…
Posts exageram impacto da doação de máquinas israelenses que produzem água

Posts exageram impacto da doação de máquinas israelenses que produzem água

Imvestigado por: Verificado  por: Enganoso Posts enganam ao insinuar que, sob a gestão de Bolsonaro, o sertão brasileiro vai se…