Correio de Carajás

Bolsonaro sanciona lei que extingue prisão disciplinar para PMs e bombeiros

Andre Borges/esp. Metrópoles
Andre Borges/esp. Metrópoles
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro sancionou projeto de lei que extingue a prisão disciplinar para policiais militares e bombeiros. A nova legislação, aprovada pelo Senado no início do mês, será publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União (DOU).

A nova lei altera regras estabelecidas em um decreto-lei da época da ditadura militar. A prisão disciplinar era prevista no Regulamento Disciplinar do Exército e deveria ser seguida também pelos PMs e bombeiros segundo o decreto-lei 667, de 1969.

Os estados e o Distrito Federal terão um ano, a partir desta sexta-feira, para implementar as mudanças. O Código de Ética e Disciplina deverá ser aprovado por lei estadual ou federal disciplinando, especificando e classificando as transgressões dos PMs e bombeiros, além de estabelecer novas sanções disciplinares.

Leia mais:

O projeto, de origem na Câmara dos Deputados, foi assinado pelos deputados Subtenente Gonzaga (PDT-MG) e Jorginho Mello (PL-SC). Na justificativa da sanção, Bolsonaro cita a avaliação dos autores da proposta: a de que punições devem ser rígidas e rigorosas, mas “respeitando o direito a dignidade da pessoa humana”.

Os profissionais das Forças Armadas continuam podendo sofrer esse tipo de punição. A maioria dos estados ainda têm prisão disciplinar para bombeiros e policiais militares, ainda que esse tipo de punição seja menos comum nos últimos anos, segundo Gonzaga. “Essa lei é um tratado de cidadania dos policiais e bombeiros. É um instrumento pesado de punição, e é uma pena em que não cabe defesa prévia. Segundo a Constituição, não cabe habeas corpus no caso de prisão disciplinar”, diz o deputado.

Em Minas Gerais, a prisão foi abolida em 2002 e substituída por outras punições, como advertência, suspensão e prestação de serviços. No Ceará, foi substituída em 2003 por “recolhimento transitório”, o que também passa a ser proibido com a nova lei federal. (O Globo)


Comentários

Mais

Governo federal entrega milhares de títulos agrários em Marabá

Governo federal entrega milhares de títulos agrários em Marabá

Mais de 50 mil documentos de titularidade de terra, entre definitivos e provisórios, foram conferidos a famílias assentadas e ocupantes…
Bolsonaro inaugura trecho da BR-230 e sobrevoa  o Pedral do Lourenço

Bolsonaro inaugura trecho da BR-230 e sobrevoa o Pedral do Lourenço

A segunda agenda do presidente da presidente da República Jair Bolsonaro na região nesta sexta-feira (18) foi à margem da…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…
Queiroga, Pazuello e Araújo estão entre os 14 investigados da CPI da Covid

Queiroga, Pazuello e Araújo estão entre os 14 investigados da CPI da Covid

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou nesta sexta-feira a lista com 14 pessoas que passam a ser investigadas…
Em Marabá, Bolsonaro cumprimenta apoiadores no Aeroporto e Parque de Exposições

Em Marabá, Bolsonaro cumprimenta apoiadores no Aeroporto e Parque de Exposições

O presidente da República Jair Messias Bolsonaro (sem partido) chegou a Marabá às 11 horas desta sexta-feira, 18 de junho,…
Guedes: sobras da classe média poderiam alimentar pobres

Guedes: sobras da classe média poderiam alimentar pobres

Oministro Paulo Guedes (Economia) defendeu nesta quinta-feira (17) que sobras de restaurantes sejam destinadas a mendigos e pessoas fragilizadas, de…