Correio de Carajás

Blocos tentam retornar “arrastão” pelas ruas da Velha Marabá

Representantes de blocos se reúnem nesta quinta-feira com o prefeito Tião Miranda para discutir arrastão na Velha Marabá/ Foto: Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Enquanto a Prefeitura de Parauapebas está com a programação de Carnaval toda montada e divulgada para a Imprensa – faltando cerca de um mês para a festa momesca – a de Marabá ainda definiu as atividades que serão realizadas entre os dias 21 a 26 de fevereiro próximo.

As agremiações carnavalescas tradicionais se organizam de forma independente com produção de abadás, embora também dependam da logística do poder público por meio da Secretaria Municipal de Cultura (SECULT).

Procurada pela Reportagem do CORREIO, no entanto, a SECULT não deu detalhes da programação da festa carnavalesca deste ano, justificando que a pasta deve convocar, em breve, uma entrevista coletiva junto com os órgãos de segurança do município e do estado e representantes de blocos para divulgar as atrações esperadas. Essa coletiva deve contar, como de praxe, com os secretários de Cultura, José Scherer, Segurança Institucional, Jair Guimarães, e Turismo, Ricardo Pugliese.

Leia mais:

Embora Scherer não tenha informado, a Reportagem apurou que houve uma reunião entre ele e representantes da Licam (Liga Carnavalesca de Marabá), com a participação de líderes de dez blocos. A reunião ocorreu na sede da Secretaria de Cultura na manhã da última terça-feira, quando eles apresentaram uma proposta de resgatar a tradicional programação com arrastão dos blocos ao longo da Orla do Rio Tocantins, com logística da Prefeitura, inclusive com apoio de trio elétrico.

Presidida pelo advogado Thiago Barros, a Licam propôs, inclusive, nomes de atrações para as quatro noites de festa na Marabá Pioneira. O secretário Scherer teria dito aos representantes de blocos que pretende manter as festas de Carnaval de alguns núcleos da cidade, como Liberdade e São Félix, por exemplo.

Participaram da reunião representantes dos blocos Vai Quem Quer, Mamãe eu Quero, Jegue Elétrico, Dia de Princesa, Renegados, Carrinho de Mão, Cachaça & Cia, entre outros.

Ficou definido que os representantes da Licam vão discutir o assunto diretamente com o prefeito Tião Miranda nesta quinta-feira, no gabinete do gestor na Secretaria municipal de Obras.

Segundo Wilson de Sousa Teixeira, o Wilsão, coordenador do Bloco Cachaça & Cia, há intenção de realizar pré-carnaval no dia 9 de fevereiro, domingo, para esquentar o clima e envolver todos os blocos, mais as atléticas das universidades.

GAIOLA DAS LOUCAS

Uma simples brincadeira entre amigos na década de 1980 se transformou em um dos maiores blocos do Estado do Pará. É o tradicional “Gaiola das Loucas”, que completa 31 anos neste Carnaval e sairá às ruas com o seu ‘arrastão’ no dia 25 de fevereiro. Porém, os foliões que brincam pela agremiação todos os anos podem aguardar o famoso ‘esquenta’ do Gaiola para os primeiros dias do próximo mês. Trata-se de uma prévia da festa que agiganta a Praça do Novo Horizonte, no núcleo Cidade Nova, com inúmeras atrações locais.

Para Raimundo Neto, fundador do bloco, o Gaiola das Loucas é atração imperdível da folia marabaense. “As pessoas aproveitam o feriado para viajar ou descansar, mas na terça-feira de Carnaval todos estão de volta à cidade para participar do Gaiola das Loucas”, avalia.

Nos bastidores, a expectativa dos organizadores é reunir número de foliões superior ao ano passado, 2019, quando 40 mil brincantes (segundo eles) se fizeram presentes naquela praça, que se tornou pequena diante do ‘mar’ de pessoas.

VAI QUEM QUER

Enquanto isso, no outro lado do Rio Itacaiunas, o “Vai quem Quer”, maior bloco de rua do núcleo Nova Marabá, organiza sua 37ª saída para o dia 24, uma segunda-feira. A alegria percorrerá as ruas das folhas 20, 27 e 28 com, no mínimo, cinco carros de som e um trio elétrico. A concentração ocorrerá na Folha 28.

Antônio Carlos Saraiva, o “Tampinha”, é um dos fundadores do bloco que começou com uma brincadeira entre dez amigos. Ele conta que, ao longo dos 36 anos de existência, apesar do crescimento da agremiação, os organizadores procuram manter a tradição carnavalesca da troca de vestuário entre homens e mulheres. “A gente saía nas ruas com um carrinho de som, uma bateria e um carrinho de mão com uma churrasqueira. Hoje está muito maior”, compara o carnavalesco.

JEGUE ELÉTRICO

E no Km 7, a folia fica por conta do bloco “Jegue Elétrico”, que arrasta, há 15 anos, a multidão atrás da carroça rosa do famoso jegue. O tradicional “Mijo do Jegue”, um barril com 200 litros de uma bebida feita com cachaça e batida de maracujá, liberada à vontade para os brincantes, marcará presença nesta edição, garantem os organizadores.

O bloco percorrerá as ruas do Km 7 na terça-feira de Carnaval, dia 25, marcando o encerramento da festa lá mesmo no Bairro. (Vinícius Soares e Ulisses Pompeu)

Comentários

Mais

Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Na noite desta terça-feira, dia 30 de novembro, a Escola do Legislativo de Marabá (Elmar) realizou o 6º Sarau Líteromusical,…
Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

O Pará contabilizou mais 695 casos de Covid-19 e 16 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

O ator Alec Baldwin declarou em entrevista para TV que não puxou o gatilho da arma que matou a diretora de fotografia Halyna…
MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

O Ministério da Educação (MEC) publicou nesta quarta-feira (1º) o edital com o cronograma e os procedimentos para participação das mantenedoras de…
HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

No Brasil, 694 mil pessoas estão em tratamento contra o HIV. Apenas neste ano, 45 mil novos pacientes iniciaram a…
Covid-19: OMS aponta baixa cobertura vacinal e testes insuficientes

Covid-19: OMS aponta baixa cobertura vacinal e testes insuficientes

O mundo enfrenta “uma mistura tóxica” que resulta da baixa cobertura vacinal contra a covid-19 e um nível de testagem…