Correio de Carajás

Assaltante morre na penitenciária

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Depois de escapar de uma emboscada perpetrada pelos seus próprios comparsas na rodoviária Pedro Marinho, em Marabá, no final de outubro, o assaltante Edivaldo Batista da Silva, o “Buchudo”, preso no dia 31 daquele mesmo mês, foi encontrado morto numa das celas do Presídio Estadual Metropolitano II (PEM II), na última segunda-feira (20). As características são de suicídio, mas o histórico dele força a polícia investigar mais possibilidades.

Provocada pelo jornal, a Assessoria de Comunicação Social da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (SUSIPE) confirmou, por e-mail, a morte do detento no PEM II, onde estava custodiado. “O mesmo foi encontrado enforcado na cela que dividia com mais sete detentos”.

Na nota enviada ao jornal, a Susipe não especifica se o assaltante foi vítima de suicídio ou de homicídio, mas afirma que um “boletim de ocorrência foi feito e a Corregedoria Penitenciária irá abrir uma sindicância administrativa para apurar o fato.”

Leia mais:

Pode ser que a investigação a ser feita pela Susipe e pela Polícia Civil aponte que “Buchudo” cometeu suicídio, como parece ser, a julgar pela forma como o corpo foi encontrado, mas a morte dele já era anunciada, conforme matéria publicada por este Correio, no dia 7 deste mês.

O que a reportagem tomou conhecimento naquela ocasião, por meio de duas fontes da própria Polícia Civil (uma delas de Belém), é que existia uma rixa entre “Buchudo” e outro assaltante por causa de um carro de propriedade de “Buchudo”, que teve de ser abandonado durante um assalto.

Havia ficado acertado que no roubo seguinte a quadrilha teria que repassar o valor de R$ 18 mil a “Buchudo” para ressarcir o prejuízo do carro. Acontece que dois deles não quiseram cumprir o acordo. Diante da recusa, “Buchudo” sacou de sua arma e apontou para os dois, ameaçando mata-los ali mesmo.

Eles disseram que estavam brincando e acabaram dando a parte deles para ressarcir o prejuízo do comparsa. Mas um deles teria ficado irritado com a situação e decidiu que daria cabo de “Buchudo” na próxima oportunidade.

Uma cilada foi armada para “Buchudo”, um dia antes dele ser preso, numa lanchonete da Rodoviária Pedro Marinho de Oliveira. Naquele dia o plano só não foi concretizado porque a polícia monitorava as ações do bando e o pistoleiro contratado para o “serviço” reconheceu um dos policiais que acompanhava “Buchudo” de perto.

(Chagas Filho)

 

 

Depois de escapar de uma emboscada perpetrada pelos seus próprios comparsas na rodoviária Pedro Marinho, em Marabá, no final de outubro, o assaltante Edivaldo Batista da Silva, o “Buchudo”, preso no dia 31 daquele mesmo mês, foi encontrado morto numa das celas do Presídio Estadual Metropolitano II (PEM II), na última segunda-feira (20). As características são de suicídio, mas o histórico dele força a polícia investigar mais possibilidades.

Provocada pelo jornal, a Assessoria de Comunicação Social da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (SUSIPE) confirmou, por e-mail, a morte do detento no PEM II, onde estava custodiado. “O mesmo foi encontrado enforcado na cela que dividia com mais sete detentos”.

Na nota enviada ao jornal, a Susipe não especifica se o assaltante foi vítima de suicídio ou de homicídio, mas afirma que um “boletim de ocorrência foi feito e a Corregedoria Penitenciária irá abrir uma sindicância administrativa para apurar o fato.”

Pode ser que a investigação a ser feita pela Susipe e pela Polícia Civil aponte que “Buchudo” cometeu suicídio, como parece ser, a julgar pela forma como o corpo foi encontrado, mas a morte dele já era anunciada, conforme matéria publicada por este Correio, no dia 7 deste mês.

O que a reportagem tomou conhecimento naquela ocasião, por meio de duas fontes da própria Polícia Civil (uma delas de Belém), é que existia uma rixa entre “Buchudo” e outro assaltante por causa de um carro de propriedade de “Buchudo”, que teve de ser abandonado durante um assalto.

Havia ficado acertado que no roubo seguinte a quadrilha teria que repassar o valor de R$ 18 mil a “Buchudo” para ressarcir o prejuízo do carro. Acontece que dois deles não quiseram cumprir o acordo. Diante da recusa, “Buchudo” sacou de sua arma e apontou para os dois, ameaçando mata-los ali mesmo.

Eles disseram que estavam brincando e acabaram dando a parte deles para ressarcir o prejuízo do comparsa. Mas um deles teria ficado irritado com a situação e decidiu que daria cabo de “Buchudo” na próxima oportunidade.

Uma cilada foi armada para “Buchudo”, um dia antes dele ser preso, numa lanchonete da Rodoviária Pedro Marinho de Oliveira. Naquele dia o plano só não foi concretizado porque a polícia monitorava as ações do bando e o pistoleiro contratado para o “serviço” reconheceu um dos policiais que acompanhava “Buchudo” de perto.

(Chagas Filho)

 

 

Comentários

Mais

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Um carro forte da empresa Prosegur foi alvo de um bando de assaltantes na tarde desta quinta-feira, por volta de…
DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

Documento assinado por 11 entidades que militam na área da luta pela terra e dos direitos humanos denunciam “despejos e…
Mulher é suspeita na morte de mototaxista

Mulher é suspeita na morte de mototaxista

A morte do mototaxista Josiel Mota da Silva gerou comoção e revolta na cidade de Anapu e resultou na destruição…
Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

A Polícia Civil vem investigando crimes de furtos em veículos que estão sendo praticados com o uso de um mecanismo…
Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Dois fatos podem até não ter ligação, mas a Polícia Civil investiga ambos e tenta fazer uma conexão entre eles.…
Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Leonardo de Jesus Oliveira, de 23 anos, e Raimundo Nonato Peixoto, de 24 anos, foram executados a tiros na noite…