Correio de Carajás

Após mudança de relógio, Equatorial cobra R$ 1.800 de consumidora

Francisca do Carmo de Souza diz não ter recursos para o pagamento do valor atual / foto: Evangelista Rocha

MARABÁ

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A conta de energia elétrica é um dos piores inimigos dos paraenses na hora de quitar as dívidas dos meses e mesmo que algumas pessoas possam aderir à Tarifa Cidadã, que oferece descontos para pessoas em vulnerabilidade econômica, algumas surpresas ruins insistem em batem nas portas vez ou outra.

Uma das vítimas desse susto foi Francisca Carmo de Souza, moradora da Rua Alfredo Monção, no Bairro Morada Nova, em Marabá. Ela procurou o Correio de Carajás nesta segunda-feira (19) para relatar que em junho recebeu a visita dos funcionários da concessionária de energia, a Equatorial, para que fizessem a troca do relógio medidor de sua residência por um novo.

Após isso, neste mês de julho, ao fazer o download da fatura na internet, quase caiu para trás. O valor da conta foi de R$ 1.800, referente ao mês de junho, mesmo tendo sido pago o boleto anterior. Além disso, foi apresentado outra fatura, esta referente ao mês de julho, de R$ 145.

Leia mais:
BOLETO DO PAGO DO MÊS 06/ Foto: Evangelista Rocha

Para piorar a situação, havia outra conta contrato cadastrada em seu nome, de uma residência localizada na Folha 06, Nova Marabá, onde ela nunca residiu. Para tentar resolver a situação, Francisca e a filha procuraram a sede da Equatorial em Marabá, onde não tiveram qualquer explicação.

Conforme a usuária, a atendente não explicou para ela o motivo do valor exorbitante e sustentou que única saída, para não ter o fornecimento cortado, é fazer o pagamento. A mulher, contudo, alega não ter condições de arcar com essa despesa.

A Reportagem procurou a assessoria de comunicação da Equatorial, que encaminhou nota sobre o caso. A concessionária afirma não aplicar ou cobrar multa dos consumidores. “O que a distribuidora cobra, quando devido, é o consumo não registrado que deixou de ser corretamente medido e faturado, como foi o caso da cliente citada na reportagem”.

De acordo com a empresa, entre setembro de 2020 e abril de 2021, a unidade foi faturada somente pelo custo de disponibilidade/mínimo da fase, ou seja, “valores muito abaixo do consumo real”, diz o posicionamento. Ainda conforme a concessionária, em junho, as equipes da distribuidora fizeram a troca do medidor, na presença da titular da conta, e a fatura recebida trata-se da cobrança da média de consumo do período em que a cliente pagou somente o mínimo da fase. “Essa cobrança é feita de acordo com o que determina a Resolução 414/2010 da Aneel”.

Por fim, a Equatorial orienta no caso de dúvidas em relação ao valor da conta de energia, que o cliente busque informações por meio dos canais de atendimento 0800 091 01 96 ou nas agências de atendimento presencial. (Henrique Garcia)

Comentários

Mais

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

INVESTIGADO POR:    VERIFICADO POR:     Enganoso Os fragmentos de arroz são um subproduto apto para o consumo humano.…
Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR: Enganoso Título de artigo compartilhado em grupos bolsonaristas no Facebook omite que uma pesquisa eleitoral que…
É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

INVESTIGADO POR: VERIFICADO POR: São falsos posts virais no Facebook e no TikTok com áudio em que supostamente a atriz…
Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Enganoso É enganosa a publicação no site Terça Livre que afirma que um estudo francês apontou a eficácia da ivermectina…
A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

Esta semana um assunto polêmico ganhou o noticiário nacional: uma pessoa foi demitida por justa causa por se recusar a…
Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Do final de maio até o mês de julho, 314 animais foram testados contra a leishmaniose. O médico veterinário Flávio…