Correio de Carajás

Agente da GMM tem nova preventiva decretada

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Preso desde o dia 16 do último mês, acusado de ter participação em tortura, estupro e extorsão contra dois homens e uma mulher, que acabou assassinada poucos dias depois, o agente Rômulo Passos Soares, da Guarda Municipal de Marabá (GMM), teve decretada contra si mais uma prisão preventiva na última quarta-feira (1º). A decisão da juíza Renata Guerreiro Milhomem de Souza, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Marabá, é referente a outro processo – este de 2014 – no qual ele também é acusado de tortura junto com outros cinco servidores.

Neste caso a representação foi formulada pelo Ministério Público do Estado do Pará com base em ele estar sendo acusado de ter reiterado o crime, “havendo sérios riscos à manutenção da ordem pública ante a reiteração delitiva do réu, o qual foi preso acusado de novamente praticar o delito de tortura qualificada, além de extorsão qualificada e estupro no dia 9/10/2017”, diz o pedido.

Conforme a denúncia, em 2013 um adolescente estava em companhia de outros três colegas em frente a uma casa quando um veículo parou e os agentes desceram, dentre eles Rômulo Passos. Os servidores passaram a acusar a vítima de ter furtado um aparelho celular e revistaram os quatro adolescentes, além de terem passado a agredir a vítima. De lá, afirma a denúncia, a vítima foi levada para o prédio onde funcionava o comando da GMM, onde passou a ser torturada.

Leia mais:

O Ministério Público destacou a prisão do agente – decretada no dia 14 de outubro pelo juízo plantonista da Comarca de Marabá – em relação aos crimes ocorridos no dia 9 do mesmo mês e o homicídio de uma das vítimas, também no dia 14, que pode ter sido praticado por grupo de extermínio ligado ao envolvido.

A magistrada deferiu o pedido por considerar que, além de existir prova da materialidade do crime e indícios fortes de autoria, a providência também se mostra justificável para garantir a ordem pública.

RELEMBRE

No último mês, conforme divulgou o CORREIO, o guarda foi acusado de por vários crimes contra três pessoas. Uma das vítimas, Naiara Vieira Ribeiro, de 25 anos, foi encontrada morta por disparos de arma de fogo cinco dias depois da denúncia. As vítimas relataram que no dia 9 de outubro, ela e dois amigos foram abordados por três homens, sendo dois fardados da guardas municipais, e colocados em automóvel.

Em seguida foram levados para um matagal no Bairro Cidade Jardim, onde foram torturados com utilização de armas de choque e sofreram golpes e pauladas, tiveram pertences e dinheiro subtraídos, roupas queimadas e, por fim, foram obrigadas a praticarem sexo entre si. Naiara ainda foi violada por um dos criminosos. Os três foram ameaçados com utilização de armas de fogo – revólver e pistola – e ouviram que caso houvesse denúncia, tanto eles quanto os familiares deles morreriam.

Na época da prisão, o advogado Odilon Vieira Neto, que acompanha o caso, informou ter conversado com o Guarda Municipal e que este negou as acusações. “Ele afirma que não cometeu delito algum e é inocente”, declarou Vieira.

(Luciana Marschall)

Preso desde o dia 16 do último mês, acusado de ter participação em tortura, estupro e extorsão contra dois homens e uma mulher, que acabou assassinada poucos dias depois, o agente Rômulo Passos Soares, da Guarda Municipal de Marabá (GMM), teve decretada contra si mais uma prisão preventiva na última quarta-feira (1º). A decisão da juíza Renata Guerreiro Milhomem de Souza, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Marabá, é referente a outro processo – este de 2014 – no qual ele também é acusado de tortura junto com outros cinco servidores.

Neste caso a representação foi formulada pelo Ministério Público do Estado do Pará com base em ele estar sendo acusado de ter reiterado o crime, “havendo sérios riscos à manutenção da ordem pública ante a reiteração delitiva do réu, o qual foi preso acusado de novamente praticar o delito de tortura qualificada, além de extorsão qualificada e estupro no dia 9/10/2017”, diz o pedido.

Conforme a denúncia, em 2013 um adolescente estava em companhia de outros três colegas em frente a uma casa quando um veículo parou e os agentes desceram, dentre eles Rômulo Passos. Os servidores passaram a acusar a vítima de ter furtado um aparelho celular e revistaram os quatro adolescentes, além de terem passado a agredir a vítima. De lá, afirma a denúncia, a vítima foi levada para o prédio onde funcionava o comando da GMM, onde passou a ser torturada.

O Ministério Público destacou a prisão do agente – decretada no dia 14 de outubro pelo juízo plantonista da Comarca de Marabá – em relação aos crimes ocorridos no dia 9 do mesmo mês e o homicídio de uma das vítimas, também no dia 14, que pode ter sido praticado por grupo de extermínio ligado ao envolvido.

A magistrada deferiu o pedido por considerar que, além de existir prova da materialidade do crime e indícios fortes de autoria, a providência também se mostra justificável para garantir a ordem pública.

RELEMBRE

No último mês, conforme divulgou o CORREIO, o guarda foi acusado de por vários crimes contra três pessoas. Uma das vítimas, Naiara Vieira Ribeiro, de 25 anos, foi encontrada morta por disparos de arma de fogo cinco dias depois da denúncia. As vítimas relataram que no dia 9 de outubro, ela e dois amigos foram abordados por três homens, sendo dois fardados da guardas municipais, e colocados em automóvel.

Em seguida foram levados para um matagal no Bairro Cidade Jardim, onde foram torturados com utilização de armas de choque e sofreram golpes e pauladas, tiveram pertences e dinheiro subtraídos, roupas queimadas e, por fim, foram obrigadas a praticarem sexo entre si. Naiara ainda foi violada por um dos criminosos. Os três foram ameaçados com utilização de armas de fogo – revólver e pistola – e ouviram que caso houvesse denúncia, tanto eles quanto os familiares deles morreriam.

Na época da prisão, o advogado Odilon Vieira Neto, que acompanha o caso, informou ter conversado com o Guarda Municipal e que este negou as acusações. “Ele afirma que não cometeu delito algum e é inocente”, declarou Vieira.

(Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Um carro forte da empresa Prosegur foi alvo de um bando de assaltantes na tarde desta quinta-feira, por volta de…
DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

Documento assinado por 11 entidades que militam na área da luta pela terra e dos direitos humanos denunciam “despejos e…
Mulher é suspeita na morte de mototaxista

Mulher é suspeita na morte de mototaxista

A morte do mototaxista Josiel Mota da Silva gerou comoção e revolta na cidade de Anapu e resultou na destruição…
Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

A Polícia Civil vem investigando crimes de furtos em veículos que estão sendo praticados com o uso de um mecanismo…
Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Dois fatos podem até não ter ligação, mas a Polícia Civil investiga ambos e tenta fazer uma conexão entre eles.…
Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Leonardo de Jesus Oliveira, de 23 anos, e Raimundo Nonato Peixoto, de 24 anos, foram executados a tiros na noite…