Correio de Carajás

Advogado justifica ter impedido o cliente de assinar depoimento

O advogado Tony Araújo, que defende Antônio de Souza Nascimento, o “Toninho”, acusado de ter matado a companheira dele, Jaqueline Santana da Silva, de 24 anos, justificou os motivos de ter orientado o cliente a não assinar o depoimento, onde confessa ter matado a mulher.

Segundo ele, o cliente prestou o depoimento sem estar acompanhado do advogado, por isso o orientou quando chegou à delegacia a não assinar o documento.

“Quando eu cheguei ele tinha acabado de prestar depoimento. Como não foi garantido a ele o direito de entrar em contato comigo, isso abre margem para pedir anulação do depoimento. Como ele ainda não tinha assinado, eu o orientei a não assiná-lo, visto que um dos princípios constitucionais, de ser acompanhando de um advogado, foi violado”, argumentou Tony Araújo.

Leia mais:

Ele frisa que seu cliente não tem andecedentes criminais e nunca tinha passado por uma situação dessas. “Ele prestar um depoimento sobre pressão,  sem a companhia de seu advogado, pode dizer coisas que podem depois pesar contra sua defesa”, ressalta.

Segundo Tony Araújo, o cliente agora só vai falar em juízo. “Quando isso acontecer ele já vai estar mais preparado e sem pressão. No depoimento de hoje ele tinha acabado de ser preso , estava vivendo longe da família e passando por todo um dano psicológico, o que poderia comprometer o raciocínio”, enfatizou o advogado.

Tony Araújo observa ainda que o fato de seu cliente não ter assinado o documento, não prejudica o trabalho da polícia, apenas “estava sendo garantido o direito do contraditório”.

“Uma pessoa não pode produzir provas contra si mesma. Por isso, ele vai ter seu momento, na frente do juiz, com mais preparo psicológico, para dar a sua versão dos fatos”, pontua.

Segundo ele, a audiência de custódia deve acontecer amanhã, quarta-feira, 4. “Depois vamos seguindo acompanhado o caso e elaborar a estratégia de defesa dele”, adiantou Tony Araújo.

O advogado afirma que ainda não conversou mais aprofundadamente com Antônio sobre o caso. “Ele só me disse que está muito assutado porque nunca passou essa situação e está temeroso com o que pode acontecer com ele”, frisou, dizendo que amanhã vai ter uma conversa mais tranquila com seu cliente.  (Tina Santos – com informações de Ronaldo Modesto)

Comentários