Correio de Carajás

Adonei encerra mandato ‘sambando na cara’ da lei e travando Curionópolis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ele passou a gestão inteira torrando recursos públicos, fazendo viagens improdutivas e promovendo festas, sem priorizar as reais necessidades da população. O prefeito derrotado de Curionópolis, Adonei Aguiar, despede-se do mandato deixando de herança a saúde sucateada, a educação em frangalhos e a infraestrutura urbana e rural às traças, mesmo tendo administrado uma montanha de dinheiro que totaliza R$ 324,8 milhões nos últimos quatro anos. Foram R$ 63,18 milhões em 2017; R$ 79,87 milhões em 2018; R$ 97,75 milhões em 2019; e R$ 84 milhões em 2020.

Mas o pior está por vir. A lastimável herança da passagem de Adonei pela Prefeitura de Curionópolis vai ficar mesmo para a prefeita eleita Mariana Chamon: uma despesa com pessoal elevada demais e não suportada sequer pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), dispositivo negligenciado por Adonei e que pode trazer complicações perpétuas ao município.

O Correio de Carajás cruzou dados das contas da prefeitura de 2019 e 2020 e observou que, apesar de a receita ter encolhido drasticamente, a despesa com pessoal aumentou em R$ 1 milhão. Enquanto o município pagou R$ 34.776.988,88 em salários de janeiro a outubro do ano passado, período das vacas gordas, este ano pagou R$ 35.616.555,64. Pode parecer um dado qualquer, mas, para efeitos fiscais, a Prefeitura de Curionópolis ultrapassou em outubro deste ano, pela primeira vez na história, o teto máximo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para gastos com pessoal, que corresponde a 54% da receita líquida.

Leia mais:

Recebeu mel e vai entregar fel

Em 2017, Adonei recebeu a prefeitura de seu sucessor, Wenderson Chamon, com a folha de pagamento impactando apenas 39,36% da receita líquida, ou seja, confortavelmente abaixo de todas as linhas de corte da LRF. Sem problemas fiscais à época, Adonei meteu os pés pelas mãos, inchou a folha de pagamento, tendo sido, inclusive, denunciado por manter servidores fantasmas.

Agora, pelas contas consolidadas até o 5º bimestre deste ano entregues pela gestão dele mesmo, Adonei Aguiar deve entregar a gestão sequestrando 54,15% da arrecadação com o funcionalismo, o que trará problemas a sua sucessora, Mariana Chamon. Pouco adepto de transparência, o governo Adonei não atualiza dados no portal da transparência desde 27 de novembro e, para piorar, não divulga os salários dos servidores, desobedecendo e afrontando outra lei: a de Acesso à Informação.

Para se equilibrar em meio aos escombros administrativos da era Adonei, a prefeita eleita terá fatalmente de tocar uma política agressiva de contingenciamento de despesas, focada na folha de pagamento, para não ser perseguida pelos órgãos de controle externo e ter sua cabeça a prêmio, uma vez que quadrimestres consecutivos de infração à Lei de Responsabilidade Fiscal podem culminar com penalidades administrativas e até perda de mandato.

Mais

Estados e municípios poderão utilizar saldos de fundos de saúde

Estados e municípios poderão utilizar saldos de fundos de saúde

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei complementar que estende até o fim de 2021 a autorização concedida a estados,…
Senadores avaliam semana da CPI da Pandemia como positiva

Senadores avaliam semana da CPI da Pandemia como positiva

Os senadores avaliaram de forma positiva a primeira semana de oitivas da CPI da Pandemia. Foram ouvidos os ex-ministros da…
Brasil precisa fortalecer produção de insumos, diz Queiroga

Brasil precisa fortalecer produção de insumos, diz Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira (6) em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia…
Queiroga diz que enfrentamento à pandemia requer união de forças

Queiroga diz que enfrentamento à pandemia requer união de forças

Em depoimento nesta quinta-feira (6) à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia no Senado, o ministro da Saúde, Marcelo…
Teich diz que deixou cargo por falta de autonomia e por não aceitar cloroquina

Teich diz que deixou cargo por falta de autonomia e por não aceitar cloroquina

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich disse nesta quarta-feira (5) em depoimento à CPI da Pandemia que deixou o governo…
Bolsonaro defende liberdade e cogita decreto de livre circulação

Bolsonaro defende liberdade e cogita decreto de livre circulação

Em discurso hoje (5) em cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro falou sobre as manifestações ocorridas no 1º de…