Correio de Carajás

Acusados de roubo continuam na cadeia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Os cinco acusados de envolvimento num esquema de roubo de cargas e revenda para comércio de Marabá e região continuam atrás das grades. Segundo o delegado Toni Rinaldo Rodrigues de Vargas, responsável pelo inquérito e prisão do bando, mais gente ainda deve ser presa. Entre os presos está Rodrigo de Oliveira Jadjiski, acusado de contratar assaltantes (que se passavam por estivadores ou “chapas”) para tomar caminhões de assalto e roubar as cargas. “Ele planejava, ele coordenava, ele determinava”, afirma o policial, acontecendo que as reuniões que definiam os roubos aconteciam com 24 horas de antecedência.

Também estão presos acusados de serem os executores dos roubos de carga, os elementos Gimiclei Silva Souza, o “Binga”; Leonardo Barbosa de Oliveira, o “Lalá” ou “Léo”; e Francisco Pereira dos Santos, o “Seboso”, este último é acusado de ter assassinado um caminhoneiro durante ataque a uma carga em Marabá. Este assassinato desencadeou as investigações que culminaram com a prisão.

E o quinto preso é André Guilherme Santa Brígida Cordeiro. O caso desse acusado, a priori, é diferente. Ele era gerente do mercadinho pertencente a Jadjiski, onde estava grande parte das cargas roubadas, e foi preso por receptação.

Leia mais:

Cauteloso, o delegado Toni Vargas disse que ainda não é possível enquadra-lo em associação criminosa porque ainda não dá para confirmar se André Guilherme sabia de todo o esquema, mas uma perícia a ser feita no aparelho celular dele vai dizer qual seu grau de envolvimento.

Ainda segundo o delegado, o alvo da quadrilha eram geralmente cargas avaliadas acima de R$ 60 mil. As cargas roubadas eram distribuídas em depósitos alugados pelo empresário (alguns locados por dois ou três dias apenas) e de lá eram revendidas para os receptadores, em geral comerciantes que compravam o produto sabendo que se tratava de carga roubada. O foco principal das investigações agora é descobrir quem são esses receptadores.

A partir de agora, o delegado espera que as pessoas procurem o Disque Denúncia e prestem informações sobre comércios que poderiam estar comprando as cargas.

Saiba Mais  Segundo o delegado Toni Vargas, a última tentativa de roubo de carga feita pelo bando foi em 16 de maio deste ano, ocasião em que os planos fugiram do controle e o acusado “Seboso” acabou assassinado o caminhoneiro Joel José de Souza, que reagiu ao assalto. O crime ocorreu na Folha 26, Nova Marabá.

(Chagas Filho)

 

 

Os cinco acusados de envolvimento num esquema de roubo de cargas e revenda para comércio de Marabá e região continuam atrás das grades. Segundo o delegado Toni Rinaldo Rodrigues de Vargas, responsável pelo inquérito e prisão do bando, mais gente ainda deve ser presa. Entre os presos está Rodrigo de Oliveira Jadjiski, acusado de contratar assaltantes (que se passavam por estivadores ou “chapas”) para tomar caminhões de assalto e roubar as cargas. “Ele planejava, ele coordenava, ele determinava”, afirma o policial, acontecendo que as reuniões que definiam os roubos aconteciam com 24 horas de antecedência.

Também estão presos acusados de serem os executores dos roubos de carga, os elementos Gimiclei Silva Souza, o “Binga”; Leonardo Barbosa de Oliveira, o “Lalá” ou “Léo”; e Francisco Pereira dos Santos, o “Seboso”, este último é acusado de ter assassinado um caminhoneiro durante ataque a uma carga em Marabá. Este assassinato desencadeou as investigações que culminaram com a prisão.

E o quinto preso é André Guilherme Santa Brígida Cordeiro. O caso desse acusado, a priori, é diferente. Ele era gerente do mercadinho pertencente a Jadjiski, onde estava grande parte das cargas roubadas, e foi preso por receptação.

Cauteloso, o delegado Toni Vargas disse que ainda não é possível enquadra-lo em associação criminosa porque ainda não dá para confirmar se André Guilherme sabia de todo o esquema, mas uma perícia a ser feita no aparelho celular dele vai dizer qual seu grau de envolvimento.

Ainda segundo o delegado, o alvo da quadrilha eram geralmente cargas avaliadas acima de R$ 60 mil. As cargas roubadas eram distribuídas em depósitos alugados pelo empresário (alguns locados por dois ou três dias apenas) e de lá eram revendidas para os receptadores, em geral comerciantes que compravam o produto sabendo que se tratava de carga roubada. O foco principal das investigações agora é descobrir quem são esses receptadores.

A partir de agora, o delegado espera que as pessoas procurem o Disque Denúncia e prestem informações sobre comércios que poderiam estar comprando as cargas.

Saiba Mais  Segundo o delegado Toni Vargas, a última tentativa de roubo de carga feita pelo bando foi em 16 de maio deste ano, ocasião em que os planos fugiram do controle e o acusado “Seboso” acabou assassinado o caminhoneiro Joel José de Souza, que reagiu ao assalto. O crime ocorreu na Folha 26, Nova Marabá.

(Chagas Filho)

 

 

Comentários

Mais

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Um carro forte da empresa Prosegur foi alvo de um bando de assaltantes na tarde desta quinta-feira, por volta de…
DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

Documento assinado por 11 entidades que militam na área da luta pela terra e dos direitos humanos denunciam “despejos e…
Mulher é suspeita na morte de mototaxista

Mulher é suspeita na morte de mototaxista

A morte do mototaxista Josiel Mota da Silva gerou comoção e revolta na cidade de Anapu e resultou na destruição…
Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

A Polícia Civil vem investigando crimes de furtos em veículos que estão sendo praticados com o uso de um mecanismo…
Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Dois fatos podem até não ter ligação, mas a Polícia Civil investiga ambos e tenta fazer uma conexão entre eles.…
Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Leonardo de Jesus Oliveira, de 23 anos, e Raimundo Nonato Peixoto, de 24 anos, foram executados a tiros na noite…