Correio de Carajás

A burguesada metida e a trincheira política

Crônica Ouriço Cheio

Crônica Ouriço Cheio

Ulisses Pompeu

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Há uma espécie de brasileiro que me assusta com a vida que vai tecendo. E não são poucas as vezes que me vejo tal qual essa gente. Classe média escrota, burguesada metida a besta e, crente, donatária até do vento.

No espelho, já me enxerguei num desses espíritos. Fico me rastreando pra ver se amanheço menos babaca e avaro. E vi que faço semelhantes histórias, como correr das reuniões do condomínio (por exemplo).

Apesar de querer que o “meu patrimônio” seja valorizado, prefiro não pedir ao prefeito ou secretário de Obras que asfalte minha rua. Faço entrevista com eles, apresento problemas de meio mundo de gente, mas nunca falo da lama que se espalha inverno e verão na Luiz Gonzaga.

Leia mais:

Mas dou opiniões severas aos vizinhos. Brado. Critico quem joga lixo no meio da rua e deixa portão aberto para favorecer um assaltante… Reclamo do disso e daquilo.

Protesto! Encho-me da prática do senso comum. Convenço-me, tenho direito de estrebuchar (somente) porque somos pais e mães uns para com os outros…

É… no horário de pico no trânsito, não são poucos os automóveis marabaenses aboletados na ciclofaixa da Rodovia Transamazônica. Teve uma “dama” que, filmada por um motoqueiro estacionado, ainda deu um tchauzinho debochado.

Esse mesmo povo para em fila tripla quando vai deixar e buscar os filhos na escola. Não tenho medo de ser injusto. Engasga o trânsito e quem quiser que espere pelos donos da cidade. Desse pecado não vou para o inferno. Estaciono duas ruas dali e sigo a pé.

E não fazemos nada. Nem pais nem mestres nem escolas que educam para a “cidadania”.

Cidadania?! Quer ver outra coisa? Sequer entramos com uma reclamação no Conselho de Educação e Ministério Público para que sejam extintas as tais turmas “especiais” (ITA, Medicina e outras besteiras do gênero).

E cada vez mais “individuais”, os alunos vão massificando a noção de que o “privilégio” é parte do território que “disputam”.

Ouvi alguns alunos, de escolas particulares do Novo Horizonte, repetirem que não votariam em Lula (eu tmb não). Ele “roubou” as vagas deles nas universidades públicas. Referiam-se às cotas para pretos e mulambentos.

E um dos estudantes, em tom de brincadeira (mas achando massa!), me repassou um áudio que está correndo a web. Justificaria, brincou falando sério, a tendência de uma parcela dos adolescente e jovens querer votar em Bolsonaro.

A nossa vida dividida e a política pegando fogo. A polarização entre dois nomes deixa o povo brasileiro em situação inescapável. Os amigos se dividem, as decisões que tomamos parecem favorecer, sempre, um ou outro lado. E se a gente não quiser nenhum ou outro lado, faz o que mesmo?

Mas mesmo nesta guerra de lados, não podemos nos omitir. Quando os bons se calam, os imbecis dominam. Precisamos mostrar de que lado estamos, mas sempre com respeito às pessoas que têm opiniões divergentes. Não podemos radicalizar, nos posicionar favoráveis a um discurso e ficarmos contra as pessoas que nos cerca, geralmente a quem queremos bem. Mas é bom que nossas atitudes reflitam nosso pensamento.

Nada de estacionar na ciclofaixa. Parar em fila tripla em frente às escolas. Andar de moto pela calçada. Levar o cachorro pra passear e não apanhar o cocô. Atender ao celular enquanto se dirige. Não separar o lixo que se produz em casa. Achando que a seca é coisa de flagelado…

Confesso que fico sem graça por esses tempos de polarização. Melhor dizendo, passei a ficar. Sempre tenho a ilusão que as coisas passarão por mudança punhal… Uma porrada cidadã… Que os dias serão, coletivamente, melhores.

Mas não é bem assim… Quem dera!

* O autor é jornalista há 25 anos e escreve crônica na edição de quinta-feira

Comentários

A casa silenciosa e a volta do filho [quase] pródigo

Da casa da vizinha Deilde quase não vinham sons. Parecia que ninguém morava lá, na quadra 9 da Folha 17.…

Sobre DIU. Sobre amor. Sobre cunhada e sogra.

A vida itinerante de Cris dependeu – sempre e sempre – dos destinos do trabalho do pai, servidor público federal…

Mãe, eu sou gay!

A história que conto a seguir é triste e delicada. Primeiro, porque fala de morte na adolescência. Segundo, porque conta…

A burguesada metida e a trincheira política

Há uma espécie de brasileiro que me assusta com a vida que vai tecendo. E não são poucas as vezes…

O amor de Joelson e Luzia no calorzão do Yara Clube

A coisa entre os dois começou numa manhã nublada na maloca da Escola Pequeno Príncipe, na Folha 32. Era recreio…

De amante de pôsteres para acumulador digital

Sou réu confesso. Na adolescência, na porta do guarda-roupa, pela parte de dentro, eu pregava pôsteres de super-heróis do meu…