Correio de Carajás

Junho traz combinação nociva à respiração

Período de seca, alinhado com queimadas e pandemia do coronavírus, traz grandes riscos à respiração/Foto: Reprodução
Período de seca, alinhado com queimadas e pandemia do coronavírus, traz grandes riscos à respiração/Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Período de “verão amazônico” é o mais seco do ano, acentuado pelas queimadas e pela constante ameaça do coronavírus

 

Entre junho e setembro há uma séria diminuição na nebulosidade e no regime de chuvas na região amazônica; esse período é conhecido como “verão amazônico”, quando as maiores temperaturas e as menores taxas de umidade relativas do ar são registradas.

A ausência de chuvas é um momento oportuno para os praticantes de queimadas, que nas zonas urbana e rural de Parauapebas quase sempre tem o intuito de “limpar” lotes, de forma rápida e barata. A prática, além de prejudicial à fauna, flora e população do município, também é crime, como tipificado na Lei Municipal nº 4.925/2020.

Leia mais:

O tenente Paulo Victor Furtado, do 23º Grupamento de Bombeiros Militares (GBM) em Parauapebas, lembrou que há uma taxa a se pagar para os que descumprirem a lei. “Nós recomendamos os fazendeiros a irem junto à Semma para verificar a situação da queima controlada, e orientamos não fazer esse tipo de queimada sem orientação das autoridades”, disse o bombeiro em entrevista ao Portal Correio de Carajás.

Tenente Paulo Victor Furtado atentou para multas cabíveis contra praticantes de queimadas/Foto: Ronaldo Modesto
Tenente Paulo Victor Furtado atentou para multas cabíveis contra praticantes de queimadas/Foto: Ronaldo Modesto

Segundo a lei, que vigora desde o último mês de dezembro, é proibida a prática de queimadas em vias públicas ou imóveis privados nas zonas urbana, rural, áreas de expansão do município e beiras de rodovias. Algumas queimadas podem ser autorizadas mediante prévia análise da Secretaria de Meio Ambiente (Semma), que deve ser contatada pelos interessados.

Em meio aos fatores período mais seco e aumento das queimadas no município, soma-se a pandemia de coronavírus, uma doença que ataca principalmente o sistema respiratório humano. A combinação entre esses agentes pode significar um período de enorme risco à saúde respiratória dos parauapebenses, como explica o médico pneumologista Wladimir Moreno Monteiro, consultado pela Reportagem.

Wladimir Monteiro, médico pneumatologista, explica como como seca, queimada e coronavírus prejudicam sistema respiratório/Foto: Acervo Pessoal
Wladimir Monteiro, médico pneumatologista, explica como como seca, queimada e coronavírus prejudicam sistema respiratório/Foto: Acervo Pessoal

“O período de seca é responsável pelo agravamento de muitas doenças respiratórias, em especial a asma, a doença pulmonar obstrutiva crônica, as rinites e sinusites, isso também agravará os sintomas respiratórios causados pelo coronavirus”, disse o médico, especialista em doenças respiratórias. Ele também analisou os impactos das queimadas na respiração sob o mesmo prisma do verão amazônico.

Wladimir Monteiro chamou a atenção para o processo inflamatório que a inalação da fumaça gerada durante as queimadas causa ao sistema respiratório, “desencadeando vários sintomas como tosse seca, falta de ar, desconforto respiratório, dor de garganta além de irritação nasal e nos olhos (rinite e conjuntivite)”. Nesse processo, diz, partículas e elementos tóxicos atingem as vias respiratórias e os alvéolos pulmonares, gerando os sintomas citados.

O pneumologista conclui pontuando sobre a nociva combinação entre seca, queimadas e a Covid-19, dizendo que a prática do fogo no município “pode agravar os casos [de coronavírus], uma vez que o processo inflamatório pulmonar será mais intenso, consequentemente com sintomas mais graves”.

O especialista reforça os cuidados necessários nessa época: “não fazer queimadas (mesmo a de lixo residencial), manter distância das áreas com fumaça, deixar a casa fechada para reduzir a exposição, fazer uso de máscara ao sair e continuar com as medidas preventivas contra a covid-19: máscara, álcool gel, distanciamento social e lavagem das mãos”. (Juliano Corrêa – com informações de Ronaldo Modesto)

Comentários

Mais

Três municípios fecham praias do Rio Araguaia, no sul do Pará

Três municípios fecham praias do Rio Araguaia, no sul do Pará

A chegada do veraneio tende a propiciar maior circulação de pessoas nas cidades da região sul do Estado, acarretando aglomerações,…
Uepa abre inscrições para novo processo seletivo

Uepa abre inscrições para novo processo seletivo

AUniversidade do Estado do Pará (Uepa) inicia nesta quarta-feira (16) as inscrições ao novo Processo Seletivo 2021 (Prosel 2021-2), para…
IBGE atualiza limites de municípios no mapa da Amazônia Legal

IBGE atualiza limites de municípios no mapa da Amazônia Legal

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje (16) o novo mapa da Amazônia Legal para 2020, com base…
Por que o dólar caiu, mas a gasolina e o diesel continuam subindo?

Por que o dólar caiu, mas a gasolina e o diesel continuam subindo?

O dólar vem se desvalorizando em relação ao real e acumula perdas de 3,74% em 2021 (de 4 de janeiro…
SAMU faz cerca de 700 atendimentos por mês em Marabá

SAMU faz cerca de 700 atendimentos por mês em Marabá

É difícil imaginar um acidente de trânsito com vítima e não lembrar de chamar o Serviço de Atendimento Móvel de…
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial

Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial

A partir desta quarta-feira (16), os trabalhadores informais e inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos…