Correio de Carajás

UPA em Marabá: Uma longa novela ainda sem data pra acabar

Foto: Evangelista Rocha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Ministério Público do Estado do Pará voltou a cobrar esclarecimentos da Prefeitura Municipal de Marabá acerca da demora na entrega da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), construída e inaugurada no Bairro Amapá, Núcleo Cidade Nova, mas nunca colocada em funcionamento por falta de recursos em equipá-la, conforme alega de forma reiterada a administração municipal.

Em ofício enviado à secretária municipal de Saúde, Dármina Duarte Leão Santos, na última sexta-feira, dia 11, a promotora Mayanna Silva de Souza Queiroz, titular de Direitos Constitucionais Fundamentais, Ações Constitucionais, Fazenda Pública, Família e Sucessão, solicita as informações com base em um procedimento administrativo aberto há quatro anos, em 2015.

A promotora pede que sejam apresentadas à Promotoria de Justiça, no prazo máximo de 10 dias, ou seja, até a próxima segunda-feira (21), informações atualizadas acerca da UPA, incluindo previsão para conclusão das obras e início da oferta do serviço aos munícipes.

Leia mais:

Consta no procedimento que há pouco mais de um ano, em dezembro de 2017, em reunião com a promotora, o então secretário de Saúde, Marcone Walvenarque Nunes Leite, informou que a unidade seria inaugurada, porém ainda passaria por reforma e adaptação. Ainda na ocasião, informou que na parte do fundo do prédio seria instalada a central de regulação que seria removida do prédio da Secretaria Municipal de Saúde.

Declarou, ainda, que o prédio da UPA seria adaptado também para receber o Centro de Saúde Pedro Cavalcante e que no prédio onde atualmente funciona o centro seria instalado o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA). No atual prédio deste, por sua vez, seria instalada a pediatria do Hospital Materno Infantil de Marabá (HMI), sendo desativada a ala pediátrica do Hospital Municipal de Marabá (HMM).

Neste setor, a intenção era instalar leitos de internação para dar suporte ao Pronto Socorro para casos de ortopedia e traumatologia que pretendia-se construir no Hospital. Em decorrência da reunião, a promotora deliberou que aguardaria seis meses até a conclusão das obras no prédio da UPA.

ROTEIRO ENROLADO

Em novembro, moradores da cidade protocolaram abaixo assinado requerendo a instauração de uma Ação Civil Pública para abertura e funcionamento da UPA, tendo em vista o grande volume gasto para a construção da unidade e da grande demanda atendida pelo Hospital Municipal.  

Antes disso, em julho, o Portal Correio de Carajás trouxe notícia informando que o sonho da UPA deixaria de ser concretizado. A Reportagem afirmava que a promessa feita pelo ex-prefeito João Salame ainda durante campanha, em 2012, foi desfeita pelo prefeito Tião Miranda, que assumiu em janeiro de 2017 e determinou que se apagasse o nome UPA da fachada, sob a justificativa de que não queria alimentar um sonho complicado de ser concretizado.

Em maio, o governo federal alertou que Marabá estava entre os 165 municípios que teriam que devolver todo o dinheiro gasto na construção das UPA’s, caso não estas não tivessem sido colocadas em funcionamento.

À época, o secretário de Saúde disse que o município não tinha condições de financiar o Hospital Municipal de Marabá (HMM) e UPA ao mesmo tempo, o que geraria um déficit de R$ 1.750.000 por mês. Por isso, foi repensado o uso do prédio. O município enviou, ainda, ofício ao Ministério da Saúde informando a possibilidade de devolver os recursos investidos na UPA, da ordem de R$ 1.950.000,00 repassados para Marabá.

Ainda em julho, uma comissão de vereadores da Câmara Municipal de Marabá se reuniu com o ex-ministro da Saúde, Ricardo Barros, que garantiu financiamento para aquisição de equipamentos. Ele afirmou, ainda, que a manutenção da UPA gira em torno de R$ 1,2 milhão, e não R$ 1.750.000,00, como informava a SMS. A novela continua sem desfecho.

Nesta terça-feira (15), procurada pelo Portal Correio de Carajás, a assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal de Marabá informou que a Secretaria de Saúde vai responder ao Ministério Público dentro do prazo previsto no ofício, sem prestar informações à Reportagem sobre a condição atual do empreendimento ou prazos para início de funcionamento. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Adolescente com deficiência entra para grupo prioritário de vacinação

Adolescente com deficiência entra para grupo prioritário de vacinação

O Governo Federal incluiu definitivamente gestantes, puérperas e lactantes, com ou sem comorbidade, no grupo prioritário de imunização contra a…
Moradores do Contestado se revoltam com obra parada há nove meses

Moradores do Contestado se revoltam com obra parada há nove meses

A região do Contestado, que apesar de pertencer à Marabá está localizada a 260 quilômetros da sede do município, sendo…
Taxa de desemprego fica em 14,6% no trimestre encerrado em maio

Taxa de desemprego fica em 14,6% no trimestre encerrado em maio

A taxa de desemprego no país ficou em 14,6% no trimestre encerrado em maio deste ano, segundo dados divulgados hoje…
Padre Fábio de Melo brinca com o calor de Marabá e repercute nas redes sociais

Padre Fábio de Melo brinca com o calor de Marabá e repercute nas redes sociais

Segue com grande repercussão e mais de 7 mil comentários uma postagem feita pelo padre Fábio de Melo em 29…
Famosos e autoridades lamentam incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira

Famosos e autoridades lamentam incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira

Famosos usaram as redes sociais para lamentar o incêndio que atingiu o galpão da Cinemateca Brasileira, localizado na Vila Leopoldina, Zona Oeste de…
Justiça do Pará proíbe programação com show de Zé Vaqueiro em Melgaço, no Pará

Justiça do Pará proíbe programação com show de Zé Vaqueiro em Melgaço, no Pará

A Justiça do Pará proibiu a programação oficial de verão da prefeitura de Melgaço, no Marajó. Um show com o…