Correio de Carajás

Toni Vargas assume a Divisão de Homicídios

Depois de bom trabalho em Itupiranga, delegado Toni chefiará Departamento de Homicídios
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Vindo de Itupiranga, o delegado Toni Vargas assumiu, de fato, nesta quarta-feira (17) o Departamento de Homicídios da Polícia Civil em Marabá. Com cinco anos na instituição, o policial, que já passou pela cidade anteriormente, terá a incumbência de investigar os assassinatos que ocorrem no município e também na região, em casos de municípios que tenham pouca estrutura policial.

Na manhã de ontem, Toni recebeu a Imprensa de Marabá e falou sobre suas primeiras iniciativas à frente da especializada. Ao ser perguntado se irá ser o único delegado no departamento, ele confirmou que por enquanto assume sozinho, mas observou que já pediu a lotação de mais investigadores para auxilia-lo na investigação dos casos.

Delegado Toni também deixou claro que uma das ferramentas importantes que continuará sendo aliada no combate ao crime de homicídio é o Disque Denúncia, tanto porque garante o anonimato de quem denuncia quanto pela celeridade com que a informação chega às mãos do Departamento de Homicídios. “Acredito muito nesse instrumento”, resume.

Leia mais:

Toni Vargas assume a Delegacia de Homicídios em um momento em que os assassinatos deram uma certa diminuída (pelo menos em março), mas os números ainda são grandes. Se em março aconteceram quatro homicídios em Marabá, somente na primeira quinzena de abril foram registrados seis assassinatos. Todos esses casos já estão na mesa do delegado.

Ao ser questionado se terá condições de dar continuidade ao bom trabalho no desvendamento de homicídios em Marabá, que se percebeu desde a passagem do delegado Ivan Pinto da Silva à frente da especializada, delegado Toni respondeu, de forma cuidadosa, que o desafio é manter, no mínimo, o mesmo padrão de trabalho. Mas não fez promessa alguma.

“Eu posso dar o tratamento, mas a cura quem dá é a própria sociedade. Quando um crime ocorre é porque diversos outros órgãos da sociedade já falharam”, argumenta, acrescentando que o assassinato gera uma perda irreparável, pois é uma vida que se perde. “O que se busca, no jargão popular, é fazer justiça, esclarecendo como ocorreu o delito, de quem foi a autoria e a realização da prisão do autor”, observa.

Chagas Filho

Mais

Motorista embriagado é flagrado pela PRF na BR-222

Motorista embriagado é flagrado pela PRF na BR-222

Um homem foi detido pela Polícia Rodoviária Federal na tarde de domingo (9) ao conduzir uma motocicleta visivelmente embriagado, na…
Briga entre mulheres termina com uma esfaqueada

Briga entre mulheres termina com uma esfaqueada

Uma confusão na Vila Brejo do Meio, zona rural de Marabá, terminou com uma mulher esfaqueada e outra presa na…
Homem é assassinado no Residencial Magalhães

Homem é assassinado no Residencial Magalhães

Permanecia sem identificação até ontem (10), na câmara fria do Instituto Médico Legal (IML), o corpo de um homem que…
Parauapebas supera Marabá em criminalidade

Parauapebas supera Marabá em criminalidade

Dados recentemente cedidos pela Diretoria de Informática, Manutenção e Estatística da Polícia Civil do Estado do Pará ao Correio de…
Van e bitrem se envolvem em acidente na BR-158

Van e bitrem se envolvem em acidente na BR-158

Uma van e uma carreta bitrem se envolveram em um acidente na Rodovia BR-158, nas proximidades do distrito conhecido como…
Agressor de mulher se arma com facões e ganha spray de pimenta da PM

Agressor de mulher se arma com facões e ganha spray de pimenta da PM

Cosmo de Brito Lacerda deu trabalho para a Polícia Militar após agredir a companheira, na madrugada desta segunda-feira (10), na…