Correio de Carajás

Tênis de mesa: brasileiras são bronze na disputa por equipes em Tóquio

Foto: Fábio Chey/CPB

PARALIMPÍADA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

País encerra Jogos com três medalhas na modalidade, todas de mulheres

As brasileiro Daniele Rauen, Bruna Alexandre e Jennyfer Parinos asseguraram o bronze para o país na disputa feminina por equipes no tênis de mesa, classe 9-10 (deficiência física, com menor comprometimento físico-motor) na Paralimpíada e Tóquio (Japão). A terceira medalha do Brasil na modalidade nesta edição – Bruna faturou prata e Cátia Oliveira bronze – veio após a semifinal contra a Polônia na manhã de hoje (1). O trio foi superado pelas polonesas, por 2 a 0, e ficou com o bronze, pois não há disputa de terceiro lugar no tênis de mesa na Paralimpíada.  

Na primeira partida, Bruna e Danielle começaram bem, abriram vantagem de 4 a 2 contra Natalia Partyka e Karolina Pek, mas as adversárias viraram o placar e fecharam o set em 7/11.

Na parcial seguinte, as polonesas saíram na frente e controlavam o jogo, até que as brasileiras reagiram, empatando o set em 10 a 10, após um rali emocionante que evitou um set-point das rivais. O trio salvou ainda outros dois set-points, antes de virar o placar e fechar a parcial em 14/12.

Leia mais:

No terceiro set, as polonesas lideravam o placar por 6 a 2. A dupla brasileira se recuperou, forçando os erros das adversárias e equilibrando o jogo. Mas não durou muito: as polonesas voltaram a dominar. Bruna e Dani ainda salvaram três set-points, mas não foi o suficiente e as polonesas levaram a melhor por por 9/11, e também venceram o quarto set por 7/11.

“A gente está muito feliz. Sabíamos que ia ser muito difícil. O que sai de positivo é que a gente acreditou muito no trabalho em todo esse tempo. Conseguimos impor nosso jogo, conseguimos mudar o ritmo. Estou muito orgulhosa das meninas pelo que a gente fez aqui. Paris está aí. Estou muito grata por ser medalhista novamente, só coroou o trabalho que fiz, por tudo o que passei em todo esse tempo”, disse Danielle Rauen, em nota, referindo-se à primeira medalha de bronze, com a mesma equipe, na Rio 2016.

No jogo seguinte, Jennyfer Parinos sucumbiu diante da experiência de Natalia Partyka, uma classe 10 – uma acima da brasileira – que dominou o duelo do início ao fim, vencendo por 3 a 0 (0/11, 4/11 e 2/11).

“É muito emocionante conquistar essa medalha, depois do jogo das quartas de finais, em uma partida muito difícil. Tentei de tudo contra a Natalia, nossa estratégia era ganhar a dupla. Ela é de uma classe acima, foi melhor e venceu. Mas o importante é a medalha, estou muito feliz”, disse Jennyfer. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Marabá falha demais e Rondon acerta tudo

Marabá falha demais e Rondon acerta tudo

As seleções de Rondon do Pará e Bom Jesus do Tocantins vão decidir a Copa Carajás de Seleções. Bom Jesus…
Marabá decidirá vaga à final neste domingo

Marabá decidirá vaga à final neste domingo

Neste domingo (26), às 17h, no Estádio Zinho Oliveira, a Seleção de Marabá decide vaga na final da Copa Carajás…
Educação física se reinventa sem bola na volta às aulas

Educação física se reinventa sem bola na volta às aulas

Grande parte das atividades mais praticadas nas aulas de educação física antes da pandemia envolvia a bola, que sempre rolou…
Com jogadores do futebol inglês, Tite convoca seleção brasileira

Com jogadores do futebol inglês, Tite convoca seleção brasileira

O técnico Tite convocou, nesta sexta-feira (24), a seleção brasileira para os jogos contra Venezuela, Colômbia e Uruguai, que vão…
CBF divulga tabela detalhada das semifinais da Copa do Brasil

CBF divulga tabela detalhada das semifinais da Copa do Brasil

A diretoria de competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou nesta quinta-feira (23) a tabela detalhada dos confrontos das…
Revitalização do Ginásio Renato Veloso avança

Revitalização do Ginásio Renato Veloso avança

A obra de revitalização do Ginásio de Esportes “Renato Veloso”, localizado na Folha 16, na Nova Marabá, iniciou em agosto…