Correio de Carajás

Site distorce notícia de TV australiana para alegar que China testou o coronavírus como arma biológica

COMPROVA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Enganoso
Relato da jornalista Sharri Markson, do canal australiano de televisão Sky News, sobre livro escrito por cientistas militares chineses, não sustenta a afirmação de que a China teria testado o coronavírus como arma biológica cinco anos antes da pandemia. Para especialistas, evidências certificam que o novo coronavírus é natural, ou seja, não foi criado em laboratório.
  • Conteúdo verificado: Texto do site Terra Brasil Notícias afirma que um canal de TV australiano teria revelado documentos que mostram que a China testou o coronavírus como arma biológica, cinco anos antes da pandemia.

Não é verdade que documentos mostrem o coronavírus sendo testado como arma biológica pela China antes da pandemia, como alega um texto do site Terra Brasil Notícias que viralizou nas redes. O conteúdo distorce uma reportagem divulgada pelo canal australiano de televisão Sky News. Não existem evidências que sustentem essa afirmação.

O conteúdo faz referência a um comentário da jornalista Sharri Markson, em 9 de maio. Ela relata a existência de um livro escrito por cientistas militares chineses, em 2015, em que é discutida a possibilidade de utilização de patógenos como os coronavírus como estratégias de ataque. O fato de um trabalho acadêmico abordar o assunto, porém, não quer dizer que a China tenha investido na produção de armamento biológico.

Esse documento, a que o Comprova teve acesso, defende a tese controversa de que o agente causador da SARS teria sido criado por terroristas e lançado sobre o país asiático, em 2002. Essa afirmação é rebatida por evidências sólidas, desde 2003, e o consenso no meio científico é o de que a mutação se originou naturalmente em morcegos.

Leia mais:

A página que compartilhou a desinformação ainda usa o termo “coronavírus” de forma enganosa para promover a ideia de que o documento noticiado pela Sky News estaria falando sobre o agente causador da covid-19 antes mesmo do surgimento da pandemia, o que não é verdade.

O coronavírus tratado na obra é o Sars-Cov, responsável pela epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS, ou SRAG). A covid-19, por sua vez, é provocada pelo vírus Sars-Cov-2, agente que ficou conhecido popularmente como o “novo coronavírus” durante a pandemia.

Evidências apontam que tanto o Sars-Cov quanto o Sars-Cov-2 têm origem natural. Em relação ao segundo caso, a hipótese de construção artificial foi descartada por um estudo publicado na revista Nature ainda em março de 2020. Especialistas consultados pelo Comprova também refutam a tese de criação do vírus em laboratório.

Como verificamos?

O Comprova chegou ao vídeo original da jornalista Sharri Markson por meio de uma pesquisa simples no Google. O conteúdo está publicado no site oficial da Sky News, com o título “Documento chinês discutindo coronavírus como arma biológica fornece informações arrepiantes”.

A reportagem constatou que Sharri Markson apresenta um programa aos domingos no canal australiano de TV paga, que existe desde 1996. O assunto foi abordado primeiro em uma reportagem do jornal The Australian e também repercutiu em veículos internacionais, como o tabloide britânico The Sun e o chinês Global Times.

A checagem então comparou o texto divulgado pelo Terra Brasil Notícias com o relato de Sharri Markson na Sky News e verificou que o site brasileiro distorceu informações.

Em novas buscas, o Comprova encontrou uma reportagem do jornal South China Morning Post, de Hong Kong, que ouviu explicações de um dos principais autores do livro e menciona que a obra chegou a ser vendida na internet.

Com a ajuda de ferramentas gratuitas de tradução (Google Tradutor e DeepL), a reportagem conseguiu confirmar que o livro foi vendido na Amazon e chegou até a publicação original, compartilhada por usuários em uma plataforma de acesso aberto, em chinês.

O Comprova checou o nome e a filiação dos autores no livro e identificou uma das referências citadas pelo pesquisador chinês ao jornal de Hong Kong, um documento desclassificado do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

A equipe ainda pesquisou artigos científicos e notícias e entrevistou dois especialistas – Daniel Cláudio de Oliveira Gomes, doutor em Imunologia e professor do Núcleo de Doenças Infecciosas da UFES, e Flávio da Fonseca, virologista do departamento de Microbiologia da UFMG e presidente da Sociedade Brasileira de Virologia – para entender quais as melhores evidências científicas atualmente sobre a origem do Sars-Cov e Sars-Cov-2, além de contextualizar o assunto.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 14 de maio de 2021.

Verificação

O relato da jornalista da Austrália

Em 9 de maio, Sharri Markson afirmou em seu programa na Sky News que cientistas militares da China discutiram o uso de coronavírus como arma biológica em um documento de 2015. Segundo ela, a informação foi retirada de um livro escrito por cientistas do Exército da Libertação Popular da China e por altos funcionários de saúde pública do país.

O nome do livro é “The Unnatural Origin of SARS and New Species of Man-Made Viruses as Genetic Bioweapons” (A origem não natural da SARS e novas espécies de vírus criados pelo homem como armas biogenéticas). Ele foi editado por Xu Dezhong, um professor aposentado da Universidade Médica da Força Aérea (chefe de um grupo de especialistas que analisou a epidemia de Sars), e Li Feng, ex-vice-diretor do Escritório de Prevenção de Epidemias da China.

Em nenhum momento do vídeo Sharri Markson afirma que a China testou algum tipo de coronavírus como arma biológica. O seu relato sobre o documento não permite esse tipo de afirmação, assim como os trechos do livro mostrados na reportagem, nem existem provas até o momento de que isso seja verdade.

O livro mencionado na matéria defende uma tese controversa de que o vírus da SARS teria sido manipulado por terroristas e lançado em um ataque contra a China, em 2002. O material discute a possibilidade desse modelo de pesquisa estar sendo conduzido no mundo e traz detalhes de como um ataque dessa natureza ocorreria e quais seriam os impactos esperados.

Desde 2003, evidências sólidas apontam que o vírus da SARS surgiu em animais. Em 2017, virologistas chineses identificaram todas as “peças genéticas” que compõem o Sars-Cov humano em 15 cepas virais encontradas em uma caverna de morcegos — praticamente encerrando a questão, segundo a Scientific American.

A Sky News mostra cinco frases do livro. A primeira fala sobre a existência de uma “nova era de armas genéticas”. A segunda, sobre avanços científicos permitirem hoje o congelamento de agentes biológicos e a sua aerossolização durante ataques.

O terceiro trecho aborda condições apropriadas para a liberação de partículas, enquanto o quarto fala sobre as consequências esperadas e o efeito prolongado desse tipo de conflito. Por fim, um parágrafo aborda o terror psicológico que as armas biológicas podem causar na população. Nenhuma dessas frases indica que houve investimento da China na produção de armas biológicas.

Críticas ao artigo

A reportagem do The Australian repercutida pela Sky News recebeu críticas na China. O jornal Global Times, alinhado com o Partido Comunista Chinês, publicou uma nota afirmando que o veículo australiano escreveu um “artigo embaraçoso para sustentar uma teoria da conspiração de que a China investiu na criação do novo coronavírus como arma biológica anos antes da pandemia”.

O tabloide chinês critica o jornal por tratar como um “documento vazado” o que seria apenas “um livro acadêmico que explora o bioterrorismo e as possibilidades de vírus sendo usados ​​na guerra” que chegou a ser vendido na Amazon, ainda que esteja fora de estoque atualmente.

O Comprova confirmou que o livro esteve disponível para compra na Amazon, como aponta o Global Times. Com a ajuda do Google Tradutor, a reportagem pesquisou pelo título do livro em chinês e o encontrou em uma página no marketplace da empresa de varejo.

A Amazon informa que a obra foi publicada em agosto de 2015, pela Imprensa Militar de Ciências Médicas — uma editora chefiada pelo Exército da Libertação Popular da China e patrocinada pela Academia de Ciências Médicas Militares. Os principais autores são Xu Dezhong e Li Feng.

South China Morning Post, um jornal de Hong Kong, também publicou uma reportagem sobre o caso. Ele afirma ter entrado em contato com o principal autor do livro, Xu Dezhong, que declarou que a sua teoria sobre a origem não natural do vírus da SARS não foi levada a sério. Dezhong alegou ainda que parte dos trechos citados pela mídia australiana foram retirados de um capítulo que comentava sobre um documento desclassificado das Forças Armadas dos Estados Unidos.

O Comprova rastreou o documento pelo nome do autor, o coronel Michael Ainscough, do Centro de Contraproliferação da Força Aérea dos Estados Unidos. O artigo é intitulado “Next Generation Bioweapons: The Technology of Genetic Engineering Applied to Biowarfare and Bioterrorism” (A próxima geração de armas biológicas: a tecnologia de engenharia genética aplicada para a guerra química e o bioterrorismo).

A origem do novo coronavírus

A teoria de que o Sars-Cov-2 pudesse ter sido desenvolvido em laboratório se espalhou ainda no ano passado, com uma contribuição decisiva do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Evidências científicas, no entanto, apontam que o vírus que causa a covid-19 tem origem natural.

Ainda em março de 2020, em um estudo publicado na revista Nature, cinco pesquisadores dos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália concluíram que “a análise mostra claramente que o SARS-CoV-2 não é uma construção de laboratório ou um vírus propositalmente manipulado”.

Para chegar ao resultado, os pesquisadores compararam a estrutura genética do SARS-CoV-2 com a de outros vírus da mesma família. Os cientistas destacam que, se houvesse manipulação genética em laboratório, a estrutura do novo coronavírus seria parecida com a de outros organismos existentes, porque essas alterações partiriam de moldes conhecidos. “As informações genéticas mostram de maneira irrefutável que o SARS-CoV-2 não é derivado de nenhuma estrutura central de vírus usada anteriormente”.

Doutor em Imunologia e professor do Núcleo de Doenças Infecciosas da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Daniel Cláudio de Oliveira Gomes disse ao Comprova que estudos como o da Nature apontam que o Sars-Cov-2 tem um perfil de mutação muito semelhante a outros vírus naturais encontrados em morcegos, hospedeiros que podem guardar a origem do agente infeccioso da covid-19.

Os pesquisadores puderam chegar a essa conclusão, segundo ele, porque o Sars-Cov-2 tem um genoma pequeno (a informação genética do vírus), sendo possível fazer o sequenciamento genético e observar suas mutações. Essas alterações mostraram-se imprecisas, o que não é uma característica de vírus fabricados em laboratório. Estes, ao contrário, apresentam um elevado grau de precisão toda vez que replicam porque os genes podem ser selecionados.

“É como se montássemos um quebra-cabeças, colocando as peças onde queremos. Por isso, os vírus fabricados são tão precisos. Os naturais são imprecisos como qualquer vírus circulante”, compara Daniel Gomes.

Outra questão, apontada por Flávio da Fonseca, virologista do Departamento de Microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e presidente da Sociedade Brasileira de Virologia (SBV), é que tanto o Sars-Cov quanto o Sars-Cov-2 não têm cicatrizes em seus genomas. “Quando fazemos uma manipulação genética em qualquer pedaço de DNA, a gente utiliza ferramentas que deixam marcas, as cicatrizes”, diz Fonseca. “E nenhum dos vírus tem cicatriz que possa nos levar a pensar que ele foi manipulado geneticamente.”

Por que investigamos?

Em sua 4ª fase, o Comprova verifica conteúdos de redes sociais ligados à pandemia e a ações do governo federal. Priorizamos informações suspeitas que têm grande alcance, como o texto analisado nesta checagem.

Quando um conteúdo tenta associar um vírus que já matou mais de 3,3 milhões de pessoas no mundo todo — 430.596 só no Brasil– a armas biológicas e à China, ele tenta criar uma narrativa política, colocando pessoas contra o país asiático. O texto segue a linha de pensamento do presidente Jair Bolsonaro, que, em 5 de maio, entre outros ataques, sugeriu que a China está fazendo uma “guerra biológica” com a Covid.

O conteúdo verificado aqui, que teve mais de 4 mil interações e 2,8 mil compartilhamentos só no Facebook, segundo a ferramenta CrowdTangle, também coloca a população em risco, pois, ao fazer tal associação, sem nenhum embasamento científico, pode sugerir para que as pessoas não se vacinem com a Coronavac, produzida na China.

Como o virologista Flávio da Fonseca disse ao Comprova, “qualquer informação falsa é muito ruim para a ciência porque gera descredibilidade, desinformação e confusão”.

A postagem do site Terra Brasil Notícias também foi analisada pela Agência Lupa, que classificou o conteúdo como falso.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; aquele que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Desde 2020 o Correio de Carajás integra o Projeto Comprova, que reúne jornalistas de 28 diferentes veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas sobre políticas públicas e a pandemia de covid-19 compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens.

 

Comentários

Mais

Covid: Marabá inicia vacinação da população em geral no dia 19

Covid: Marabá inicia vacinação da população em geral no dia 19

A notícia mais esperada e sonhada pela população de Marabá finalmente foi confirmada na tarde desta quarta-feira (16) pela Prefeitura…
É falso que jogador dinamarquês tenha se vacinado antes de sofrer mal súbito

É falso que jogador dinamarquês tenha se vacinado antes de sofrer mal súbito

INVESTIGADO POR: VERIFICADO POR:   Leia mais: + Covid: Marabá inicia vacinação da população em geral no dia 19 + Estudo…
Estudo com hidroxicloroquina não comprova eficácia no ‘tratamento precoce’

Estudo com hidroxicloroquina não comprova eficácia no ‘tratamento precoce’

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR:  É enganosa postagem no Twitter que associa um estudo pré-publicado, portanto sem revisão dos pares, com…
Produtores de citrus, na região, precisam se cadastrar na Adepará

Produtores de citrus, na região, precisam se cadastrar na Adepará

Com o objetivo de realizar um trabalho preventivo e obter dados dos produtores de citrus – laranja, limão e tangerina…
Ao contrário do que afirma post, ivermectina em altas doses pode causar até convulsão

Ao contrário do que afirma post, ivermectina em altas doses pode causar até convulsão

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR: É enganosa postagem de médico no Twitter e no Instagram afirmando que a ivermectina é um…
Saiba quem não deve tomar a Sputnik V; Anvisa autorizou Pará a comprar vacina

Saiba quem não deve tomar a Sputnik V; Anvisa autorizou Pará a comprar vacina

A importação da vacina Sputnik V ao Pará, aprovada nessa terça-feira, 15, deverá ser realizada sob condições controladas. Por isso de acordo…