Correio de Carajás

Setembro Amarelo: Estudantes desenvolvem pesquisa sobre suicídio

Setembro Amarelo: Estudantes desenvolvem pesquisa sobre suicídio
Os resultados do projeto foram repassados em peças de teatro e apresentações musicais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Incentivados pelo professor Cleitinho Lima, cerca de 780 estudantes de duas escolas estaduais em Parauapebas – Eduardo Angelim Sede e Professora Marluce Massariol de Souza – se envolveram em um projeto da disciplina de Filosofia voltado a uma pesquisa para coleta de informações sobre suicídio, em referência ao Setembro Amarelo, uma campanha de conscientização sobre prevenção nestes casos.

“Não posso dizer que é um projeto mais importante que os outros que vêm sendo desenvolvidos, mas é um projeto ao qual demos atenção especial porque é algo que estamos vivendo nas duas escolas que trabalho, então eles fizeram a pesquisa com 780 pessoas sobre as causas e efeitos da depressão”, explica o professor. A depressão e o suicídio estão intimamente relacionados.

Os resultados do projeto, batizado de Superação, ainda renderam um momento de interação entre os estudantes, já que foram traduzidos em apresentações de teatro e música, durante esta semana. Os estudantes pesquisados têm idade entre 14 e 18 anos e muitos responderam conviver com sinais que podem levar ao suicídio.

Leia mais:

O resultado não surpreendeu a aluna Débora Cristina, por exemplo, que diz ter convivido com a depressão e saber que muitos jovens se isolam nesta faixa etária. “É uma notícia triste já que a maioria dos jovens relaciona a felicidade a muitas coisas e acaba se entristecendo por coisas comuns, querendo desistir. Passei por isso ano passado e não desejo pra ninguém”, comentou.

Ela destacou, ainda, a importância do projeto para que seja debatida na escola a valorização da vida. “É importante expor a cada jovem que vale a pena viver e que a vida é um presente do qual podemos desfrutar. Todo mundo passa por lutas, por provas, se entristece por alguma coisa e não é isso que vai nos fazer parar, temos que continuar a viver a nos alegrar com pequenas coisas como este evento hoje, entre amigos, cantando e se divertindo”, analisa, afirmando que conseguiu superar o problema por vias espirituais.

Os questionários foram aplicados e os dados compilados durante 33 dias. A psicóloga Natalia Galvão destaca a importância do Setembro Amarelo e opina que as ações deveriam ser estendidas ao demais meses, diante da gravidade do cenário, cujas taxas de suicídio vêm aumentando no país.

“Sabemos que o Brasil é o oitavo em número de suicídios e são ações importantes que devem continuar nos outros meses também porque não existe só esse mês de acontecimentos deste tipo. A depressão, a ansiedade, a indução suicida acontece direto e tem que haver campanhas nas escolas todos os meses falando sobre essa dificuldade e sobre o que os alunos estão enfrentando”, declarou.

Experiente na atuação em escolas, ela diz perceber que os adolescentes estão mentalmente fragilizados e precisam de apoio emocional, de amizades e do apoio familiar. “Este mês deveria levantar a bandeira da amizade porque é com o amigo que desabafo e com a família encontro apoio. Este mês deve ser sobre poder desabafar sem ouvir que se trata de frescura, que quer chamar a atenção. É uma corrente de amizade, de preocupação pela vida que temos que fazer neste mês e em todos os outros”.

A psicóloga destaca que a família deve estar sempre atenta aos sinais que apontem mudanças de comportamento, como isolamento. “A pessoa se isola no quarto, deixa de fazer atividades que eram prazerosas e agora não gosta mais, começa a faltar na escola, acha que as pessoas a estão julgando. Esse isolamento é uma característica que a família precisa observar. Tem gente que acha que é uma fase, mas chame e converse. Pergunte se ele pensa em suicídio, se está ansioso, se está nervoso. O pai e a mãe não podem falar que ele tá querendo chamar a atenção ou que é uma fase”, orienta.

Por fim, ela lembra que é imprescindível a busca por ajuda especializada. “Percebendo estes sinais, deve-se buscar ajuda psicológica ou até apoio psiquiátrico. É fundamental, ao observar estes sinais, procurar ajuda de especialistas, atentando para qualquer sinal de comportamento diferente do que a criança está habituada”, finaliza. (Luciana Marschall – com informações de Gabriele Penalber)

Comentários

Mais

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

As indenizações de cerca de 400 pessoas que alegam não ter sido contempladas com a criação do Parque Estadual da…
Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

No último dia 6 de junho uma decisão publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a suspensão de ordens ou…
Reflexões sobre depressão e suicídio

Reflexões sobre depressão e suicídio

Um jovem de 28 anos tirou a própria vida se atirando na direção de uma carreta em movimento. O caso…
Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

No ranking das dez piores ligações rodoviárias do País, boa parte das estradas está situada em regiões agrícolas, dificultando o…
Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

O Laboratório de Inflação e Custo de Vida de Marabá (Lainc), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará…
Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois…