Correio de Carajás

Sespa orienta sobre as principais espécies de barbeiros no Pará, transmissores da doença de Chagas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), por meio da Coordenação Estadual do Programa de Controle da Doença de Chagas e Coordenação Estadual de Entomologia, divulga orientações sobre as principais espécies de barbeiros no Pará, os insetos transmissores da doença. As recomendações fazem parte do material informativo a ser distribuído aos 13 Centros Regionais de Saúde da Secretaria e aos munícipios de abrangência.

A Sespa quer que o conteúdo seja difundido durante as ações de monitoramento do programa Chagas nos municípios. O material será incluído nas ações de treinamentos em investigação epidemiológica e entomologia, estratégias de educação em saúde e mobilização social.

O material descreve cinco tipos de insetos transmissores da doença, suas dimensões e distribuição geográfica pelo Brasil, sendo que todos são encontrados no Pará: Rhodnius pictipes; Triatoma rubrofasciata; Panstrongylus lignarius; Panstrongylus geniculatus e Eratyrus mucronatus. 

Leia mais:

O informativo ainda orienta a população sobre os procedimentos que devem ser tomados em caso de captura de barbeiros ou de espécies parecidas. Entre as recomendações, estão atitudes como não matar os insetos, mas levá-los vivos, em um pote com a tampa furada, para um Posto de Informação de Triatomíneo (PIT) ou para a Secretaria Municipal de Saúde, para que sejam encaminhados a laboratórios de entomologia para identificação e exame de infecção.

A Sespa ovserva também que junto ao pote, deve-se deixar o nome e telefone, para que posteriormente um agente de saúde possa dar retorno e repassar mais informações. “É fundamental que os municípios fortaleçam a vigilância do vetor (barbeiro) para monitorar a invasão dos insetos nas residências, controlar o processo de infestação no peridomicilio e trazer a população para auxiliar no processo de prevenção, imprescindível para a redução da transmissão vetorial da doença”, explica a coordenadora de Entomologia, Bárbara Almeida.

Para o coordenador do Programa de Controle da Doença de Chagas, Eder do Amaral Monteiro, as orientações promovidas aos profissionais de Saúde e população, em geral, compõem uma das estratégias que garantem a manutenção do cenário de queda do número de casos no Pará.

Em dois anos, houve uma redução na ordem de 26,31%. Em 2019, a Sespa registrou 285 casos confirmados e, no ano seguinte, 210. Em janeiro deste ano, já foram 18 casos registrados.

O papel da Sespa é de apoiar os municípios com assessoria técnica, por meio da capacitação dos profissionais, para que a rede de atendimento esteja articulada e funcione da melhor forma possível, o que garante diagnostico oportuno e tratamento imediato aos casos notificados.

O fluxo inclui o trabalho da Vigilância Sanitária, com o ensino das boas práticas na manipulação de alimentos. Pelo Plano Estadual de Intensificação das Ações de Controle da Doença de Chagas, a Sespa desenvolve atividades de Vigilância Epidemiológica, Sanitária, Pesquisa de Reservatórios, Vigilância Entomológica, Vigilância Laboratorial e Assistência.

Transmissão e sintomas – A doença de Chagas é transmitida pelo barbeiro infectado, que ao picar uma pessoa sadia deposita fezes contaminadas no ferimento, permitindo a entrada do parasito Trypanosoma cruzi na corrente sanguínea (transmissão vetorial).

A doença também pode ser transmitida por via oral, por meio de alimentos contaminados pelo Tripanosoma cruzy. A Transmissão congênita (mãe-bebe) também já foi identificada no Pará.

Na fase aguda, os principais sintomas são dor de cabeça, febre, cansaço, edema facial e dos membros inferiores, taquicardia, palpitação e dor no peito e falta de ar. Como os sintomas iniciais parecem com o de outras doenças, a pessoa deve procurar a unidade de saúde mais próxima de sua residência para atendimento médico imediato para fazer os exames de diagnostico.

O diagnóstico precoce é fundamental nos casos de doença de Chagas, pois quanto mais tempo leva para o paciente iniciar o tratamento, mais danos o parasito Trypanosoma cruzi causa no organismo, principalmente no coração e sistema digestivo.

Um paciente com suspeita da doença precisa ser logo notificado e imediatamente encaminhado para exame e início do tratamento, visando à redução das sequelas, uma vez que a doença de Chagas não tem cura.

Todo paciente agudo torna-se crônico com ou sem sequelas. E, embora a sorologia do paciente possa dar negativa para a doença após algum tempo, o parasito permanece no tecido e o estrago que faz no coração é irreversível. Por tudo isso, o paciente com Chagas recebe medicamento específico por dois meses e permanece sob acompanhamento pelo período de cinco anos na atenção básica municipal e, quando necessário, por especialista cardiologista, infectologista e gastroenterologista. (Agência Pará)

Comentários

Mais

Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Na noite desta terça-feira, dia 30 de novembro, a Escola do Legislativo de Marabá (Elmar) realizou o 6º Sarau Líteromusical,…
Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

O Pará contabilizou mais 695 casos de Covid-19 e 16 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

O ator Alec Baldwin declarou em entrevista para TV que não puxou o gatilho da arma que matou a diretora de fotografia Halyna…
MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

O Ministério da Educação (MEC) publicou nesta quarta-feira (1º) o edital com o cronograma e os procedimentos para participação das mantenedoras de…
HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

No Brasil, 694 mil pessoas estão em tratamento contra o HIV. Apenas neste ano, 45 mil novos pacientes iniciaram a…
Covid-19: OMS aponta baixa cobertura vacinal e testes insuficientes

Covid-19: OMS aponta baixa cobertura vacinal e testes insuficientes

O mundo enfrenta “uma mistura tóxica” que resulta da baixa cobertura vacinal contra a covid-19 e um nível de testagem…