Correio de Carajás

Serra das Andorinhas queima há mais de 30 dias

Para controlar os focos de incêndios florestais no Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas (Pesam) e na Área de Proteção Ambiental (APA) do Araguaia, no município de São Geraldo do Araguaia, uma força-tarefa vem sendo realizada por vários órgãos para combater o incêndio que já dura mais de 30 dias. A área tem gestão do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio). As ocorrências acontecem anualmente, por diferentes causas, que podem ser naturais ou criminosas.

O trabalho conta com o apoio do Corpo de Bombeiros de Marabá; Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), através do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Estado do Pará (Graesp); Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo/Ibama), através da Brigada Indígena Sororó; Grupo de Brigadistas Civil das comunidades do entorno do Parque, além de fazendeiros da região.

O incêndio foi favorecido pelas altas temperaturas, ventos fortes, acesso complicado ao local, e por se tratar de uma área onde o relevo é bastante acidentado. Todavia, os esforços em conjunto já contribuíram consideravelmente para a diminuição dos focos. Hoje, se encontram apenas dois, concentrados na região do Vale do Sucupira. A previsão é de que até este fim de semana o trabalho no local seja concluído.

Leia mais:

Além do trabalho de combate ao incêndio, a equipe do Corpo de Bombeiros identificou ilícitos ambientais cometidos dentro do Pesam, como a extração ilegal de um exemplar de Sapucaia. De acordo com o Gerente da Região Administrativa do Araguaia (GRA), do Ideflor-bio, Ernildo Serafim, essas situações também contribuem com outros direcionamentos, como a ação de fiscalização e monitoramento na área. “A equipe do Instituto direcionou a equipe para vistoria técnica, culminando na apreensão da madeira e todos os procedimentos legais”, informou. (Agência Pará)

Para controlar os focos de incêndios florestais no Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas (Pesam) e na Área de Proteção Ambiental (APA) do Araguaia, no município de São Geraldo do Araguaia, uma força-tarefa vem sendo realizada por vários órgãos para combater o incêndio que já dura mais de 30 dias. A área tem gestão do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio). As ocorrências acontecem anualmente, por diferentes causas, que podem ser naturais ou criminosas.

O trabalho conta com o apoio do Corpo de Bombeiros de Marabá; Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), através do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Estado do Pará (Graesp); Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo/Ibama), através da Brigada Indígena Sororó; Grupo de Brigadistas Civil das comunidades do entorno do Parque, além de fazendeiros da região.

O incêndio foi favorecido pelas altas temperaturas, ventos fortes, acesso complicado ao local, e por se tratar de uma área onde o relevo é bastante acidentado. Todavia, os esforços em conjunto já contribuíram consideravelmente para a diminuição dos focos. Hoje, se encontram apenas dois, concentrados na região do Vale do Sucupira. A previsão é de que até este fim de semana o trabalho no local seja concluído.

Além do trabalho de combate ao incêndio, a equipe do Corpo de Bombeiros identificou ilícitos ambientais cometidos dentro do Pesam, como a extração ilegal de um exemplar de Sapucaia. De acordo com o Gerente da Região Administrativa do Araguaia (GRA), do Ideflor-bio, Ernildo Serafim, essas situações também contribuem com outros direcionamentos, como a ação de fiscalização e monitoramento na área. “A equipe do Instituto direcionou a equipe para vistoria técnica, culminando na apreensão da madeira e todos os procedimentos legais”, informou. (Agência Pará)

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.