Serra das Andorinhas ganha aplicativo para fomentar ecoturismo
Cachoeiras são o principal atrativo da Serra das Andorinhas, mas há muito mais para visitante descobrir /FOTO: ASCOM IDEFLOR-BIO
Ads

Nesta terça-feira, dia 27 de agosto, a Fundação Casa da Cultura de Marabá será palco do lançamento do aplicativo “Viajando nas Trilhas da Fundação Serra das Andorinhas”. A apresentação do App ocorre durante uma mesa redonda que terá a presença do professor doutor Luís Catarino, botânico da cidade de Lisboa, em Portugal, juntamente com sua esposa, professora doutora Fátima dos Santos, também portuguesa, que é engenheira de informática e diretora do curso de Multimídia, Externato de Penafirme em Torres Vedra, Portugal. O evento acontece às 15 horas, com participação de pesquisadores da Fundação Casa da Cultura, UEPA e Unifesspa.

Ads

Em entrevista exclusiva ao Portal CORREIO DE CARAJÁS, Luís Catarino contou como se apaixonou tecnicamente pelo Parque Estadual da Serra dos Martírios-Andorinhas (Pesam), situado no município de São Geraldo do Araguaia e passou a estudar sua biodiversidade em companhia de outros pesquisadores brasileiros.

Catarino conta que começou a vir ao Brasil há cerca de quatro anos como membro do projeto denominado Odyssea, que envolve instituições de pesquisas de vários países, como França, Inglaterra, Áustria, Albânia, mas também de universidades do Brasil.

Maricélio, Luís Catarino, Fátima dos Santos e Lucas Sousa dão retoques finais ao aplicativo de trilhas no Pesam

O projeto Odyssea é financiado pela Comissão Europeia através da ação MSCA RISE no âmbito do programa Horizonte 2020, apoiando financeiramente a mobilidade de pesquisadores europeus para o Brasil. A rede é formada por cerca de 35 projetos de pesquisa de cooperação bilateral entre Europa e o Brasil e tem a duração de quatro anos. Ele reúne várias redes brasileiras e internacionais para responder da melhor maneira aos desafios do desenvolvimento sustentável, a fim de apoiar políticas públicas e organizações sociais, de saúde e meio ambiente na Amazônia. “Mas, sobretudo, esse projeto faz intercâmbio de pesquisadores europeus e brasileiros de várias instituições, como Embrappa Amazônia Oriental e Universidade Rural da Amazônia”, explica Luís Catarino.

Ele está em afinidade também com o Iderflor-Bio (Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará), que faz a gestão do Parque Serra das Andorinhas, criado há 23 anos, em parceria com pesquisadores portugueses. “Neste parque, eu participo de um projeto sobre a flora e a visitação. Para isso, conto com parceria de colegas da Embrappa e do Museu Emilio Goeldi, de Belém”, revela.

Segundo Catarino, a relação com a Fundação Casa da Cultura de Marabá ocorreu mais recentemente, na gestão da presidente Vanda Américo, numa ponte com o Ideflor-Bio.

Conforme as pesquisas avançavam na Serra das Andorinhas, Catarino conheceu o biólogo Maricélio Guimarães, que àquela altura trabalhava no Ideflor. “Na ocasião, eu preparava um conjunto de materiais para divulgação sobre o parque e trocamos informações sobre o assunto e chegamos à conclusão que seria interessante produzir um aplicativo para promover a visitação do parque de forma sustentável”, relembra.

O APLICATIVO

Em relação ao aplicativo “Trilhas Virtuais”, Catarino ressalta que ele terá foco exclusivo nas trilhas que os visitantes podem fazer no imenso parque da Serra das Andorinhas, com roteiro para cavernas, cachoeira Véu de Noiva, Casa da Pedra, entre outras atrações que são desconhecidas para muitas pessoas. “Elas são georreferenciadas e há fotografias das variadas paisagens disponíveis para que o usuário do APP possa saber como chegar até elas e tenham informações sobre o local, espécies de animais e plantas e outros interesses”.

Mas Luís Catarino também destaca a importância de os visitantes recorrerem ao apoio dos guias do parque, que estão capacitados para conduzirem em todas as áreas. “A construção do aplicativo começou há alguns meses e estamos na reta final. Ele conta a participação fundamental de minha companheira, Fátima Santos, e aqui em Marabá temos o apoio de várias pessoas da Fundação Casa da Cultura, entre os quais Maricélio e o jovem Lucas Sousa. Contamos também com a colaboração da gestora do parque, Evandra Vilacoert. Nesta terça-feira vamos ter uma sessão de visualização do aplicativo, em que vamos mostrar os conteúdos e ainda para obtermos sugestões das pessoas. Posteriormente, ele estará disponível nas lojas virtuais para serem baixados gratuitamente”. (Ulisses Pompeu)

Ads