Correio de Carajás

Serena Williams afirma ser desvalorizada como mulher negra no tênis

Foto: Reuters
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Serena Williams disse que recebeu menos e foi “desvalorizada” como mulher negra no tênis, elogiando o movimento Black Lives Matter (vidas negras importam, em tradução livre) por evidenciar o racismo enraizado. As declarações da tenista foram dadas à revista Vogue.

A estrela norte-americana, que conquistou 23 títulos de Grand Slam, falou abertamente sobre sexismo e racismo durante sua carreira, disse que a tecnologia também teve um papel fundamental para destacar a discriminação racial e a violência.

“Agora, nós, como negros, temos uma voz [e a tecnologia tem sido uma grande parte disso]”, afirmou em entrevista à edição de novembro da Vogue britânica.

Leia mais:

“Vemos coisas que estiveram escondidas por anos, as coisas pelas quais nós, como pessoas, temos que passar. Isso vem acontecendo há anos. As pessoas simplesmente não conseguiam pegar seus telefones e gravar isso antes”, declarou.

“Acho que, por um minuto, eles [os brancos] começaram, não a entender, porque não acho que se possa entender, mas eles começaram a ver”, acrescentou.

“Eu estava tipo: bem, você não viu nada disso antes? Tenho falado sobre isso durante toda a minha carreira. Tem sido uma coisa após a outra”, afirmou a tenista.

Serena está entre as estrelas mais conhecidas e bem-sucedidas do tênis mundial, junto com sua irmã Venus, e já destacou repetidamente o preconceito que enfrentou dentro e fora das quadras.

Ela boicotou o Torneio de Indian Wells por 14 anos depois de receber comentários racistas em 2001, um incidente que ela disse tê-la deixado chorando no vestiário por horas.

Em 2018, ela denunciou um ato de sexismo após perder um ponto por quebrar sua raquete em ato de frustração no US Open. Essa denúncia foi elogiada pela pioneira do tênis feminino Billie Jean King, que afirmou que Serena expôs um “padrão duplo” para as jogadoras.

Além disso, Williams, de 39 anos, disse à Vogue britânica que tem orgulho de representar “belas mulheres negras” e espera que as atitudes possam mudar gradualmente.

“Talvez isso não melhore a tempo para mim, mas alguém na minha posição pode mostrar às mulheres e pessoas negras que temos uma voz, porque Deus sabe que eu uso a minha”, concluiu. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Ex-Águia vira herói do Atlético Mineiro

Ex-Águia vira herói do Atlético Mineiro

O prêmio era R$ 50, para ajudar no bolso. Valia jogar três partidas no sábado, outras três no domingo. O…
Mais de 100 alunos participam do Festival Paralímpico em Marabá neste sábado

Mais de 100 alunos participam do Festival Paralímpico em Marabá neste sábado

Neste sábado, dia 4 de dezembro, 103 estudantes de Marabá participam da 3ª edição do Festival Paralímpico, evento organizado pelo…
Cristiano Ronaldo ultrapassa marca de 800 gols na carreira

Cristiano Ronaldo ultrapassa marca de 800 gols na carreira

Cristiano Ronaldo ultrapassou a marca de 800 gols na carreira, nesta quinta-feira (2), ao balançar as redes duas vezes na…
Atlético vence Bahia e é campeão brasileiro após 50 anos

Atlético vence Bahia e é campeão brasileiro após 50 anos

Acabou o sofrimento do torcedor do Atlético-MG no Brasileirão. Após 49 anos, 11 meses e 14 dias, a taça nacional…
Parauapebas perde em casa e dá adeus ao sonho do acesso

Parauapebas perde em casa e dá adeus ao sonho do acesso

O Parauapebas FC perdeu para o Caeté pelo placar de 1 a 0 na decisão da segunda vaga na final…
Samuel Cândido assume herança de João Galvão com desafios

Samuel Cândido assume herança de João Galvão com desafios

A diretoria do Águia de Marabá Futebol Clube apresentou oficialmente, nesta quarta-feira (1º), o novo técnico do time. Trata-se de…