Correio de Carajás

Semana Santa: Preço do pescado dispara nas feiras de Parauapebas

Foto: Tina Santos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Manter a tradição de comer peixe na Semana Santa está saindo caro para a população de Parauapebas. O preço do pescado disparou nas feiras e mercados da cidade.

Até o tambaqui, que tem produção local em cativeiro e sempre é vendido a preço mais em conta em relação às espécies importadas de outros municípios do Estado, como Belém e Tucuruí, teve o preço majorado de R$ 12,00, a média, para R$ 15,00 e até R$ 18,00.

Este ano, o município não realizou nenhuma programação para oferecer pescado a preço mais em conta ao consumidor, como as tradicionais feiras de Peixe Vivo, onde espécies criadas em cativeiro, como tambaqui, tilápia e pacú, saem a preço de custo.

Leia mais:

Quem gosta de comer peixe de água salgada, vai ter que desembolsar mais da metade do preço pago pelo quilo na Semana Santa do ano passado.

A pescada amarela, muito apreciada, está à venda no mercado local em uma média de R$ 30,00 a R$ 35,00 o quilo. A dourada, outra espécie que é comprada em Belém para ser revendida aqui, também está o preço bastante salgado.

O quilo do peixe está sendo vendido de R$ 20,00 a R$ 25,00 nas feiras da cidade. O tucanaré, que vem de Tucuruí para ser revendido na cidade, saltou de R$ 12,00 e R$ 15,00 o quilo, média de preço praticada nas feiras locais dependendo do tamanho do peixe, para R$ 20,00 a R$ 22,00.

A piabanha, espécie criada em cativeiro, teve o preço majorado de R$ 16,00 para R$ 20,00. De acordo com os vendedores, os preços estão mais caros devido ao aumento no custo de frete e de combustível, da mesma forma como o aumento do preço do quilo comprado dos atravessadores ou produtores.

“Se a gente fosse jogar na ponta do lápis toda despesa gasta com o transporte e armazenamento do pescado, o valor seria ainda mais alto. No entanto, a gente perde um pouco, para poder oferecer um preço que dê para o consumidor comprar”, argumenta Valdo Aguiar, que vende peixe há cinco anos.

Para os católicos que gostam de manter a tradição de se alimentar de peixe durante a Semana Santa, especialmente na Sexta-feira Santa, o jeito é pesquisar e procurar espécies mais baratas. Alex Terfino optou em comprar tambaqui.

“É uma espécie que tem a carne saborosa e está mais barata. Antes a gente lá em casa comprava dourada ou pescada amarela, para o almoço da Sexta-Feira Santa, mas agora o preço está muito alto e não tem mais como comprar”, ressalta Alex.

Segundo os vendedores, com uma coisa o consumidor pode ficar tranquilo, não vai faltar peixe para quem quiser comprar. Todos fizeram estoque para abastecer com folga o mercado local até domingo. (Tina Santos)

 

Comentários

Mais

Efeito Olimpíadas? Busca por skate cresce mais de 600% no e-commerce

Efeito Olimpíadas? Busca por skate cresce mais de 600% no e-commerce

Os Jogos Olímpicos de Tóquio estão mexendo com as emoções dos brasileiros – e com o bolso. Quem diz isso são os…
Frase de Cármen Lúcia de 2018 é tirada de contexto para afirmar que Lula não poderá se candidatar em 2022

Frase de Cármen Lúcia de 2018 é tirada de contexto para afirmar que Lula não poderá se candidatar em 2022

Enganoso Montagem engana ao trazer parte de uma frase dita pela ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Cármen Lúcia, em…
Site engana ao afirmar que Anvisa ‘confessa ineficácia de máscaras’ contra a covid

Site engana ao afirmar que Anvisa ‘confessa ineficácia de máscaras’ contra a covid

Enganoso É enganosa a publicação em um site conservador brasileiro afirmando que “Anvisa confessa ineficácia de máscaras e diz se…
É enganoso o tuíte que acusa Bolsonaro de acabar com o Bolsa Atleta

É enganoso o tuíte que acusa Bolsonaro de acabar com o Bolsa Atleta

Enganoso É enganosa postagem que aponta para o fim do programa Bolsa Atleta no governo Bolsonaro em 2020. No ano…
Legislação contra violência doméstica fica mais dura para agressores

Legislação contra violência doméstica fica mais dura para agressores

O Diário Oficial da União traz hoje (29) a Lei 14.188/2021, que prevê que agressores sejam afastados imediatamente do lar ou do local de convivência com a mulher em casos de risco…
Anvisa alerta sobre casos raros de Guillain-Barré após vacinação

Anvisa alerta sobre casos raros de Guillain-Barré após vacinação

Casos raros de síndrome de Guillain-Barré (SGB) após a vacinação contra covid-19 têm sido relatados em diversos países, inclusive no…