Correio de Carajás

São Félix Pioneiro: Marcha das Mulheres reivindica os direitos delas

Foto: Evangelista Rocha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Reivindicar as principais carências relacionadas a políticas voltadas para mulheres no município de Marabá é o objetivo da marcha que ocorre na manhã desta sexta-feira, 8 de Março, quando é lembrado o Dia da Mulher, conforme o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim). O tema deste ano é “Rompendo o Ciclo da Violência Contra a Mulher”, o que não se refere apenas à violência doméstica, como pode parecer em um primeiro olhar desatento.

Conforme a presidente do Comdim, a ideia do ato, que tem início às 7 horas na praça do Bairro São Félix Pioneiro, é levantar questionamentos e discussões sobre a importância da data. “É um dia de luta, da gente celebrar as conquistas, claro, mas de não podermos esquecer que ainda temos uma pauta muito grande de lutas a serem enfrentadas para ter trabalho, equidade salarial, mesmas condições de vida, dizer não à violência que vivemos, que é muito grande”, afirma.

Destaca, por exemplo, bandeira levantada há tempos pela entidade e ainda não atendida: o funcionamento 24 horas da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) e atendimento humanizado junto ao Instituto Médico Legal (IML). “Queremos que a Delegacia da Mulher funcione em regime integral, com plantões. Queremos um IML humanizado para atender essa mulher quando ela chega em situação de violência. Tivemos Propaz implantado ano passado, mas não está dentro dos padrões que aquilo que o Comdim, a Coordenadoria (Especial de Políticas Públicas para as Mulheres do Município) e os movimentos de mulheres solicitaram, reivindicaram. Então precisamos continuar perseguindo os objetivos de dar condições de vida digna às mulheres de Marabá”, destaca.

Leia mais:

Claudia Cilene, representante do Centro de Integração Social do Bairro Liberdade, diz que a entidade levará as mulheres daquela região e da Marabá Pioneira para o outro lado da ponte rodoferroviária do Rio Tocantins para participação da marcha. “Além de reivindicar os direitos, vamos fazer um almoço através do Comdim e as instituições envolvidas para que, após essa longa caminhada, tenha um almoço especial para elas”, diz.

Ela ressalta a importância de a marcha ser realizada fora do centro da cidade neste ano. “Lá (Complexo São Félix e Morada Nova) não tem creche integral para que possam trabalhar e é uma reivindicação que elas irão fazer para que possam trabalhar com a tranquilidade de saber que os filhos estarão bem cuidados. Para nós, as coisas já são difíceis, mas para o lado de lá (da ponte), ainda tem muito mais coisa que precisa avançar”.

Monalisa Miranda, representando do Hosana Lopes de Abreu, também destaca que é a primeira vez que aquele setor é priorizado para a caminhada nesta data. “Nós conclamamos que todas aquelas mulheres dos residenciais e bairros venham para a caminhada porque é um momento único para elas estarem realizando suas reivindicações e dizendo o que aquela comunidade precisa. Temos trabalhado muito a questão da violência, graças a Deus temos batido muito nesta tecla e tivemos grandes avanços, como a criação da rede que favoreceu às mulheres”, observou.

Rosalina Pereira Izoton, da Associação de Mulheres Arco-Íris da Justiça, fala sobre a necessidade de se melhorar também o atendimento da saúde para a mulher. “É um dia de luta das mulheres, de buscar – de fato e de verdade – nossos direitos. Nós atuamos nesta área e analisamos que em Marabá ainda há problemas, como a saúde da mulher que ainda é precária, a questão da segurança pública para mulheres, nossa Deam que não tem plantão aos finais de semana, feriados e à noite, momentos em que as mulheres mais são vitimadas pelos companheiros”, cita.

Por fim, ressalta que as entidades levarão seus e, antes de iniciada a marcha, haverá uma aula de zumba para aquecimento, além de uma oração e benção realizada pelo bispo Dom Vital Corbellini. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Noemi Gerbelli, a diretora Olívia de 'Carrossel', morre aos 68 anos

Noemi Gerbelli, a diretora Olívia de 'Carrossel', morre aos 68 anos

Noemi Gerbelli, atriz que ficou conhecida, entre outros trabalhos, como a diretora Olívia da novela “Carrossel” (2012/2013), morreu aos 68…
Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Na noite desta terça-feira, dia 30 de novembro, a Escola do Legislativo de Marabá (Elmar) realizou o 6º Sarau Líteromusical,…
Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

O Pará contabilizou mais 695 casos de Covid-19 e 16 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

O ator Alec Baldwin declarou em entrevista para TV que não puxou o gatilho da arma que matou a diretora de fotografia Halyna…
MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

O Ministério da Educação (MEC) publicou nesta quarta-feira (1º) o edital com o cronograma e os procedimentos para participação das mantenedoras de…
HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

No Brasil, 694 mil pessoas estão em tratamento contra o HIV. Apenas neste ano, 45 mil novos pacientes iniciaram a…