Correio de Carajás

Rio Parauapebas baixa e aos desabrigados resta esperar

Rio baixou para 9,20 metros, dando mais tranquilidade a quem vive próximo das águas/Fotos: Ronaldo Modesto
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Israel de Souza Silva mora na última casa da Olavo Bilac, no Bairro Liberdade II, próxima ao Rio Parauapebas. Com as fortes chuvas que caíram na última semana o nível das águas subiu e atingiu 9.35 metros no último sábado (20), cinco acima do normal. Ainda de madrugada, o morador percebeu que seria “engolido” pela inundação caso não agisse rapidamente e tratou de acionar a Defesa Civil.

“Não cheguei a perder nada porque eu chamei logo o pessoal da Defesa e eles foram me auxiliar. Na madrugada, quando eles foram, a água ainda estava um pouco distante, mas aí quando foram a segunda vez, de manhã cedo, já foi pra pegar minhas coisas”, conta.

Israel diz estar acostumado com a inundação e aguarda poder retornar para casa

Agora, ele está acomodado na Escola Municipal Eduardo Angelim, onde divide espaço com quatro famílias também removidas no final de semana, algumas em decorrência de deslizamentos de terra.

Leia mais:

Israel diz estar acostumado a passar por essa situação anualmente e sempre retorna ao lar quando o rio baixa. Para ele, o mistério é saber quanto tempo permanecerá fora da casa.

“No momento tá embaixo d’água porque eu moro num barraco próximo do rio mesmo. Todo ano tem os problemas de enchente e sou um dos primeiros a sair de lá, até que demorou um pouco este ano”, diz, revelando ser a quarta vez que fica desabrigado.

Na escola já recebeu uma cesta básica do município, além de ter sido submetido ao teste de covid-19. Nesta segunda-feira (22), quando o rio já havia baixo para 9,20 metros, também foi encaminhado para cadastro junto à Secretaria Municipal de Assistência Social de Parauapebas, que irá avaliar quais famílias precisarão de aluguel social. 

Francisco Furtado também foi cadastrado. A realidade dele é mais complexa e o futuro ainda mais incerto, isso porque a casa onde a família vivia há oito anos, na Rua Rogério Cardoso, também no Bairro Liberdade II, foi condenada pela Defesa Civil por risco de desabamento. 

Francisco teve a casa condenada pela Defesa Civil

“Começou a acontecer um deslizamento do barranco e a minha casa fica em cima do morro. Eu vi que tava chegando muito próximo, desmoronamento, aí acionei a Defesa Civil. Imediatamente responderam, viram a situação e acharam que a gente evacuasse a área”, relata. Segundo ele, outras duas residências vizinhas também foram interditadas.

“Agora estamos à disposição, primeiramente de Deus e de quais medidas vão tomar, para saber quanto tempo a gente vai ficar aqui, mas agradeço a gente ainda ter um lugar pra vir”, afirma. As famílias removidas assinaram um termo se responsabilizando caso insistam em retornar para os imóveis condenados.

Desde 2019 são mapeadas 91 áreas de risco em Parauapebas e, destas, mais de 60 são propensas a deslizamentos. Conforme a assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal de Parauapebas, a concessão de aluguel social será avaliada caso a caso.

Por conta das chuvas intensas, ainda no sábado a Defesa Civil também interditou duas pontes sobre o Igarapé llha do Coco, que corta o município. Uma das estruturas fica localizada na Rua 10 e interliga os bairros União e Liberdade. A outra está localizada na Rua 11 e também dá acesso ao Bairro Liberdade.

A Defesa Civil recomenda atentar-se aos sinais de deslizamento, evitar-se falar ao celular com o aparelho ligado à tomada e guardar pertences pessoais, como documentos e dinheiro, em sacolas plásticas, o que pode facilitar uma locomoção mais rápida em caso de necessidade.

Emergências e situações adversas devem ser relatadas pelos números da Defesa Civil – 199 e (94) 3356-2597. (Luciana Marschall – com informações de Ronaldo Modesto)

Comentários

Mais

Pandemia afeta em cheio a maior festa popular de Marabá

Pandemia afeta em cheio a maior festa popular de Marabá

Pelo segundo ano consecutivo, não serão permitidos festejos juninos em Marabá, por causa da pandemia do coronavírus. A decisão foi…
Hemopa registra 6% de aumento no número de bolsas coletadas, entre abril e maio de 2021

Hemopa registra 6% de aumento no número de bolsas coletadas, entre abril e maio de 2021

O Luiz Gustavo tem seis anos e assim como muitos meninos da sua idade, adora jogar futebol. Mas a Beta…
Artista visual marabaense expõe obras oxidadas por grades de ferro

Artista visual marabaense expõe obras oxidadas por grades de ferro

A Fundação Casa da Cultura de Marabá recebe, a partir das 9 horas desta terça-feira, 15, a Exposição “Rendas de…
Tudo sobre foguete gigante da Nasa que vai levar astronautas à Lua e a Marte

Tudo sobre foguete gigante da Nasa que vai levar astronautas à Lua e a Marte

A Nasa tem planos de enviar um homem e uma mulher à superfície lunar ainda nesta década — será o…
Servidor da Cadeia de Parauapebas responde processo por disparo de arma

Servidor da Cadeia de Parauapebas responde processo por disparo de arma

O corregedor-geral penitenciário do Pará em exercício Vitor Ramos Eduardo instaurou Processo Administrativo Disciplinar visando apurar responsabilidade administrativa e funcional…
Posts exageram impacto da doação de máquinas israelenses que produzem água

Posts exageram impacto da doação de máquinas israelenses que produzem água

Imvestigado por: Verificado  por: Enganoso Posts enganam ao insinuar que, sob a gestão de Bolsonaro, o sertão brasileiro vai se…