Correio de Carajás

Repórter Correio 20/02/2021

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Dá-lhe reajuste

O quarto reajuste dos combustíveis no ano começou a vigorar ontem (19), “na refinarias”, mas chegou imediatamente em muitos postos de Marabá, que amanheceram o dia com a gasolina comum entre R$ 5,29 e R$5,49 o litro, ou seja, aumento acumulado de R$ 0,80 a R$ 1,00, isso mesmo, nos últimos 20 dias na área urbana.

Dá-lhe reajuste II

Leia mais:

Segundo o governo, o preço médio de venda de gasolina nas refinarias da Petrobras passou a ser de R$ 2,48 por litro, refletindo aumento médio de R$ 0,23 por litro. Já o preço médio de venda de diesel passou a ser de R$ 2,58 por litro, refletindo aumento médio de R$ 0,34 por litro. É a quarta alta do ano nos preços da gasolina, e a terceira no valor do litro do diesel. Em dezembro, o litro da gasolina custava em média R$ 1,84. Já o do diesel saía a R$ 2,02. Com os novos reajustes, o litro da gasolina nas refinarias acumula alta de 34,78% desde o início do ano. Já o diesel subiu 27,72% no mesmo período.

Reinfecção

Um estudo desenvolvido pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) indica que o primeiro caso de reinfecção do covid-19 no Brasil ocorreu em julho do ano passado, e não em outubro, como acreditava o Ministério da Saúde (MS). O Departamento de Medicina da UFS identificou a reinfecção em uma profissional de saúde de Aracaju, capital sergipana. O intervalo entre o primeiro e o segundo contágios foi de 54 dias, tendo a reinfecção sido por uma variante do vírus.

Reinfecção II

O intervalo de aproximadamente dois meses foi curto, menor do que os 90 dias estimados pelo Ministério da Saúde para uma reinfecção. Por isso, foi necessário analisar o genoma viral da paciente. A existência de sequências genômicas filogenéticas diferentes nas duas amostras comprovou que se tratava de uma reinfecção.

Cobertura vacinal

A Universidade do Estado do Pará (Uepa) participa do Inquérito Nacional de Cobertura Vacinal em parceria com o Instituto Evandro Chagas (IEC), Coordenação Municipal de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) e Coordenação Estadual de Imunizações da Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa). A ação durará seis meses e se estenderá até julho de 2021. Segundo o Ministério da Saúde, em função da redução da cobertura vacinal observada no país por causa do isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o Programa Nacional de Imunização (PNI) propôs a realização do inquérito tendo como objetivo observar o quadro vacinal de crianças com idade entre 12 e 24 meses, que moram nas áreas metropolitanas de 19 capitais e em Brasília, no Distrito Federal.

Cobertura vacinal II No Pará, a coordenação será do IEC, por meio de uma equipe chefiada pela pesquisadora e professora da Uepa, Consuelo de Oliveira. As visitas domiciliares serão executadas pela Sociedade para o Desenvolvimento da Pesquisa Científica (SCIENCE). Entre as coberturas vacinais que serão investigadas estão a BCG, Hepatite B, Poliomielite, Pentavalente, Rotavirus Humano, Febre Amarela, Meningococo conjugada C, Pneumococo conjugado 10 valente, Influenza, Hepatite A, Tríplice Viral, Varicela e reforço para DPT.

Covid em Marabá

Após vários dias sem vagas de UTI em Marabá, ontem a situação passou a dar mostras de esperança: era de…

Repórter Correio

Covid no Pará Até esta sexta-feira, dia 7, de acordo com a Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa), eram…

Covid em Marabá

Covid em Marabá Os leitos de UTI seguem com 100% de ocupação em Marabá, ou seja, 50 em 50 existentes.…

Repórter Correio

Enchente Embora lentamente, o nível do Rio Tocantins voltou a apresentar baixa e ontem estava em 8,34 metros acima do…

Repórter Correio

Covid no Pará O balanço da Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa) divulgado nesta sexta-feira (30/4), sobre a covid-19…

Repórter Correio

Alok no Pará Tido como o DJ mais importante, conhecido e requisitado do mundo, o brasileiro Alok está no Pará.…