Correio de Carajás

Redução de açúcar nos alimentos é pontual e precisa de complementos

Açúcar — Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma redução gradativa na quantidade de açúcar foi acordada entre o Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e associações produtoras ligadas à indústria dos alimentos. A proposta é reduzir até 33,8% do açúcar em refrigerantes, até 32,4% para bolos, e até 10,5% para os achocolatados.

Apesar dos percentuais expressivos divulgados pelo governo federal, a redução atinge de forma distinta cada marca e produtos bastante conhecidos do consumidor não necessariamente precisarão reduzir a concentração do ingrediente (veja mais abaixo).

Segundo especialistas, a medida é um avanço, mas é pontual. “O Brasil é o quarto país que mais consome açúcar no mundo. Foi uma tentativa do governo de controlar, assim como ele tentou com o sal também. A redução equivale a 1,5% da ingestão total de açúcar para as pessoas, então, se a gente pensar ainda é pouco”, afirma o endocrinologista Renato Zilli, do hospital Sírio Libanês, as metas são “um começo”.

Leia mais:

O acordo busca contribuir no combate a doenças associadas ao consumo do açúcar e a obesidade. Os dados mais recentes, de setembro deste ano, apontam que 22% da população é obesa. O brasileiro, segundo comenta o ministério, consome 50% a mais do que a recomendação da Organização Mundial da Saúde – tem uma média de ingestão de 80 gramas de açúcar por dia.

A meta é chegar a uma redução de 144 mil toneladas de açúcar nos próximos 4 anos em bolos, misturas para bolos, produtos lácteos, achocolatados, refrigerantes, e sucos, entre outros produtos

As associações se comprometem a realizar estudos para avaliar a possibilidade de uma nova programação para a redução gradual do açúcar nos quatro anos seguintes a 2022. Elas também devem avaliar a inclusão de novas categorias para o projeto com base em evidências científicas.

O acordo diz, também, que não haverá transferência de recursos por meio do termo de compromisso. Cada órgão e empresa deverá arcar com as próprias despesas.

Metas de redução do açúcar nos alimentos — Foto: Arte/G1
Metas de redução do açúcar nos alimentos — Foto: Arte/G1

A estratégia é suficiente?

Cada produto disponível no mercado por categoria tem uma quantidade diferente de açúcar. O ministério divulgou a porcentagem máxima que poderá ser reduzida. No caso dos refrigerantes, cerca de 30%. A Coca-Cola, um dos principais produtos da categoria, tem 11g/100ml. Ou seja: até 2020 não precisará rever o índice de açúcar.

“Isso (o acordo) não vai estimular o consumo correto e mais saudável. Tem países como o México que sobretaxam o refrigerante. Com esse tipo de medida, como a dessa semana, você reduz uma quantidade muito pequena da quantidade de açúcar. É uma medida, é muito pouco, mas é alguma coisa”, explicou Zilli.

“Além da redução do açúcar dos alimentos, seria importante reduzir o preço dos alimentos mais in natura. Temos que ter um aumento da oferta para as pessoas dos produtos realmente saudáveis”, disse o endocrinologista Renato Zilli.

Para a nutricionista Gabriela Cilla, outro ponto que ainda precisa ser discutido é a educação nutricional desde cedo.

“É a ação do governo é um pouco desesperada. Acho que temos que tomar iniciativa. O ideal seria que todo mundo soubesse quantos gramas de açúcar comem, soubesse ler um rótulo. Isso é educação nutricional. Por isso, a decisão do governo não é suficiente, mas já é alguma coisa”.

Segundo ela, a proposta de mudar e esclarecer os rótulos dos alimentos é uma medida complementar que aumenta a eficiência da medida anunciada pelo Ministério da Saúde.

“O problema não é só a quantidade. Eu posso comer uma bolacha recheada. O problema é quantas bolachas recheadas que você consome. As pessoas não sabem a quantidade de açúcar que elas comem realmente”. (Fonte:G1)

Comentários

Mais

Produtores celebram safra e doam melancias à merenda escolar

Produtores celebram safra e doam melancias à merenda escolar

A Associação de Hortifrutigranjeiros, Pescadores e Ribeirinhos de Marabá, localizada na comunidade Boa Esperança, distante 15 quilômetros, próximo à região…
MEC autoriza escolas a usarem verbas do PDDE para aulas presenciais

MEC autoriza escolas a usarem verbas do PDDE para aulas presenciais

Uma resolução do Ministério da Educação publicada no Diário Oficial da União de hoje (17) autoriza os gestores das escolas públicas de educação básica…
Fiocruz avalia efetividade da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Fiocruz avalia efetividade da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com dados colhidos entre 17 de janeiro e 19 de julho reforçou que…
Covid-19: número de casos e óbitos tem maior queda em 2021

Covid-19: número de casos e óbitos tem maior queda em 2021

O Boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado hoje (17), indica que a taxa de ocupação de…
Caminhão pega fogo em pátio de posto de combustível na Nova Marabá

Caminhão pega fogo em pátio de posto de combustível na Nova Marabá

Um caminhão pegou fogo no pátio de um posto de combustível localizado na Rodovia Transamazônica, no núcleo urbano da Nova…
UFPA abre inscrições para cursos de graduação à distância

UFPA abre inscrições para cursos de graduação à distância

A Universidade Federal do Pará (UFPA) abriu inscrições para preencher vagas remanescentes nos cursos de graduação na modalidade de educação…