Correio de Carajás

Produtores de Parauapebas vendem 125 quilos de café de açaí por mês

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Cada dia mais o café de açaí tem sido procurado por hipertensos, diabéticos e pessoas com colesterol alto. O motivo são estudos recentes, como o do farmacólogo Roberto Soares de Moura, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, sobre os efeitos benéficos do caroço do açaí, do qual o café é feito. As análises apontam para propriedades como ser anti-hipertensivo, reduzir o nível de colesterol do sangue e a resistência insulínica e prevenir ou restringir danos resultantes do enfisema pulmonar.

Notícia boa para aqueles que sofrem desses problemas e também para Roberto Carlos Cunha, agricultor da Vila Paulo Fonteles, na zona rural de Parauapebas. O homem de 54 anos vive na colônia há 34 anos e há mais de 20 anos produz o café de açaí, em conjunto com a esposa. A produção ainda é pequena e envolve apenas cinco pessoas, mas faz uma grande diferença no bolso, gerando de quatro a cinco mil reais em renda bruta por mês.

A ideia partiu de Perina Rodrigues Silva

Roberto conta que a ideia foi da esposa, Perina Rodrigues Silva, que por conta da distância de onde vivem para a zona urbana da cidade sugeriu fazer o café em casa a partir do caroço do açaí, visto que a polpa era extraída das sementes em pequenas produções da Paulo Fonteles. Mensalmente, são produzidos e comercializados cerca de 500 pacotes de café de açaí com 250 gramas cada, totalizando 125 quilos do produto.

Leia mais:

“Os caroços de açaí são adquiridos em um local que trabalha com a extração da polpa de açaí. Posteriormente à retirada da polpa, nós trazemos os caroços de açaí para o sítio, onde são lavados em água corrente para atestar a total retiradas de resíduos. E assim segue para os processamentos seguintes de secagem, torrefação, moagem e embalagem”, relatou Roberto.

A produção de pequeno porte funciona por encomenda e atualmente busca o selo municipal de comercialização legal para se regularizar, o que permitiria a expansão do negócio de Roberto e Perina. Eles afirmam que a procura é grande tanto pelas propriedades benéficas à saúde quanto pela curiosidade dos consumidores em provar o café de açaí.

Roberto Carlos produz há mais de 20 anos na Vila Paulo Fonteles

Apesar do tamanho diminuto da produção e de a regularização não ter sido finalizada ainda, eles contam que seguem regras sanitárias rígidas para garantir a qualidade e a higiene do produto. “Ano passado, nós pagamos para fazer analises bromatológicas e microbiológicas do nosso café de açaí para atestar quanto à qualidade e fazer o monitoramento da presença de possíveis organismos que poderiam conter no café (de imediato a até meses após a embalagem aberta) que não fariam bem ao consumo. Nosso café se mostrou adequado, sem presença de Salmonella, cloriforme, bolores e leveduras de imediato, sendo adequado para consumo em até 6 meses após aberto”, informou Roberto.

Outro benefício causado pelo café é para os próprios produtores de açaí, que muitas vezes não conseguem descartar quilos e mais quilos de sementes pós-extração da polpa. Com 12 latas de caroços (aproximadamente 216 quilos) é possível produzir de 200 a 250 pacotes do café, o que corresponde à metade da produção mensal de Roberto e sua família. Ele acredita que “se o café de açaí se difundir de forma abrangente, pelo menos de forma local, aqui mesmo na nossa cidade, seria a solução para muitos batedores de açaí”.

A família de Roberto gosta muito de produzir o café de açaí e de todos os benefícios que ele gera, tanto aos consumidores quanto às partes envolvidas na produção. “Não só na parte material, mas como pessoas, o café de açaí nos trouxe grande felicidade por ver um produto nosso impactando positivamente a vida de outras pessoas”, diz Roberto, que afirma investir a maior parte do lucro gerado pelo café de açaí na própria produção, melhorando a qualidade dos materiais de embalagem e da logística de escoamento da produção. (Juliano Corrêa)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…