Correio de Carajás

Prefeitura de Parauapebas nega vacinas para gestantes

Grávida de 8 meses, Gabrielle teve vacinação recusada 2 vezes em Parauapebas (Imagem: Juliano Corrêa)

COVID-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Secretaria de Saúde do Município entra em contradição com governo estadual e prejudica grávidas que procuram por vacinas seguras contra a covid-19

Em Parauapebas, após muita angústia, o calendário de vacinação contra a covid-19 alcançou a população de adultos com mais de 30 anos sem comorbidades, mas continua excluindo as mulheres grávidas que entraram na fila para receber uma dose do imunizante nesta quarta-feira (14), mesmo havendo disponibilidade da vacina da Pfizer, que não possui contraindicações da própria fabricante ou do Ministério da Saúde para aplicação em gestantes. 

Uma dessas mulheres é Gabrielle Neves Leite, professora de química na rede particular do município, que saiu frustrada do posto de saúde e continua sentindo a intranquilidade de expor ela e o filho que aguarda à ação do perigoso coronavírus.  

Em entrevista ao Correio de Carajás, a gestante explica que desde o ciclo que vacinou profissionais da educação ela não consegue receber a dose. “Na época, estavam dando uma vacina contraindicada para gestantes [AstraZeneca] e explicaram teríamos um grupo prioritário depois, então eu compreendi, mas quando houve a segunda chamada para profissionais da educação, já havia disponível uma vacina sem contraindicações para grávidas”. 

Leia mais:

Mesmo assim, relata, ela recebeu a informação de que as vacinas tinham sido destinadas a outro grupo, que não a incluía. “Agora, a vacina foi distribuída para a minha faixa etária, voltei a ir atrás dela e não consegui novamente sob a mesma justificativa”, declarou a professora de 33 anos. 

“Não só eu, mas também vi muitas grávidas recebendo a mesma explicação, de que haverá um grupo exclusivo para nossa vacinação. O que não entendo é o seguinte: se não há contraindicações para que uma vacina seja aplicada e eu me encaixo em um grupo prioritário, por que não posso recebê-la logo?” 

Gabrielle e o marido, Walmi Costa e Silva, que inclusive já foi vacinado por ser professor de matemática, continuam atrás da vacina antes que Noah chegue ao mundo. A gestação da professora de química já está no oitavo mês e o casal permanece amedrontado. 

SEMSA É DESMENTIDA POR SESPA 

Após ouvir Gabrielle, o Correio de Carajás procurou a Secretaria Municipal de Saúde de Parauapebas (Semsa) para entender o que está acontecendo. A pasta reafirmou à reportagem que o ciclo de vacinação atual, com adultos de 30 a 39 anos, não contempla, de fato, mulheres gestantes. 

A justificativa é de que a Semsa “segue o plano de imunização de acordo com o que o Ministério da Saúde preconiza, assim como destina as doses recebidas pelo Estado de acordo com o público estabelecido”. 

Acontece que em Nota Técnica emitida pelo Ministério da Saúde, através da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, no dia 6 de julho, o Plano Nacional de Imunização passou a recomendar a vacinação em gestantes e puérperas  — mulheres que deram à luz em até 45 dias) com as vacinas Pfizer (administrada em Parauapebas) e Coronavac, desencorajando o uso de vacinas  que contenham o vetor viral, como AstraZeneca e Janssen. A Nota Técnica também pontua que a vacinação pode acontecer em qualquer período da gestação. 

A Secretaria de Saúde de Parauapebas sustentou, ainda, que a 11ª Regional de Saúde do Estado do Pará, que é responsável pela dispensação de vacinas municípios paraenses, não disponibilizou doses para o público estabelecido – nesse caso, as gestantes. 

O Portal procurou, então, a Secretaria Estadual de Saúde (Sespa) para questionar se a informação procede. O órgão, entretanto, desmentiu a nota da prefeitura, afirmando que “orienta todos os municípios, que são os responsáveis pela execução da vacinação, a realizarem a imunização de grávidas e puérperas com as vacinas da Pfizer e Coronavac, conforme estabelecido pelo Ministério da Saúde”. 

Grávidas são excluídas de vacinação em Parauapebas (Imagem: Ronaldo Modesto)

MAIS CONTRADIÇÕES 

Outro ponto a ser evidenciado na nota oficial da Secretaria Municipal é quando o órgão afirma que no estado do Pará, até o momento, “não houve a vacinação para as mulheres gestantes sem comorbidades”, concluindo que “assim que essas doses estiverem disponíveis para esse público, a SEMSA montará a melhor estratégia de vacinação, consequentemente a convocação desse público”. 

A informação, porém, não se sustenta. A terapeuta ocupacional Gabriella Guimarães, por exemplo, é moradora de Belém e informou ao Correio de Carajás ter recebido a vacina Pfizer na capital do estado no dia 12 de maio. Na ocasião, ela estava próxima de completar o primeiro trimestre de gestação. No município, houve vacinação com grupo prioritário de grávidas e puérperas com 18 anos ou mais, na mesma semana em que foram vacinados adultos entre 43 e 51 anos. 

Gabriella Guimarães é gestante e foi vacinada em Belém em 12 de maio (Imagem: Arquivo Pessoal)

Gabriella ainda atesta que quando o ciclo de vacinação para grávidas foi anunciado, ela procurou recomendações médicas. “Duas médicas de confiança falaram a importância de tomar a vacina, o quanto era importante uma grávida ter esse acompanhamento, e que se o governo disponibilizasse a vacina não era pra gente ter medo, porque na gravidez a mulher fica com riscos de saúde muito sérios e o coronavírus pode levar ao óbito tanto a mãe quanto o bebê. Então a vacina iria ajudar a reduzir drasticamente esse risco e eu fui tomar”, relatou. 

Em Marabá, município localizado na mesma região que Parauapebas, a Prefeitura Municipal anunciou que fará uma campanha direcionada às gestantes sem comorbidades assim que receber a nova remessa de imunizantes. Para a vacinação, bastará apresentar prescrição médica indicando a vacinação.  (Juliano Corrêa) 

Comentários

Mais

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

INVESTIGADO POR:    VERIFICADO POR:     Enganoso Os fragmentos de arroz são um subproduto apto para o consumo humano.…
Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR: Enganoso Título de artigo compartilhado em grupos bolsonaristas no Facebook omite que uma pesquisa eleitoral que…
É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

INVESTIGADO POR: VERIFICADO POR: São falsos posts virais no Facebook e no TikTok com áudio em que supostamente a atriz…
Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Enganoso É enganosa a publicação no site Terça Livre que afirma que um estudo francês apontou a eficácia da ivermectina…
A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

Esta semana um assunto polêmico ganhou o noticiário nacional: uma pessoa foi demitida por justa causa por se recusar a…
Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Do final de maio até o mês de julho, 314 animais foram testados contra a leishmaniose. O médico veterinário Flávio…