Como adiantado aqui pelo CORREIO na última semana, o engenheiro civil Antônio de Pádua de Deus será o novo ministro da Integração Nacional, em substituição a Helder Barbalho, que se desincompatibilizou do cargo no último dia 7 de abril. A posse de Pádua e de mais oito novos ministros está confirmada para esta terça-feira (10), às 15 horas. A reforma ministerial foi conduzida pelo presidente Michel Temer em virtude da necessidade da saída dos ministros que pretendem disputar as eleições deste ano. A posse coletiva ocorrerá no Palácio do Planalto.

ALICERCE
FUTURO POSTAGEM
TH SISTEMAS

Tomam posse Eduardo Guardia (Fazenda), Rossieli Soares da Silva (Educação), Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social), Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), Esteves Colnago (Planejamento), Leandro Cruz Fróes da Silva (Esporte), Vinicius Lummertz (Turismo) e Moreira Franco (Minas e Energia).

#ANUNCIO

Para assumir o ministério de Minas e Energia, Moreira Franco deixa a Secretaria-Geral da Presidência da República. Temer, no entanto, ainda não definiu quem ocupará a pasta. Dyogo Oliveira, que deixou o Ministério do Planejamento para assumir o BNDES, e Moreira Franco são os únicos que deixaram algum ministério, mas continuam no governo.

A maioria dos agora ex-ministros retoma seus mandatos na Câmara dos Deputados e concorrerá à reeleição para o cargo. Alguns, no entanto, decidiram pela primeira vez buscar uma vaga no Senado, que desta vez terá renovação de 2/3 dos senadores, cujo mandato é de oito anos.

De acordo com a Lei de Inelegibilidades (Lei Complementar nº 64/1990), além de ministros de Estado e magistrados, presidentes, diretores e superintendentes de empresas públicas, bem como chefes de órgãos que fazem assessoramento direto, também devem pedir exoneração na mesma data. Candidatos à reeleição para os cargos de governador e presidente da República não precisam deixar o cargo.

MDB

O engenheiro Antônio de Pádua de Deus é filiado ao MDB de Marabá e ex-secretário de obras do Município. Foi o próprio Helder, com anuência do partido, quem sugeriu ao presidente Michel Temer o nome de Pádua, como o mais capaz tecnicamente.

Contou a favor de Pádua o fato dele já fazer parte do corpo de profissionais do ministério, para o qual foi convidado pelo próprio Helder no ano passado, para secretário de Infraestrutura Hídrica, já chefiando e supervisionando importantes obras nacionais. Pádua ingressou no então PMDB há 2 anos, a convite do deputado estadual João Chamon Neto, presidente do Diretório Municipal em Marabá. (Da Redação)

Como adiantado aqui pelo CORREIO na última semana, o engenheiro civil Antônio de Pádua de Deus será o novo ministro da Integração Nacional, em substituição a Helder Barbalho, que se desincompatibilizou do cargo no último dia 7 de abril. A posse de Pádua e de mais oito novos ministros está confirmada para esta terça-feira (10), às 15 horas. A reforma ministerial foi conduzida pelo presidente Michel Temer em virtude da necessidade da saída dos ministros que pretendem disputar as eleições deste ano. A posse coletiva ocorrerá no Palácio do Planalto.

Tomam posse Eduardo Guardia (Fazenda), Rossieli Soares da Silva (Educação), Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social), Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), Esteves Colnago (Planejamento), Leandro Cruz Fróes da Silva (Esporte), Vinicius Lummertz (Turismo) e Moreira Franco (Minas e Energia).

#ANUNCIO

Para assumir o ministério de Minas e Energia, Moreira Franco deixa a Secretaria-Geral da Presidência da República. Temer, no entanto, ainda não definiu quem ocupará a pasta. Dyogo Oliveira, que deixou o Ministério do Planejamento para assumir o BNDES, e Moreira Franco são os únicos que deixaram algum ministério, mas continuam no governo.

A maioria dos agora ex-ministros retoma seus mandatos na Câmara dos Deputados e concorrerá à reeleição para o cargo. Alguns, no entanto, decidiram pela primeira vez buscar uma vaga no Senado, que desta vez terá renovação de 2/3 dos senadores, cujo mandato é de oito anos.

De acordo com a Lei de Inelegibilidades (Lei Complementar nº 64/1990), além de ministros de Estado e magistrados, presidentes, diretores e superintendentes de empresas públicas, bem como chefes de órgãos que fazem assessoramento direto, também devem pedir exoneração na mesma data. Candidatos à reeleição para os cargos de governador e presidente da República não precisam deixar o cargo.

MDB

O engenheiro Antônio de Pádua de Deus é filiado ao MDB de Marabá e ex-secretário de obras do Município. Foi o próprio Helder, com anuência do partido, quem sugeriu ao presidente Michel Temer o nome de Pádua, como o mais capaz tecnicamente.

Contou a favor de Pádua o fato dele já fazer parte do corpo de profissionais do ministério, para o qual foi convidado pelo próprio Helder no ano passado, para secretário de Infraestrutura Hídrica, já chefiando e supervisionando importantes obras nacionais. Pádua ingressou no então PMDB há 2 anos, a convite do deputado estadual João Chamon Neto, presidente do Diretório Municipal em Marabá. (Da Redação)

ROMANCE FAVORITA
TH SITES HORIZONTAL
DEPNEUS
PIZZARIA O SEGREDO DO CHEFF
FUTURO HORIZONTAL
RADIO CORREIO HORIZONTAL

Comentários